sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Charge do dia

A Lista - Oswaldo Montenegro

Estou repetindo este vídeo, mas sempre, e especialmente nesta data, é bom fazer uma "lista" dos que realmente são amigos. Este ano foi bom, mas que em 2011 tudo seja melhor.
Eliseu.

Governadores tucanos vão à posse de Dilma

Ao menos seis governadores eleitos pelo PSDB estarão na posse da presidenta eleita, Dilma Rousseff, do PT, no sábado, dia 1º de janeiro.
As lideranças tucanas Geraldo Alckmin (São Paulo), Beto Richa (Paraná), Marconi Perillo (Goiás), Tetônio Vilela (Alagoas), Anchieta Júnior (Roraima) e Siqueira Campos (Tocantins) confirmaram que participarão do evento. Simão Jatene (Pará) não confirmou presença e Antonio Anastasia (Minas Gerais) foi o único governador tucano eleito que avisou que estará ausente.
Siqueira Campos chegou a alterar o horário de sua própria posse para conseguir estar em Brasília a tempo da cerimônia no Palácio do Itamaraty. O PSDB solicitou a antecipação da posse do governador do Tocantins das 9h para as 8h. Tudo para que ele pudesse estar, às 11h, embarcando para o Distrito Federal.
O horário da festa de Dilma também não foi problema para os governadores eleitos por partidos da base aliada. A presidenta contará com a presença das principais lideranças do PT, PMDB e PSB. Confirmaram as presenças os governadores Sérgio Cabral (Rio de Janeiro), Jaques Wagner (Bahia), Eduardo Campos (Pernambuco), Cid Gomes (Ceará), Roseana Sarney (Maranhão), entre outros. No total, 15 governadores assistirão à festa.
O governador eleito pelo PT Tião Viana (Acre) terá de tomar posse às 0h30 do sábado para poder sair de Rio Branco, capital do Estado, a tempo de estar na capital federal para a posse de Dilma. Por acontecer de madrugada, a posse de Tião Viana fará parte da programação do réveillon na cidade.
Fonte: Último Segundo

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Sobre o PIG, Lula diz que nada perdeu ao não ler jornais

 Por:Eliseu
Em entrevista à TV Brasil, na noite de quarta-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que não perdeu nada por deixar de ler jornais e revistas durante seu mandato. Ele voltou a afirmar que a leitura matinal dos jornais lhe dá azia. Em entrevista no ano passado à revista Piauí, Lula disse que não lia notícias para não ter problemas no fígado.
"Tomei a atitude de não ficar com a raiva que eles (imprensa) pensam que eu vou ficar. Pensam que eu vou ler, vou ficar com azia, disse ao ministro da Comunicação, Franklin Martins "vou parar de lê-los, não vou ficar com azia. E não perdi nada", disse o presidente à TV Brasil.
Lula disse que a mídia exagera e que faz denúncias na maioria das vezes sem provas. Por isso, afirmou, acha necessária a criação de mecanismos de controle da imprensa.
"Se for ver algumas manchetes dos jornais, esse governo não existiu.  A imprensa se acha onipotente e que pode criticar todo mundo e eu não posso dizer que está errado. Responsabilidade vale para o presidente, jornalista e dono de jornal. Não posso dizer coisas sem ter que provar nada", disse.
Essa é a opinião do Presidente que após dois  mandatos consecutivos, deixa o cargo com 83,4% de aprovação. Simplesmente o recorde mundial.

Beth Carvalho & Mercedes Sosa - Eu só peço a Deus

Posse de Dilma contará com representantes de 132 países


O Ministério das Relações Exteriores confirmou a presença de representantes de 132 países na posse da presidente eleita Dilma Rousseff. Segundo o Itamarity, serão 23 chefes de Estado ou de Governo, nove vices, 24 chanceleres e 76 embaixadores ou encarregados de negócios.
Haverá, ainda, dez os representantes de organismos internacionais, entre eles a União Européia e a Organização das Nações Unidas (ONU).  
Dilma deverá receber 11 presidentes, sendo que o único que não é representante de país da América Latina é o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas. 
Entre os presidentes da América do Sul, estarão presentes Hugo Chávez, da Venezuela; Sebastián Piñera, do Chile; Evo Morales, da Bolívia; José Alberto Mujica Cordano, do Uruguai; Alan García, do Peru; e Juan Manuel Santos, da Colômbia. A presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, declarou que não viria por motivos pessoais, mas envia seu ministro das Relações Exteriores, Héctor Timerman.

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, também confirmou sua presença no evento. Ela deverá passar apenas três horas no país, e deve participar apenas da recepção a Dilma no Palácio do Planalto, sem ficar para o evento comemorativo no Itamaraty na noite do dia primeiro.
Do: Último Segundo

Criada comissão na Argentina para registrar e observar Ovinis

A Força Aérea Argentina (FAA) decidiu criar uma comissão para registrar e investigar denúncias de aparecimento de Ovnis (Objetos Voadores Não identificados) no espaço aéreo do país, disse esta quarta-feira à AFP um porta-voz da instituição.
"A Comissão de Investigação de Fenômenos Aeroespaciais está em processo de formação", disse o capitão Mariano Mohaupt, assessor de imprensa da FAA.
O militar revelou que a Força já tem registro de experiências vividas por alguns de seus pilotos e que não puderam ser explicados, mas "agora dá as cartas no assunto de um ponto de vista formal, profissional, que contribui para a sua própria missão, que é o controle do espaço aéreo".
A equipe será interdisciplinar, com meteorologistas, controladores de voo, pilotos e especialistas em radares, e será a receptora das denúncias feitas pelos cidadãos sobre fenômenos observados no espaço.
"Há muitíssimas denúncias que depois acabam se esclarecendo e ocorre que não se trata de fatos não convencionais", explicou Mohaupt.
Organizações deste tipo já existem em outros países do Cone Sul, como o Uruguai, onde funciona desde 1979 a Comissão Receptora e Investigadora de Denúncias de Objetos Voadores Não identificados, subordinada à Força Aérea.
Em agosto, o Brasil anunciou que o aparecimento de Ovnis no espaço aéreo do país será oficialmente registrado pelo Comando da Aeronáutica.
As autoridades instaram aos pilotos de aviões civis e militares, bem como os controladores do tráfego aéreo nacional, que relatem suas experiências ao organismo e também enviem provas documentais sobre objetos voadores não identificados.

Da AFP/Pairs

Charge do dia

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Construção civil teve aumento de 14,4% na taxa de emprego em 2010

A construção civil foi o setor da economia que mais se destacou na geração de empregos em 2010. Proporcionalmente, foi a área que mais cresceu, com 14,4% de aumento no número de postos de trabalho entre janeiro e novembro deste ano. Em 2009, a construção civil também tinha sido destaque, com crescimento de 10,9% no mesmo período.
Em números absolutos, contudo, os setores de serviços, comércio e indústria de transformação seguem a tradição de criarem o maior número de postos de trabalho no ano. De janeiro a novembro de 2010, os três setores foram responsáveis por pouco mais de 2 milhões dos 2,5 milhões de empregos gerados no ano.
O setor de serviços empregou, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, 939,4 mil trabalhadores até novembro. A indústria de transformação vem em segundo lugar, com 638 mil empregos gerados no período seguido do comércio com 505 mil postos de trabalho. A construção civil ficou em quarto lugar com 333 mil vagas criadas em 2010, sem contar ainda os números de dezembro que não foram fechados pelo ministério.
Para o diretor técnico do Departamento Intersindical de Estudos e Estatística Socioeconômico (Dieese), Clemente Ganz Lúcio, a geração de emprego com carteira assinada representa maior proteção social ao trabalhador. “Isso significa redução do desemprego por um lado e uma formalização da proteção social e da participação no sistema previdenciário por parte dos trabalhadores”, disse.
Nos últimos oito anos foram criados cerca de 15 milhões de postos de trabalho, sendo que o número total de trabalhadores celetistas no Brasil é de mais de 35 milhões.

Da Agência Brasil

Jorge Ben Jor - Taj Mahal

Lula diz que pobre descobriu que pode chegar ao poder

Por: Eliseu
Ao discursar no Ceará o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje (29) que em seus oito anos de governo a parcela pobre da população aprendeu gostar do que é bom e também que é possível chegar ao poder. "Esse negócio de que pobre se contenta com pouco é mentira, isso é coisa daqueles que exploraram a gente a vida inteira."
 
Segundo ele, "o povo aprendeu a gostar de coisa boa e aprendeu que pode chegar lá". Na cerimônia de lançamento da pedra fundamental de uma refinaria da Petrobras, Lula sugeriu que o governador do Ceará, Cid Gomes, e o presidente da Petrobras, Sergio Gabrielli, façam um calendário de compromissos sobre o andamento da refinaria para que ela seja entregue no tempo previsto.
Lula disse que assim Dilma, o Ministério do Meio Ambiente e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), poderão acompanhar o cronograma de execução das obras."Às vezes as coisas param na mão do Ibama, do Ministério Público e, quando a gente pensa que vai inaugurar, nem começou".

No Ceará, Lula participou do lançamento da pedra fundamental para a implantação da Refinaria Premium 2, da Petrobras. A área que está sendo estudada para a implantação da refinaria fica no Complexo Industrial do Porto de Pecém, no município de Caucaia (CE), onde está sendo iniciada a campanha de sondagem do terreno.

O empreendimento faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e deverá entrar em operação a partir de 2017, com produção de 300 mil barris por dia. De acordo com a Petrobras, deverão ser produzidos diesel com baixo teor de enxofre, querosene de aviação, nafta, gás de cozinha e bunker (combustível para navio).

Fonte: Pernanbuco.com



Lula termina 2 mandatos com aprovação de 83%

 Por: Eliseu
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixará o Planalto com aprovação de 83% da população ao seu governo, segundo pesquisa Sensus, divulgada hoje pela CNT (Confederação Nacional de Transporte). Em relação ao futuro governo da presidente eleita, Dilma Rousseff, 69% da população tem a expectativa de que será ótimo ou bom. Os outros 6% acham que será ruim ou péssimo e 17% acham que será regular. Foram entrevistadas 2.000 pessoas, em 136 municípios de 24 Estados, entre os dias 23 e 27 de dezembro de 2010. É a 110ª edição da pesquisa.
Após 502 anos de desmandos de toda espécie das peseudo-elites, com militares e "intelectuais" no poder, chega um operário, sem curso superior, para colocar o país no caminho certo, e conquistar o respeito do mundo.

Lula esvazia gavestas e fará binde de despedida

 Por: Eliseu
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se despedirá do escritório que ocupou nos últimos oito anos no Palácio do Planalto com um brinde de vinho espumante. A despedida está marcada para a noite de quarta-feira mas, como haverá expediente no palácio até o meio-dia dia 31, não será uma surpresa se o presidente aparecer no gabinete na manhã de quinta-feira.
Nesta terça-feira, Lula deu a ordem para que suas gavetas fossem esvaziadas amanhã de manhã. Segundo a legislação, o presidente que sai do cargo deve deixar o gabinete absolutamente vazio para o que entra.
O brinde no Palácio do Planalto será o último encontro de Lula com seus auxiliares diretos no exercício do cargo. O presidente deve passar o réveillon apenas com a família e amigos próximos no Palácio da Alvorada. Além da mulher, filhos, noras e netos, apenas o ex-prefeito de Campinas Jacó Bittar foi convidado.
Amigo de Lula há quase 40 anos, Bittar liderou o Sindicato dos Petroleiros de Campinas e formou junto com Luiz Gushiken (bancários de São Paulo) e Olívio Dutra (bancários do Rio Grande do Sul) o pilar sindicalista que deu origem ao PT.
Como a legislação também prevê que o ex-presidente saia de Brasília imediatamente depois de passar o cargo para o sucessor, Lula sai do Planalto direto para seu apartamento em São Bernardo do Campo.
O PT local preparou uma concentração na porta do prédio de Lula, que deverá atrair um grande público.

Fonte: Último Segundo

Charge do dia

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Despedida de Lula termina em choradeira

Ato que deveria ser o lançamento de projeto cultural, em Recife, se transforma em uma louvação a presidente
Foto: Agência Estado
“Não quero chorar mais do que já chorei. O povo chora para fora, cafunga, lacrimeja, enquanto político chora para dentro, fica engolindo as lágrimas”, disse o presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira à noite em seu último ato como chefe de Estado em Pernambuco, seu Estado natal.

O ato, programado para ser uma grande festa de despedida ao som de forró, acabou em uma choradeira generalizada. O próprio Lula chorou pelo menos três vezes e levou às lágrimas o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB) e parte das 20 mil pessoas que foram ao Marco Zero para se despedir do presidente.

No camarote VIP, ao lado do escritor Ariano Suassuna, um homem soluçava enquanto Lula rememorava sua trajetória desde a fuga da seca em 1952 passando pelas greves no ABC, as derrotas em 1989, 1994 e 1998, a vitória em 2002 e a reeleição em 2006. “Isso só pode ter o dedo de Deus. Quem não acredita em Deus pode acreditar porque ele existe”, disse Lula.

Oficialmente o ato deveria ser o lançamento do projeto Cais da Cultura – Memorial Luiz Gonzaga, mas se transformou em uma louvação a Lula. O poeta Antonio Marinho foi o primeiro a arrancar lágrimas do presidente ao falar, em ritmo de poesia, de obras como a transposição do rio São Francisco e o Pro-Uni.

Depois foi a vez dos repentistas Valter Teles e João Paraibano fazerem Lula cair na gargalhada com um verso no qual diziam que, se houvesse exportação de presidentes, os estrangeiros já teriam levado Lula embora.

Eduardo Campos foi o segundo a fazer Lula chorar quando agradeceu em nome do povo de Pernambuco pelas obras que o governo fez no estado.

Agraciado com a comenda da Ordem do Mérito dos Guararapes, a mais importante do Estado, Lula foi às lágrimas pela terceira vez ao falar das derrotas eleitorais e cafungou até o final do discurso. 

O presidente aproveitou para pedir apoio à presidenta eleita Dilma Rousseff. “Gente, a palavra de ordem é apoiar a Dilma”. E terminou reafirmando que não deixará a política. “Deixo apenas a presidência mas não pensem que vocês vão se livrar de mim. Porque estarei pelas ruas”.
Do: Último Segundo

Dono vai preso ao tentar matar cão afogado

Um cachorro foi salvo por policiais militares, após o seu antigo dono tentar, por várias vezes, afogá-lo no Canal de Camburi. Com uma pedra amarrada ao pescoço, o cão escapou da morte, por três vezes, conseguindo chegar à margem. Na quarta tentativa de assassinar o bicho, os policiais Leonardo Souza e Leonardo Pereira Lúcio deram voz de prisão a Caio Fernando, de 19 anos. A cena aconteceu na noite desta segunda-feira (27), na Ponte da Passagem, em Vitória.
Os policias, que faziam um patrulhamento de rotina na região, ainda foram surpreendidos com uma cena de selvageria: o rapaz mordeu um dos militares, ao ser abordado. Ele foi conduzido ao Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) de Vitória, onde foi autuado. 

Já o cão, uma mistura de poodle com raça não definida, tem apenas dois anos e aparenta maus- tratos. Caio Fernando alegou que ia matá-lo, porque estava cheio de carrapatos. Segundo os policiais, o animal é bastante dócil e está muito cansado, devido ao esforço em nadar com a pedra pendurada ao pescoço. Ele está internado em uma clínica veterinária e recebe cuidados.
A soldada Lorena Lima Daleprane, que apoiou a dupla de policiais, ficou sensibilizada com a situação e resolveu levar o cachorro para casa. Ela disse que vai cuidar dele, até conseguir alguém que goste de animais para adotá-lo. A previsão para que ele saia da clínica é de pelo menos dois dias. A partir daí, estará apto para adoção. Os interessados podem entrar em contato com a soldada Daleprane, pelo telefone 8132-8182.
Quem maltrata ou abusa de animais está infringindo a Lei 9.605/98, que trata dos crimes de meio ambiente. A punição, nesses casos, varia de três meses a um ano de detenção. A Justiça também pode determinar o pagamento de multa, que, em geral, varia de um salário mínimo a  R$ 5 mil.
Denúncias de maus-tratos a animais podem ser feitas em qualquer unidade policial. O cidadão que quiser registrar  denúncia, diretamente na Delegacia de Meio Ambiente, deve ligar para 3236-8136 ou para o Disque-Denúncia 181.

Do: Gazeta Online

Jorge Ben Jor - Pais Tropical-Spyro Gyra

Naufrágio em Vitória

 Por: Eliseu
Uma embarcação naufragou na baía de Vitória, na altura de Argolas, em Vila Velha, numa obra de ampliação do aterro da empresa Prysmian Cabos e Sistemas, que fabrica cabos de energia e telecomunicações para a Petrobras. Não houve feridos.
O acidente foi registrado às 3 horas na madrugada desta terça-feira. De acordo com o fiscal da obra pela Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa), Clovis Lascosque, houve uma falha mecânica numa das bombas de recalque que transfere areia da embarcação para a obra no aterro, o que teria causado o acidente.

foto: Nestor Müller - GZ
Draga que estava aterrando área próxima ponte Florentino Avidos naufragou em Vila Velha
Draga que estava aterrando área próxima ponte Florentino Avidos naufragou em Vila Velha
São poucas informações, pois a maioria dos funcionários envolvidos na obra não estavam autorizados a conversar.
O escritório da Prysmian, informou que somente a assessoria de imprensa da empresa, com sede em São Paulo, daria informações sobre o acidente.
Até o final da manhã, não havia começado a operação de retirada da embarcação. Havia somente boias em volta do casco para conter um pequeno vazamento de óleo. A contenção com as boias é uma exigência ambiental. 

Fonte: Gazeta Online 

Lula não vai abandonar política e elogia Dilma

 Por: Eliseu
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva elogiou nesta terça-feira, em sua coluna semanal, sua sucessora, Dilma Rousseff, e descartou abandonar a política com o fim de seu mandato. Segundo Lula, a maior surpresa que o Brasil terá com o governo Dilma será "em relação à sua capacidade de comandar, de produzir, de fazer as coisas andarem, de fazer acontecer".
"Ela já demonstrou isso ao longo de meus dois mandatos e, se o governo tem hoje altíssimos índices de popularidade, uma boa parcela dessa aceitação se deve ao que ela nos ajudou a realizar. Aliás, Dilma já surpreendeu muita gente ao participar de um processo que nunca tinha vivido antes --a disputa eleitoral-- e se tornar vitoriosa. Era um campo absolutamente novo, pelo qual ela nunca tinha passado e, no entanto, superou concorrentes de grande experiência, que tinham se dedicado a fazer política durante toda a vida. Ela tem uma grande capacidade de aprender e de se adaptar a situações novas e extraordinárias. Sua fibra é impressionante."
O presidente ainda citou os obstáculos que a petista enfrentou até chegar à Presidência. "Ainda jovem, enquanto muita gente se recolhia ou se dobrava, ela teve a coragem de colocar a vida em risco e enfrentar a ditadura e as torturas. Mais recentemente enfrentou e venceu um inimigo ainda mais perigoso e traiçoeiro, o câncer. Nós temos, felizmente, à frente dos destinos do nosso país uma pessoa preparada para vencer os mais diferentes desafios. Inclusive o principal, que é fazer mais e melhor do que foi feito nestes últimos oito anos."
Lula afirmou que não irá deixar a política. "Deixar de fazer política, para mim, seria o mesmo que deixar de me alimentar ou respirar. Não, essa hipótese de abandonar a política não existe. Eu não posso jogar pela janela a experiência acumulada de fazer um governo que é considerado muito bem-sucedido.Sinto-me com bastante energia para continuar atuando no sentido de contribuir para a construção de nações prósperas, com povos que vivam em liberdade e com justiça social."
Fonte: Folha

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Bailes anos 70

Caso "bolinha de papel" é arquivado

 Por: Eliseu
O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, determinou o arquivamento de interpelação feita pelo médico Jacob Kligerman contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O médico queria que Lula explicasse por que chamou de "farsa" o episódio em que o então candidato à Presidência, o tucano José Serra, foi atingido por um objeto semelhante a uma bolinha de adesivo, em um tumulto entre militantes do PSDB e do PT durante a campanha eleitoral no Rio de Janeiro, em outubro.
As primeiras imagens na TV mostraram apenas uma bolinha de papel atingindo o candidato tucano, que chegou a passar por exames médicos, incluindo uma tomografia. Nos dias seguintes ao tumulto, Lula e Serra trocaram acusações sobre o episódio. O presidente chegou a comparar o episódio ao do goleiro Rojas  (da seleção do Chile, que fingiu ter sido atingido por um rojão no gramado do Maracanã, no jogo contra o Brasil que valia classificação para a Copa do Mundo), que foi uma mentira, além de cobrar de Serra desculpas ao povo brasileiro, o que evidentemente não aconteceu.
Fonte: Último Segundo


"Tema da Vitória" Som que Lula usará ao descer a rampa

Por: Eliseu
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva descerá a rampa do Palácio do Planalto pela última vez, ao se despedir do cargo, ao som do "Tema da Vitória", -o que realmente é muito apropriado- música tradicionalmente associada às vitórias brasileiras na Fórmula 1.
A escolha foi feita pessoalmente pelo 1º tenente Almeida Machado, regente da banda dos Dragões. Ao ser perguntado se essa seria mesmo a música do presidente, o tenente respondeu com outra pergunta: "E tem música mais apropriada?". 
Lula passará a faixa presidencial à sua sucessora Dilma Rousseff dia 1º, que seguirá para o Congresso Nacional onde receberá a diplomação. Logo após seguirá para o Palácio do Planalto, onde haverá a troca de faixa.
Apesar de ser o primeiro dia do ano, 30 autoridades internacionais já estão confirmadas.





30 Autoridades internacionais já confirmaram presença na posse de Dilma

Por: Eliseu
No próximo sábado, dia 1º de janeiro de 2011, cerca de 20 mil pessoas devem acompanhar a cerimônia de posse da presidenta eleita, Dilma Rousseff (PT), entre elas 30 chefes de Estado.
O carro presidencial será acompanhado por batedores motorizados e agentes da Polícia Federal ao Congresso Nacional, onde ocorrerá o juramento à Constituição. Caso o tempo esteja ensolarado, Dilma entrará com o carro aberto e subirá pela rampa principal. No entanto, se chover, ela entrará com o carro fechado pela chapelaria.
Após o Congresso, Dilma seguirá para o Palácio do Planalto onde irá receber a faixa presidencial e discursar. "Tudo isso vai variar de acordo com o tempo. Caso chova, ela não subirá pela rampa do Palácio do Planalto e fará o discurso dentro do Palácio. A presidenta também adiantou que prefere ir sozinha no carro presidencial", afirmou o embaixador.
Cerca de 1,3 mil homens das Forças Armadas vão fazer a segurança da cerimônia. Segundo o coronel do Comando do Planalto, Carlos José Penteado, as três forças armadas Exército, Marinha e Aeronáutica - estão envolvidas.Depois da cerimônia no Palácio do Planalto, Dilma recepcionará chefes de Estado, ministros e outras autoridades em um coquetel no Itamaraty. A previsão é que o evento termine às 21h. Segundo o chefe do cerimonial do Itamaraty, até o momento 30 autoridades internacionais, sendo 12 chefes de Estado, estão confirmados para a cerimônia.
"Estão confirmados os chefes de Estado da Bolívia, Venezuela, Colômbia, Peru, Uruguai, Paraguai, Suriname e Chile. A delegação da Argentina ainda não confirmou. Também devem vir o primeiro ministro da Coreia do Sul, o príncipe das Astúrias e a secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton", disse.

Assange escreverá livro por R$ 2,5 milhões

 Por: Eliseu
O criador do WikiLeaks, Julian Assange, declarou em uma entrevista publicada neste domingo pelo jornal britânico Sunday Times já ter assinado acordos no valor de mais de um milhão de libras esterlinas (cerca de R$ 2,5 milhões) para escrever sua autobiografia.
Assange disse que este dinheiro irá ajudá-lo a se defender das acusações de supostos crimes sexuais que responde na Suécia.
"Não queria escrever este livro, mas tenho de fazê-lo", disse. "Já gastei umas 200.000 libras com despesas legais e tenho que me defender, além de manter o WikiLeaks funcionando."
Embora no ar há alguns anos, o Wikikeaks ganhou destaque internacional neste ano, ao levar a público 77 mil documentos da inteligência americana sobre o Iraque e, nas últimas semanas, mais de 250 mil telegramas secretos do Departamento de Estado dos EUA com os bastidores da diplomacia americana.
Assange está atualmente em liberdade sob fiança no interior da Inglaterra, enquanto tenta evitar uma extradição para a Suécia.
No Brasil, o livro deverá ser publicado pela editora Cia. das Letras. O lançamento será simultâneo em todo o mundo, mas ainda não há data definida.

domingo, 26 de dezembro de 2010

Cotidiano - Chico Buarque

Charge

Discurso de Natal de Dilma não foi televisionado pelas grandes redes de TV

Por: Eliseu
O Discurso de Natal da presidenta eleita Dilma Rouseff não foi transmitido pelas redes de televisão, como seria de praxe. Não interessou às TV's pelo fato de ser dirigido aos catadores de recicláveis e a população em situação de rua. Veja o vídeo:
 

Decisões do STF dificultam combate à corrupção, avalia Hage

Ministro-chefe da Controladoria-Geral da União acredita que STF peca por aceitar recursos em demasia e impedir quebras de sigilo

O ministro-chefe da Controladoria-Geral da União (CGU), Jorge Hage, disse ao iG que decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) estão na contra-mão das tentativas de combate à corrupção. De acordo com ele, o aceite de diversos recursos extraordinários protelam julgamentos que acabam por não ter fim, impedindo prisões e elevando a percepção social da impunidade. Além disso, a Corte não estaria autorizando o acesso a dados fiscais e bancários de pessoas ligadas a desvios de recursos de públicos.
Em entrevista, o ministro ainda ponderou que o Supremo deveria estar mais ligado aos anseios populares em suas decisões. Disse que as emendas parlamentares são uma das fontes de corrupção no país e que hoje, órgãos como a CGU, ficam restritos a punições administrativas que, no caso de alterações na legislação, poderiam ser mais eficientes na punição a infratores.
Veja abaixo trechos da entrevista:
iG: Quais as dificuldades que a CGU encontra junto ao STF no combate à corrupção?
Hage: É um conjunto complexo. Inclui a legislação processual na parte de recursos e possibilidades imensas e diversificadas de criação de incidentes processuais protelatórios. Nas franjas e dobras da lei processual sempre há espaço para protelar o andamento do processo, embaraçar, retardar. O simples fato que isso se combina com entendimento do STF que o réu só pode ir para prisão depois do transito em julgado contribui para a sensação de impunidade. Hoje só existem prisões cautelares. Logo depois, vencido o prazo razoável, os réus são soltos. Respondem em liberdade e respondem a todos os recursos em liberdade, o que, a meu ver, é absurdo. No mínimo, o recurso especial para o Superior Tribunal de Justiça ou o extraordinário para o STF, que por lei não tem efeito suspensivo, deveriam permitir execução da pena mesmo na pendência desses recursos. Mas o STF dá interpretação que o princípio da presunção de inocência impede que a pena seja aplicada enquanto não se esgotaram também esses recursos. O que significa é que o réu não vai para cadeia nunca, pois o processo não termina no Brasil.
iG: Há limitações no que diz respeito à quebra de sigilos?
Hage: É outra área que sempre estamos encontrando limites. O sigilo fiscal, bancário e telefônico foram instituições que se construíram para preservar a intimidade e a privacidade do cidadão enquanto indivíduo, o cidadão normal, comum. Agora, deixar que isso se transforme em biombo para o corrupto, para o improbo, não é a lógica desse princípio.
iG: Isso está acontecendo?
Hage: Sim, está sendo a prática. Frequentemente se assegura inclusive a bancos oficiais, veja bem, a bancos oficiais, bancos públicos como Banco do Brasil, o BNDES, a Caixa, o Banco do Nordeste, entre outros, a manutenção de sigilo, mesmo quando se trata de contas onde há dinheiro público ou pelo menos subsídios públicos. É sigilo contra os órgãos de controle. O que defendemos não é quebrar sigilo para abrir contas para o conhecimento público, mas não se contrapor sigilo a órgãos de controle que tem na mesma Constituição suas funções e deveres de fiscalização do dinheiro público.
iG: O Supremo tem agido para preservar sigilo em detrimento das investigaçãoes dos órgãos de controle?
Hage: Frequentemente. O TCU e nossa próprias pretensões têm esbarrado nisso.
iG: O senhor acredita em pressão social para reverter esse quadro no Supremo?
Hage: Sem dúvida nenhuma. Tenho repetido várias vezes que a população deve se inspirar no sucesso da Lei da Ficha Limpa. Só passou no Congresso por conta da pressão popular. E passou nos tribunais superiores por conta da pressão pública, mesmo não tendo isso ainda uma vitória completa devido ao empate no STF, mas já é um enorme avanço. E a pressão social funciona também em relação ao poder judiciário, sobre tudo nas cortes superiores. Membros do STF sustentam que não é necessário falar só nos autos, que eles podem e devem falar com a sociedade pois são uma instituição político-jurídica social, e não órgão técnico jurisdicional.
Claro que no primeiro e segundo grau não se deve decidir sobre a pressão das ruas. Mas é claro também que preservamos e conservamos o júri, que é a sociedade decidindo, é a rua decidindo. Não digo uma mudança de posição seja do STF ou do Congresso no calor de uma crise, não é isso, não é dizer que hoje o Rio está em pé de guerra e que se deve mudar as leis ou orientações jurisprudenciais. Não é isso, mas mudanças como essa, de dar outro entendimento ao princípio da presunção da inocência, que hoje impede na pratica a punição de corruptos, não é calor do momento, é algo constante na sociedade, então parece que cabe sim a pressão da opinião pública no STF.
iG: Saindo um pouco do STF, o senhor disse numa palestra recente que as emendas parlamentares são uma fonte de corrupção.
Hage: Nem todas. Eu digo que algumas podem ser. Há emendas muito bem intencionadas e que aperfeiçoam a proposta orçamentária, mas há muitos casos de emendas que já vêm com o carimbo e intenção de financiar uma determinada obra com superfaturamento, com direcionamento de licitação, já combinadas com prefeito. Por isso defendo revisão na legislação de elaboração orçamentária para dar mais segurança e transparência na questão de emendas para reduzir a influencia desse tipo de intenção.
iG: Por fim, o que a CGU tem conseguido fazer no combate à corrupção? Tem recuperado dinheiro?
Hage: Devido à morosidade do processo judicial o índice de retorno é baixíssimo. Fala-se em 5% a 10% de recuperação. Nós estamos aplicando penas administrativas. Em oito anos foram 2,8 mil funcionários afastados: diretores de estatais, auditores da receita, procuradores federais, superintendentes, subsecretário de orçamento. São autoridades de níveis altos, não há mais a certeza da impunidade. Aliás, de vez em quando, ouço preocupação no sentido inverso, gente não querendo ocupar cargo de decisão com medo de ser acusado de improbidade e perder o cargo. Mas isso é bom, pois quem não deve não teme, não deve ter receio.
E, do lado empresarial, extraímos o máximo que a lei permite na sanção administrativa. Empresas que cometem conluio, fraude à licitação, pagamento de propina e ilícitos contratuais temos aplicado a Lei 8.666, que leva à suspensão de contratar ou licitar e à declaração de inidoneidade. Além de darmos multas, que tem efeito menor. Por outro lado encaminhamos ao Congresso a lei de responsabilização da pessoa jurídica, que prevê multa de até 30% no faturamento da empresa por via administrativa. Há o projeto encaminhado pelo presidente Lula que aumenta as penas do crime de corrupção e o torna hediondo, o que viabiliza providências mais drásticas no curso do processo e reduz as possibilidades de livramento condicional e antecipado. Outro projeto tipifica o crime de enriquecimento ilícito e ainda outro que está andando, que, aliás, é o único que está andando, é o do acesso às informações. E anda por pressão da sociedade. Ou seja, a iniciativa de projetos de lei é algo que enfatizamos e precisamos da pressão da sociedade para passar isso e para se combater a corrupção.
Na íntegra do: Último Segundo

Chico Buarque - Construção

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Anos 60 -70 Giro Pelas Músicas Lentas

Lula e Dilma almoçam com catadores de papel

Por: Eliseu
Nunca na história do Brasil, dois Presidentes da República se dignaram a confraternizar o natal em almoço com catadores de recicláveis e moradores de rua,  como fizeram o presidente Lula e a presidenta eleita Dilma Rouseff.
Há anos que Lula faz esse almoço e antes de iniciar o discurso pediu oração para o vice-presidente José Alencar que está internado.
O presidente disse que ano que vem,  mesmo fora da presidência  estará no almoço, se for convidado. Dilma também assumiu o mesmo compromisso.
Emocionado com mais uma despedida, Lula afirmou que se orgulha de ter tratado os catadores com o mesmo respeito que tratou "todo mundo".

Charge do dia

Tucanos querem cobrar de pecientes dos SUS

SP aprova projeto que permite cobrança de pacientes do SUS


O plenário da Assembleia Legislativa paulista aprovou na noite da última terça-feira, 21, o Projeto de Lei Complementar 45/2010, do Executivo, que altera a Lei Complementar 846/1998, que trata da qualificação de entidades como Organizações Sociais de Saúde (OSSs), por 55 votos a favor e 18 contra.
As OSSs são gestoras de diversas unidades e laboratórios públicos no Estado. A alegação do Executivo é que os procedimentos de alta complexidade e de alto custo são usualmente desviados pelos planos de saúde para o SUS. Com a aprovação do PLC, esse aporte financeiro dos planos de saúde viria financiar todo o sistema de saúde pública. O PT e o PSOL votaram contra o projeto. A votação foi acompanhada por entidades que representam os servidores de saúde.
A alteração proposta permite que os hospitais geridos pelas OSSs atendam, além de pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) e do Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual (Iamspe), usuários de convênios de saúde privados (até o máximo de 25% de sua capacidade operacional total), sob as seguintes condições: a unidade de saúde gerida pelas OSSs deve ser a única detentora de mais de 50% da oferta de serviços de saúde na região e prestar serviços especializados e de alta complexidade.
Na mensagem que encaminhou o projeto, o Executivo argumenta que hospitais como o do Câncer, Dante Pazzanezze e Instituto do Coração, que realizam atendimentos de ponta, poderão receber pacientes da rede privada e ser ressarcidos por seus gastos.
A discussão sobre o projeto provocou polêmica entre a base governista e a oposição, que obstruiu o processo de votação desde o início da entrada em pauta do PLC 45/2010. Segundo os oposicionistas, a nova lei, se aprovada, poderá estabelecer diferenciações no atendimento - as chamadas duas portas ou duas filas -, privilegiando os pacientes de planos privados de saúde de custo mais alto, que cobrem procedimentos mais caros, e prejudicando pacientes do SUS e do Iamspe, que ficariam ainda mais tempo na fila até conseguirem ser atendidos.
O deputado Vinícius Camarinha, falando em nome da liderança do PSB, posicionou-se sobre o projeto, pedindo que sua emenda aglutinativa fosse acolhida pela oposição, que, no entanto, manifestou posição contrária. O deputado também disse que seria necessário mais tempo para a discussão do PLC 45/2010.
No dia 7, a Comissão de Saúde e Higiene realizou uma audiência pública para debater o projeto. Segundo Samuel Moreira (PSDB), esses pacientes de alto custo geram um lucro injustificado aos convênios médicos e sobrecarregam o SUS, portanto é justo cobrar pelo atendimento. Mas, como destacou Cid Carvalhaes, presidente do Sindicato dos Médicos de São Paulo, no PLC não há mecanismos que prevejam como esse ressarcimento se dará. Na prática, de acordo com ele, será criada uma fila dupla de atendimento, onde os ricos serão privilegiados. 
Fonte: Estadão


Tribunal proíbe, e aeroviários não entram em greve

 Por: Eliseu
Em uma atitude louvável, que deveria também ser  tomada em outros setores imprecindíveis a população como greve de ônibus e médicos, o presidente do Tribunal Superior do Trabalho, o ministro Milton de Moura França, concedeu uma liminar determinando que 80% dos funcionário do setor aéreo não entrassem em greve, determinando uma multa diária de R$ 100 mil em caso de descumprimento da ordem. Com essa determinação, os aeroviários não entraram em greve.
O objetivo da ação, de acordo com um comunicado do TST é "viabilizar o transporte aéreo em todo o território nacional, no período compreendido entre 23 de dezembro 2010 e 2 de janeiro de 2011".
De acordo com o O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que reconhe o direito de greve dos trabalhadores, disse que a população não pode ser prejudicada, no que mais uma vez tem razão.
"Espero que os brasileiros não sejam vítimas da insensatez. O que não pode é uma atitude de irresponsabilidade que leve o povo a sofrer", afirmou Lula.
Vê-se claramente que tal situação é um odiável oportunismo, visto que os trabalhadores tem todo o ano para reinvindicarem melhorias, mas escolhem sempre este período.



quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Imagine - John Lennon - 72

Por: Eliseu
Como presvisto, a incompetência da Infraero já se torna evidente mais uma vez em datas de grande movimento como final de ano. Cerca de um terço dos voos domésticos e internacionais programados para decolar do aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande SP, registrou atraso superior a trinta minutos até as 19 horas desta terça-feira, 21, segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).
Dos 75 voos internacionais programados, 21, ou 28%, decolaram fora do horário e dois foram cancelados. Entre os 173 voos domésticos, 54, ou 31,2%, sofreram atrasos e cinco foram cancelados.
No aeroporto de Congonhas, zona sul da capital, das 199 decolagens previstas, 28, ou 14,1%, registraram atraso. O número de cancelamentos também é alto: 31 voos, ou 15,6% dos programados, foram cancelados no aeroporto nesta terça-feira.
No País, dos 2090 voos domésticos previstos até as 19 horas, 478 (22,9%) registraram atraso superior a trinta minutos e 138 (6,6%) foram cancelados. Entre 142 voos internacionais programados, 34 (23,9%) tiveram atrasos e cinco (3,5%) foram cancelados.
Fonte: Pernanbuco.com 

Charge do dia

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Flyng - Chris de Burgh

Lula vetará emendas sobre royalties

Por: Eliseu

Mantendo o que tinha prometido, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva vai vetar amanhã a emenda aprovada pelo Congresso Nacional que redistribui os royalties do petróleo entre todos os estados e municípios brasileiros e não apenas entre os produtores. A afirmação foi feita hoje durante evento no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro.

“Todo mundo sabe que eu tenho um compromisso porque tenho um acordo, firmado com a presença da presidenta Dilma (Rousseff), quando ela era ministra, do governador Sérgio Cabral (do Rio de Janeiro), do Paulo Hartung (governador do Espírito Santo), do governador de São Paulo (José Serra), com o líder do PMDB que foi o relator da matéria. Portanto, vou vetar e mandar ao Congresso o projeto de lei restituindo o acordo que firmamos naquele período”, disse Lula.

A ideia do governo federal é manter as regras atuais de distribuição para os campos de petróleo já licitados, que beneficia apenas estados e municípios produtores, e mudar as regras de distribuição apenas para os campos ainda não licitados no país. Para os campos não licitados, a proposta do governo é que parte dos royalties se destinem também a municípios e estados não produtores.
Durante o evento,  Lula afirmou ainda que vetará qualquer previsão de corte de verbas para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no orçamento de 2011, declarou  ainda que a presidente eleita Dilma Roussef tampouco permitirá corte no orçamento do programa.


Fonte: Agência Brasil

Lula cobra de PT votação para regular mídia

Na última reunião do ano com a Executiva Nacional do PT, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu ontem ao partido que se dedique a três prioridades no primeiro ano do governo de Dilma Rousseff: reforma política, marco regulatório dos meios de comunicação e programas para a juventude.
"Quero ver quem vai afinar, hein?", disse Lula, segundo relatos de participantes do encontro, quando citou a polêmica proposta de regulamentação da mídia. O projeto que cria o marco regulatório da comunicação eletrônica ainda não foi enviado ao Congresso, mas já desperta desconfianças sobre o interesse do governo em relação ao controle social da mídia.
Ao abordar o assunto com os petistas, no Palácio da Alvorada, Lula deixou claro que nem ele nem a presidente eleita Dilma Rousseff nunca planejaram censurar a liberdade de expressão. Na avaliação do ministro da Comunicação Social, Franklin Martins, o marco regulatório "vai garantir a concorrência, a competição, a inovação tecnológica e o atendimento ao direito da sociedade à informação".
Com o mesmo argumento, o futuro ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que o governo não vai vigiar a mídia. "Agora, não é sensato simplesmente achar que a imprensa pode tudo e o cidadão, o político - porque político também é gente -, não tem direito a nada", reagiu Bernardo, hoje titular do Planejamento. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Charge do dia

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Queen - We are the champions, live - Boa Música!

Lula: não haverá paz no Oriente Médio enquanto EUA mediarem

Para presidente, é preciso da participação de outros países nas negociações; Lula voltou a defender diálogo com Irã

Para presidente, é preciso da participação de outros países nas negociações; Lula voltou a defender diálogo com Irã


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira (20) que não acredita em um acordo de paz no Oriente Médio enquanto o principal mediador forem os Estados Unidos.
"Estou convencido que não haverá paz no Oriente Médio enquanto os Estados Unidos forem o tutor da paz", discursou Lula durante encontro de final de ano de oficiais das Forças Armadas, em Brasília.
"É preciso envolver outros agentes, outros países para poder negociar a questão da paz no Oriente Médio. Não é uma questão dos Estados Unidos", disse.
Os EUA tentam mediar um acordo entre Israel e palestinos que até agora não surtiu efeito.
Lula tem defendido um papel mais atuante do Brasil no processo de pacificação do Oriente Médio. Em maio, visitou o Irã para tentar mediar um acordo em relação ao programa nuclear da República Islâmica.
O Ocidente suspeita que o programa de Teerã visa desenvolver armas nucleares, mas o governo iraniano afirma que o objetivo é a obtenção de energia.
"Antes de viajar, nós recebemos uma carta do presidente Obama que colocava algumas condições (para um acordo internacional)", disse Lula.O presidente lembrou que a conversa com seu colega iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, levou em conta os termos de uma carta enviada a ele pelo presidente norte-americano, Barack Obama, dez dias antes de sua visita a Teerã.
"O presidente Ahmadinejad aceitou exatamente o termo que levamos e por isso assinou que estava disposto a sentar na mesa na comissão em Genebra", declarou.
O Brasil e a Turquia tentaram mediar um acordo de troca de combustível nuclear com o Irã, para evitar a imposição de sanções ao país. No entanto, o acordo não impediu que as potências ocidentais seguissem pressionando por novas sanções ao país.
Lula argumentou que o único motivo para que o acordo não fosse aceito pela comunidade internacional é porque Brasil e Turquia estariam interferindo em um assunto que não caberia a países emergentes.
"Mesmo assim, os países do Conselho de Segurança (da ONU) resolveram punir o Irã. Por que? A única explicação é que era preciso punir o Irã porque o Brasil e a Turquia tinham se metido numa seara que não era a de país considerado emergente", afirmou.
"O que o Ahmadinejad assinou é exatamente aquilo que o presidente Obama colocou para nós dez dias antes de a gente viajar para o Irã", declarou.
Fonte: Último Segundo

Tensão entre as Coreias

A Coreia do Sul realizou nesta segunda-feira um exercício militar com munição real numa área disputada com a Coreia do Norte, apesar das ameaças de guerra de Pyongyang.
O exercício deveria ter ocorrido no fim de semana, mas foi adiado devido ao mau tempo. Ele durou cerca de duas horas, com disparos quase constantes de artilharia -- alguns próximos, outros distantes -- que sacudiram os abrigos antiaéreos da ilha de Yeonpyeong.
"Não posso lhes dizer exatamente quantos foram disparados, alguns são distantes, alguns são barulhentos. O abrigo está chacoalhando e as pessoas aqui estão preocupadas, inclusive eu mesmo", disse uma testemunha à Reuters.
Yeonpyeong fica perto de uma área marítima disputada pelas duas Coreias. Em 23 de novembro, na última vez em que a Coreia do Sul testou munições lá, a Coreia do Norte reagiu bombardeando a ilha, o que causou a morte de dois civis e dois militares, no pior ataque contra o território sul-coreano desde o fim da Guerra da Coreia (1950-53).
A Coreia do Norte alertou na semana passada para um ataque ainda mais violento caso o Sul repetisse os exercícios. China e Rússia pediram a Seul que não os realizasse, mas os Estados Unidos disseram que os sul-coreanos tinham direito de fazê-los.
Em meio à tensão, houve também relatos de um possível avanço diplomático. Segundo a CNN, o negociador norte-americano Bill Richardson obteve concessões norte-coreanas a respeito da retomada das inspeções nucleares da ONU.
Em viagem não-oficial a Pyongyang, Richardson teria também convencido o regime comunista a negociar a venda de 12 mil cápsulas de combustível nuclear, que seriam enviadas ao exterior, possivelmente à Coreia do Sul, segundo o canal. Também ficou estabelecida a criação de uma comissão militar envolvendo EUA e as duas Coreias, além de um outro canal direto de contato entre os militares norte e sul-coreanos.
A chancelaria sul-coreana não comentou as informações.
A Coreia do Norte expulsou os inspetores nucleares em abril de 2009, rompendo um acordo anterior de desarmamento.
(Reportagem adicional de Jack Kim, Yoo Choonsik e Jeremy Laurence em Seul; Louis Charbonneau na ONU e Chris Buckley em Pequim) 
Fonte: Estadão


domingo, 19 de dezembro de 2010

Pholhas - Forever

Parlamentares brasileiros ganharão 84% a mais que britânicos

Com aumento salarial de R$16,5 mil para R$ 26,7 mil, deputados e senadores do País receberão 8% mais que congressistas americanosO aumento aprovado pelos congressistas brasileiros aos seus próprios salários, na quarta-feira, deixa os vencimentos básicos de deputados e senadores do País 8% maiores do que os dos congressistas americanos e 84% maior do que os dos britânicos, segundo um levantamento feito pela BBC Brasil.
A decisão aprovada no Congresso brasileiro elevou os salários dos deputados e senadores em 62%, de R$ 16,5 mil para R$ 26,7 mil, a partir de fevereiro de 2011. Os salários do presidente, do vice e dos ministros também serão elevados.
Segundo dados do Parlamento britânico, cada um dos 650 deputados da Câmara dos Comuns recebe um salário básico equivalente a 5.478 libras por mês (cerca de R$ 14.541).
Nos Estados Unidos, deputados e senadores recebem um salário básico equivalente a US$ 14.500 por mês (cerca de R$ 24.700).
Os salários dos congressistas brasileiros também ficarão quase seis vezes mais altos do que os de seus pares argentinos. Os deputados do país vizinho ganham um salário básico mensal de 10.600 pesos (cerca de R$ 4.540), enquanto os senadores recebem cerca de 16 mil pesos mensais (R$ 6.850).
Comparações
Um levantamento comparativo preparado pelo Parlamento britânico em 2007 mostra os vencimentos dos congressistas de países como Austrália, Canadá, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Espanha e Suécia.
Segundo o levantamento britânico, que incluiu também dados da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos, em 2007 os deputados e senadores americanos eram os que tinham os maiores vencimentos entre esses países, seguidos pelos italianos, que tinham salários equivalentes a R$ 22.350 mensais.
Na outra ponta, a Espanha tinha os menores salários de parlamentares em 2007 – o equivalente a R$ 6.466 mensais, seguida de Suécia (R$ 9.469) e Noruega (R$ 9.649).
O aumento concedido pelos congressistas brasileiros aos seus próprios salários não supera, em termos proporcionais, a elevação aprovada em agosto para os vencimentos dos parlamentares indianos, de mais de 200%.
Ainda assim, a triplicação dos salários dos parlamentares indianos elevou-os para 50 mil rupias mensais, ou o equivalente a R$ 1,8 mil mensais.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Lula, o ´senhor Mercosul`

O presidente chileno, Sebastián Piñera, se empolgou e gritou: ´Fica Lula! Fica!`. O governante paraguaio, Fernando Lugo, o chamou de ´grande estadista`. O boliviano Evo Morales propôs sua candidatura ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas. Em seu último evento internacional como presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva foi considerado o ´senhor Mercosul`. Os chefes de Estado latino-americanos presentes na 40ª reunião do grupo não pouparam elogios ao colega brasileiro durante sua despedida. Lula, por sua vez, garantiu que a sucessora, Dilma Rousseff, vai continuar o trabalho de integração e fortalecerá cada vez mais o bloco econômico, perto de completar 20 anos.

Durante o encontro em Foz do Iguaçu, o presidente brasileiro exaltou a boa sintonia entre Argentina, Paraguai e Uruguai. Lula passou o cargo da Presidência pro tempore para o líder paraguaio, Fernando Lugo, e afirmou que deixava o posto demonstrando satisfação. ´Em duas décadas, conseguimos fazer do Mercosul um projeto histórico de integração política e social. Juntos, formamos um dos maiores espaços democráticos do mundo. O destino fez desta reunião meu último compromisso internacional. Saio dele com a certeza de que valeu a pena o trabalho que juntos realizamos`.

Na quinta-feira, diversas medidas haviam sido aprovadas na reunião, entre elas a criação do cargo de alto representante do bloco, a padronização das placas de veículos de todos os países membros até 2018 e a adoção de uma carteira de identidade única. ´Espero que o povo do Mercosul se orgulhe de fazer parte do grupo. Eu, por exemplo, na hora que sair o primeiro coche ('carro', em espanhol) com a placa do Mercosul, esteja certo, Pêpe, que eu irei a Montevidéu`, brincou Lula com o presidente uruguaio José Mujica.

Em relação às desavenças comerciais com a Argentina, Lula afirmou que dentro de um bloco econômico a disputa de interesses é normal. ´O Mercosul não é um convento, um encontro de freiras. É um encontro de chefes de Estado, de países soberanos, que sempre vão ter divergências, um país com interesse diferente do outro. O que precisamos é ter a compreensão e a maturidade. Tentamos fazer concessões daqui e dali. Mas é isso, a divergência faz parte do processo democrático`.

Lula pediu aos outros mandatários para que ´trabalhem de forma incansável`, com o objetivo de tentar trazer países como Chile, Equador, Bolívia, Colômbia e Peru para o bloco. Também pediu que o Congresso paraguaio aprove o ingresso da Venezuela no Mercosul, a única nação que ainda não tomou a decisão. 

O novo cargo de alto representante do Mercosul, que precisa ser aprovado pelos Congressos dos quatro países, ganhou candidatos, entre eles o atual ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim. Lula negou que o nome do chanceler seria indicado. Ainda não foi definida como será feita a escolha.

Do: Pernambuco.com