quinta-feira, 31 de março de 2011

The Fevers - Charly

Cabral promete modelo de saúde igual ao que atende Obama

Por: Eliseu
Com a situação que passa -e sempre passou- a saúde pública brasileira, fica difícil entender a fala do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, quando diz que irá implantar no Rio um modelo de assistência a pacientes politraumatizados similar ao do Centro de Trauma de Baltimore, referência nos Estados Unidos e que atende, inclusive, o presidente Barack Obama.
Para concretizar o projeto, Cabral assinou em Baltimore, nos Estados Unidos, um convênio de consultoria técnica entre a Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil e o Centro de Trauma da Universidade de Maryland. A expectativa é que o primeiro Centro de Trauma do Estado seja inaugurado em junho, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio.
Ontem mesmo fiz uma postagem neste blog, com o título Caos na Saúde Pública, que aponta apenas alguns dos problemas que o SUS vem passando no Espírito Santo, o que não é diferente no restante do País, inclusive o Rio.
Seria louvável, mas se o governador não consegue fazer o sistema atual funcionar em seu estado, com denúncias de descaso com a saúde que tomam conta dos noticiários todos os dias, fica parecendo utopia, ou "conversa pra boi dormir", para ser mais claro.
Se realmente for implantado tal centro e funcionar dentro do esperado, será motivo de aplausos (apesar de não passar de obrigação do estado) ao governador Sérgio Cabral.

Fonte: Correio do Brasil

População pede cassação de Bolsonaro


Por: Eliseu
Felizmente alguns setores da sociedade já entenderam que o Brasil precisa de mudanças de fato em sua política. Ontem (30) começou a circular nas principais redes sociais do país um convite a um protesto pela cassação do mandato do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ). O deputado e ex-militar fez declarações homofóbicas e racistas no programa CQC da Band, na noite desta segunda-feira. A entrevista gerou polêmica pelas respostas agressivas e preconceituosas do deputado. A última pergunta dirigida ao político foi, surpreendentemente, de Preta Gil. A cantora quis saber como o deputado reagiria caso algum filho seu se apaixonasse por uma negra. “Preta, não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco porque meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambiente como lamentavelmente é o teu”, respondeu Bolsonaro, uma pessoa intolerante e sem o menor respeito pelas diferenças, que está representando o estado do Rio e todo o povo brasileiro.
“Além de atacar os gays e negros, Bolsonaro faz elogios ao regime militar e críticas ao atual governo. O caso levanta uma questão: Porque a Homofobia ainda não é reconhecida pela lei como crime inafiançável, assim como o racismo? Até quando será tolerado esse tipo de comentário preconceituoso, contra os negros, gays ou qualquer outra minoria?”, questiona o texto distribuído no Facebook.
“Na internet, podemos nos mobilizar para expressar nosso descontentamento com o que foi dito, que é inaceitável. Não basta reclamar pelo Facebook ou Twitter. Vamos nos fazer ouvir. Mande um email para o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar expressando sua indignação: cedpa@camara.gov.br. Vamos ver quantos emails podemos enviar em 1 semana. Vamos lotar a caixa de entrada do Conselho. Vamos pressionar o governo e protestar, pacífica e eficazmente. Divulguem esse evento, mandem e-mail e cartas para jornais e revistas. A internet pode ser uma grande aliada no exercício da democracia. Basta perdermos a preguiça e começarmos a agir! Compartilhe e fortaleça o protesto, adcionando links e suas opiniões. Qualquer tipo de comentário violento ou preconceituoso não será permitido. Não vamos nos rebaixar ao nível do Deputado”, acrescentou.
É importante lembrar que a internet através das redes sociais foi e está sendo largamente usada na mobilização contra os ditadores espalhados pelo Oriente Médio e África.
Porém, é importante lembrar que se esse deputado racista está no poder, é porque foi eleito pelo voto popular e livre. Está mais do que na hora da população ser melhor informada sobre os candidatos em época de eleições, e não vamos esperar que o PIG faça isso. É uma iniciativa que tem partir de setores organizados da sociedade.

Charge do dia

quarta-feira, 30 de março de 2011

How Can I Go On - Freddie Mercury & Montserrat Caballé

Desvio de merenda para comprar uísque e ração para cachorro

Por: Eliseu
É de embrulhar o estômago ver notícias como essas, que não são poucas, denunciando esses ladrões travestidos de prefeitos, deputados, vereadores e afins que pululam pela política brasileira, e que são eleitos pelo voto de incautos cidadãos, que são os mais prejudicados.
Em Alagoas, uma operação realizada nesta quarta-feira pela Polícia Federal, a Controladoria-Geral da União e o Ministério Público Federal pretende desarticular um esquema de desvio de verbas de merendas escolares em Alagoas.
A Operação Mascotch, como é chamada, deve cumprir 16 mandados de prisão temporária e 28 mandados de busca e apreensão. A ação ocorre nos municípios alagoanos de Maceió, Arapiraca, Limoeiro de Anadia, Lagoa da Canoa, Girau do Ponciano, Poço das Trincheiras, Senador Rui Palmeira, Belo Monte, Estrela de Alagoas, Jacaré dos Homens, Quebrangulo, Feira Grande e Traipu.
Dentre os mandados, de acordo com a CGU, há buscas sendo realizadas nas sedes das prefeituras de Girau do Ponciano, Poço das Trincheiras, Senador Rui Palmeira, Belo Monte e Estrela de Alagoas.
Os recursos desviados, ainda segundo a Controladoria, eram utilizados no pagamento de compras pessoais, inclusive na aquisição de uísque, caixas de vinho e ração para cachorro, enquanto centenas, talvez milhares de crianças passam fome, a maioria delas tendo como única fonte de alimentação a merenda escolar roubada por esses bandidos de gravata.

Operação Caetés

A operação desta quarta é um desdobramento da Operação Caetés, executada em outubro 2010 e que também investigou um esquema de desvio de recursos da alimentação escolar. Na ocasião, foram cumpridos oito mandados de prisão temporária e 16 mandados de busca e apreensão.

A investigação teve início após uma suspeita, levantada em fiscalizações da CGU, de que algumas empresas se alternavam frequentemente como vitoriosas em licitações nos municípios em que ocorre a operação. Entre 2007 e 2009, 13 licitações renderam ao grupo empresarial investigado contratos no valor aproximado de R$ 8 milhões, segundo a Controladoria.
E o mais triste de tudo isso é saber que quando são pegos pela polícia, nada acontece. As leis são elaboradas por eles próprios, ou seus pares.

Caos na Saúde Pública

Republicação do blog O Capixaba News, também de minha propriedade
Por: Eliseu 
Pelo visto, nossos governantes estão pouco se importando com a saúde pública. Não passa um dia sem que os noticiários não estejam recheados de casos escabrosos por esse País afora. No Espírito Santo a situação não é diferente, senão mais caótica.
Em Vitória, o Hospital São Lucas que está funcionando precariamente em um anexo do HPM, pacientes graves estão amontoados pelos corredores, chegando ao ponto de os médicos se recusarem a  atender novos pacientes por absoluta falta de condições.
A mesma situação encontrada no Hospital São Lucas pode ser observada em outros hospitais públicos do Estado. O Hospital Dório Silva, em Laranjeiras, na Serra também está com pacientes nos corredores. Sem ter local apropriado, toalhas e pertences pessoais dos pacientes ficam espalhados. O ambulatório da emergência também não comporta a demanda. Ele foi construído para sete atendimentos simultâneos e na tarde desta segunda-feira foi usado para 22. O presidente do Conselho Gestor do hospital afirma que o número de médicos também é insuficiente. "Há 15 anos nós não temos concursos públicos. Temos muitos voluntários e DTs que dão plantão no hospital. Efetivos são poucos", comentou Amarildo Peçanha.
No PA de Vitória o sistema de classificação de risco implantado nas unidades de saúde tem gerado polêmicas e desconforto. No último domingo, um paciente de 82 anos depois de passar por exames, foi enquadrado na cor verde - de pouca urgência. De acordo com o acompanhante, autor da denúncia, o pai apresentava falta de ar, dormência nas pernas, nos braços e nos lábios, dor no peito e fadiga - sintomas iniciais de um possível infarto. Os dois ficaram horas sentados em um local apertado, quente e com muitas pessoas doentes ao redor. Tudo isso sem a garantia de que receberiam atendimento.
Na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Carapina, na Serra, que recebeu investimentos na ordem de 8 milhões, apenas três dias após sua inauguração já estava com o atendimento comprometido. Superlotação, funcionários e médicos que não sabiam usar as novas tecnologias implantadas. A prefeitura gastou fábulas com publicidade, mas não treinou funcionários. Nesta madrugada duas médicas foram roubadas dentro da unidade apesar de haver segurança 24 hs.
Na Pró-Matre em Vitória, casos de mães que perdem seus bebês por falta ou demora no atendimento se repetem com assustadora frequência.
Isso para citar apenas alguns casos na Grande Vitória, excluindo Vila Velha e Cariacica, que não há o que comentar, pois o que existe por lá não pode ser considerado atendimento.
Até quando elegeremos políticos que só pensam em embolsar a maior quantidade possível de dinheiro advindos de propinas de obras públicas sem se interessar pela vida? Um dos raríssimos casos de honestidade e caráter na política infelizmente se foi ontem, o já saudoso José Alencar.

Sarney é "morto" pela Secretaria de Cultura de São Paulo





O Carcará está de Luto pela morte do homem que era exemplo de dignidade.
Por: Eliseu
A desorganização e falta de controle no serviço público brasileiro, que mais parece "casa de mãe joana", desrespeitou a memória de um dos mais éticos homens que já passou por nossa emporcalhada política. O ex-vice presidente José Alencar.
Desta vez o Twitter da Secretaria de Cultura de São Paulo postou uma mensagem ironizando a morte do ex-vice-presidente José Alencar. "PQ foi o José Alencar e não o #Sarney?" (sic) foi escrito por alguém que tem acesso à conta oficial do órgão nesta terça-feira. A página é seguida por quase 25 mil internautas.
A mensagem já foi apagada e, no lugar, postada outra desculpando-se. "Mensagem postada indevidamente no nosso perfil não reflete a posição oficial da Secretaria. Lementamos o ocorrido", escreveram.

Em fevereiro a conta oficial do Supremo Tribunal Federal publicou piada sobre o presidente do Senado José Sarney. A mensagem dizia o seguinte: "Ouvi por aí: "agora que o Ronaldo se aposentou, quando será que o Sarney vai resolver pendurar as chuteiras?".

O Supremo lamentou na ocasião, e a Secretaria de Cultura de São Paulo fez o mesmo agora. Não tem que lamentar e sim descobrir o autor e aplicar severa punição. Não se faz piada partindo da mais alta Côrte, e muito menos se tripudia sobre a morte de ninguém, pricipalmente partindo de um órgão público. É falta de respeito com a memória e a família.

Charge do dia

terça-feira, 29 de março de 2011

Paul McCartney - My Love

José Alencar: "Tenho medo da desonra, não da morte"

"Eu não tenho medo da morte. Da desonra, sempre tive”. Reiteradas vezes, em meio à longa e penosa batalha contra o câncer, José Alencar Gomes da Silva recuperou o vocabulário esquecido da política brasileira. Por todos os cantos, cidadãos que acompanharam a dignidade com que o ex-vice-presidente da República enfrentou as recidivas dos tumores, em princípio, no abdômen, ouviram a referência a Sócrates. O filósofo, que preferiu a cicuta à negação de suas ideias, consideradas subversivas à polis, respondeu quando lhe indagaram se não temia a morte: “Não posso opinar sobre o que não conheço. Minha preocupação é com a vida, que desejo viver bem, com dignidade e sem desonra.”

Segunda causa de licenças são causadas por pressão no trabalho


 Transtornos mentais atribuídos ao sofrimento no trabalho são a segunda causa de afastamentos temporários no País provocados por problemas de saúde, segundo um levantamento feito pelo Jornal da Tarde nos dados do Ministério da Previdência Social. A pressão no ambiente corporativo e a jornada sobrecarregada são alguns fatores que contribuem para esse adoecimento.
JF DIORIO/AE
JF DIORIO/AE
Alaíde chegou a ter sinais físicos das agressões psicológicas sofridas no trabalho, como vômitos
No ranking das principais doenças que afetam os trabalhadores brasileiros, com base nos dados referentes ao biênio 2008-2009, os problemas psicológicos perdem apenas para as lesões osteomusculares, como é o caso da Lesão por Esforço Repetitivo (LER). Depressão e estresse aparecem entre os distúrbios mentais mais comuns do meio corporativo.
"Além da pressão e do excesso de trabalho, dificuldade de promoção, falta de autonomia e identificação com a chefia são alguns dos motivos", lista o psiquiatra Duílio Antero de Camargo, médico do trabalho do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas (IPq-HC). Diante da importância crescente do tema, Antero vai lançar, em maio, o livro Terapia Ocupacional (leia mais ao lado).
No caso da advogada Alaíde Boschilia, de 48 anos, as dificuldades no trabalho se transformaram em sinais físicos. Funcionária de um escritório de advocacia, ela conta que o corpo, além da mente, também sofreu por causa da pressão psicológica. "O ambiente era muito hostil. Meu chefe gritava e tratava todos os funcionários mal", lembra. "Comecei a vomitar todos os dias antes de ir trabalhar, perdi peso, tive furúnculos embaixo dos braços, espinhas e manchas na pele."
Alaíde suportou as agressões emocionais por oito meses, até que resolveu procurar um novo emprego. "Estava afastada havia cinco anos do mercado e precisava voltar a trabalhar, mas demorei a perceber que o próprio emprego estava me fazendo mal", diz.
Para José Atílio Bombana, coordenador do Programa de Atendimento e Estudos de Somatização, do Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), os sintomas de Alaíde foram "reações de um organismo estressado". "Submetidos aos ‘estressores’, que também podem ser a violência e o trânsito, cada pessoa tem uma maneira de reagir", diz.
Observar com atenção os sinais emitidos pelos corpo quando o emocional não vai bem é uma das recomendações do médico do trabalho Gilberto Archêro Amaral, diretor da Associação Nacional de Medicina do Trabalho (ANAMT). "Insônia, cansaço, desinteresse e diminuição do relacionamento com outras pessoas são sinais de sofrimento provocado pelo trabalho."
Amaral ressalta, contudo, que "a todo momento o indivíduo sofre agressões", de forma que o trabalho, em algumas situações, pode ser apenas mais uma delas.
"Não podemos atribuir só ao trabalho o fato de um indivíduo adoecer. Os transtornos mentais são multifatoriais", explica o médico.
Segundo Bombana, a "estrutura interna de cada pessoa" determina a maneira como ela reage ao estresse. "Entre o trabalho e a doença, existem as características individuais que definem como será a reação do indivíduo. Algumas pessoas lidam bem com cobranças e até crescem quando são muito exigidas no trabalho", completa.
Sentir-se útil faz bem para a saúde psicológica
A pressão é comum no trabalho, afirmam os especialistas ouvidos pela reportagem. Mas qual é o limite entre as exigências da profissão e o abuso? "Cada pessoa tem um nível de tolerância", fala José Atílio Bombana, coordenador do Programa de Atendimento e Estudos de Somatização, do Departamento de Psiquiatria da Unifesp.
Gilberto Archêro Amaral, diretor da Associação Nacional de Medicina do Trabalho (ANAMT), diz que a pressão, em alguns casos, pode ser até benéfica. "Obriga uma resposta do organismo e do indivíduo. Para alguns, pode ser um estresse, mas para outros a pressão pode fazê-los produzir mais e melhor", afirma. "A doença também é uma resposta do organismo sobre a incapacidade de a pessoa reagir à pressão", completa Amaral.
Bombana afirma que é importante observar alguns sintomas. "Quando a pessoa passa mais tempo pensando em situações fora do trabalho em pleno expediente é um bom sinal de que alguma coisa não vai bem" (leia mais acima).
Para se manter mentalmente saudável no emprego, o especialista da Unifesp ressalta a importância de a pessoa sentir-se útil. "A produtividade é fundamental para que a cabeça da pessoa esteja bem no trabalho."
PINGUE-PONGUE
Duílio Antero de Camargo (psiquiatra e médico do trabalho do instituto de psiquiatria do HC): ‘Jeito de reagir a cobranças é individual’
Como e quando o trabalho pode prejudicar a saúde?
Depende de três fatores: biológico, social e psicológico. E da forma como cada pessoa reage a situações de estresse e cobranças. Para diagnosticar o distúrbio ocupacional é preciso comprovar o nexo causal: conhecer os motivos que estão adoecendo o indivíduo e ver se podem ser provocados pelo emprego ou por situações externas ao meio corporativo.
Quais situações do ambiente corporativo são capazes de provocar transtornos mentais nos funcionários?
Pressão, dificuldade de promoção e relacionamento com colegas de trabalho, falta de autonomia e afinidade com a chefia são algumas das principais situações estressantes. Mas tudo dependerá da maneira como cada indivíduo reage aos estímulos e aos outros fatores, social e biológico. O importante é a empresa diagnosticar o funcionário adoecido para poder ajudá-lo. É melhor afastá-lo por um período do que mantê-lo na atividade com sua capacidade produtiva comprometida.
lista PRESTE ATENÇÃO!
Entre os principais sinais dos distúrbios mentais comumente associados ao sofrimento no trabalho, tais como estresse e depressão, estão:
link Desânimo
link Insônia
link Cansaço
link Desinteresse
link Diminuição no relacionamento estabelecido com os colegas de trabalho
link Irritação
link Dores musculares sem outros motivos aparentes
link Dificuldade de concentração nas atividades exigidas pelo emprego
Do: Estadão

Charge do dia

segunda-feira, 28 de março de 2011

Milton Nascimento -Travessia

Ao lançar o "Rede Cegonha" Dilma diz que desigualdade é maior na área de saúde

Ao lançar hoje (28) um programa de atenção às gestantes e aos bebês, o Rede Cegonha, a presidenta Dilma Rousseff afirmou que é na área de saúde que a desigualdade social é mais “perversa”. Dilma lembrou o compromisso que assumiu durante a campanha eleitoral de melhorar o atendimento público de saúde no país.
“Não vamos compactuar com a miséria e a pobreza, não tem um lugar onde a desigualdade é mais perversa do que na área de saúde”, disse em cerimônia em Belo Horizonte.
A presidenta lembrou que durante a campanha eleitoral assumiu o compromisso de melhorar o Sistema Único de Saúde (SUS). “Temos que fazer nesse quatro anos um enorme esforço para continuar  ampliando o acesso à saúde e transformar o SUS em um sistema de alta qualidade que assuma responsabilidades diante de cada brasileiro. É um desafio e estamos aqui para enfrentar desafios”, afirmou.
O Rede Cegonha tem investimentos previstos de R$ 9 bilhões até 2014 para ampliar a rede de assistências às gestantes e aos bebês na busca de reduzir a mortalidade infantil e materna. Ligada ao SUS, a Rede Cegonha trabalhará em conjunto com os estados e municípios.
Com o programa, as unidades de saúde receberão recursos para fazer teste rápido de gravidez. A futura mãe terá vale-transporte para comparecer a todas a consultas pré-natal e exames. Aquelas que comparecerem integralmente terão direito a um vale-táxi para ir para a maternidade.
O programa busca também ampliar de quatro para seis o número de consultas recomendadas às gestantes. Atualmente, quase 90% das mulheres brasileiras fazem as quatro consultas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde.
O SUS  recomenda 20 tipos de exames às gestantes. Com o Rede Cegonha, além desses exames, a intenção é que cem por cento delas façam ultrassom. Se tiver uma gravidez de risco, mais nove tipos de exames complementares poderão ser pedidos.
O Rede Cegonha vai possibilitar que a gestante conheça previamente a maternidade onde terá o bebê e tenha  direito a um acompanhante durante a internação.
Serão ainda criadas as casas da gestante e do bebê ligadas às maternidades de alto risco. A mulher poderá ficar nesses locais antes e depois do parto, caso precise de observação, mas não tenha indicação de ficar internada.
Em relação à criança, a Rede Cegonha vai atuar nos dois primeiros anos de vida e prevê também campanhas de aleitamento materno e de incentivo ao parto normal.
O cronograma de implantação das ações dá prioridade às regiões da Amazônia Legal e ao Nordeste, que têm os mais altos índices de mortalidade materna e infantil, e às regiões metropolitanas, que concentram maior número de gestantes.
Do: Agência Brasil

Charge do dia

domingo, 27 de março de 2011

E Agora José?

Tema do filme, Suplício de uma Saudade (1955)

Deputados fazem CPIs de implante dentário e gordura trans em SP


Na Assembleia, oposição acusa base de Alckmin de criar CPIs irrelevantes para impedir investigações


Alcoolismo, serviços de implante dentário, reprodução assistida e consumo de gordura trans serão alvos de investigações em comissões parlamentares de inquérito na Assembleia Legislativa de São Paulo ao longo de 2011.
“Por que não perdemos tempo, então, discutindo o fim do mundo, considerando o filme ‘2012’, o Armagedoon, o tsunami no Japão? O governo só coloca esse monte de CPIs para impedir que temas que possam ser agudos possam escancarar uma possível malversação”, afirma o deputado oposicionis
(PDT). Para ele, a Casa deveria investigar, por exemplo, os pedágios e o caso Alston, sobre suposta propina de empresários suíços para dirigentes do metrô.Já os governistas defendem a relevância das propostas e dizem que as críticas são “chiadeira de oposição”, que não reúne assinaturas suficientes para dar início a uma investigação. “O problema é que a oposição acha que CPI só tem sentido se for contra o governo”, justifica o líder do PSDB na Assembleia paulista, Orlando Morando.
O líder tucano refuta a crítica dos opositores de que PSDB tenha monopolizado as CPIs. Ele lembra que a primeira comissão foi proposta por um parlamentar do PDT. “A oposição criticava também (na última legislatura) a CPI da Bancoop – cooperativa dirigida por petistas – e ela serviu de apoio ao Ministério Público, resultou em denúncia, em bloqueio de bens. Uma CPI a gente sabe como começa, mas não como termina”.
A polêmica acontece num momento em que o presidente da Casa, Barros Munhoz (PSDB), é investigado por supostos desvios praticados quando era prefeito de Itapira (SP).
Para se criar uma CPI na Assembleia é necessária a assinatura de um terço dos parlamentares (32). A comissão tem poder para investigar autoridades judiciais, determinar diligências, ouvir indiciados, pedir audiências e determinar a quebra de sigilo bancário e telefônico de autoridades, inclusive policiais. São 120 dias de investigações, prorrogados por mais 60, quando só podem funcionar cinco comissões.

“CPI do Sebo”
Uma das comissões mais criticadas pelos oposicionistas é a CPI da gordura trans, proposta pelo deputado Roberto Massafera (PSDB), que tem como objetivo investigar “problemas relacionados ao consumo de gordura hidrogenada e de gordura trans”. A justificativa para criar a comissão, que deve ter início no segundo semestre – é a 11ª CPI da lista – teve como base artigos científicos. “Como não existe gordura no mundo vegetal – somente óleos – foi criado, então, um processo de transformação desses óleos vegetais em gordura sólida. Esse é o início do problema”, escreve o deputado. A comissão, apelidada pelo líder do PT na Assembleia, deputado Antonio Mentor, de “CPI do Sebo”, não indica como os deputados investigarão a extensão dessas supostas irregularidades nem como poderão avaliar o ônus e os problemas acarretados aos cofres públicos com o consumo da gordura, conforme sugere o parlamentar.
Outra CPI criada na Assembleia irá averiguar o “aumento do registro de problemas com próteses e serviços dentários”. O autor do pedido de criação da comissão, o tucano Helio Nishimoto, justifica a necessidade da CPI com base em uma série de alertas feitos pela fundação Procon sobre problemas na contratação de serviços odontológicos, como, por exemplo, a falta de identificação do profissional, condições de pagamento, demora no atendimento e pedido de cancelamento do contrato.
O consumo de bebida alcoólica entre cidadãos paulistas também será alvo de investigação pelos deputados. O autor da proposta, deputado Cauê Macris (PSDB), afirma que a CPI está em sintonia com uma meta do governo Geraldo Alckmin, que pretende fazer do combate ao alcoolismo uma bandeira – assim como o ex-governador José Serra fez com o tabagismo. Para a oposição, o tópico não deveria ser discutido na Assembleia, uma vez que já existem normais federais, como a Lei Seca, que regulam o consumo. Enquanto a oposição ironiza a CPI, tucanos defendem que a preocupação com o alcoolismo é legítima. “O principal objetivo é entender por que a fiscalização para venda de álcool para menores não está funcionando”, disse Orlando Morando.
Outras comissões
Neste ano, também serão investigadas a prática de irregularidades na prestação de serviços por TV por assinatura (CPI criada pelo deputado José Bitencourt, do PDT), a “remuneração irrisória” para médicos de planos de saúde (CPI criada pelo tucano Fernando Capez) e a situação do ensino superior praticado pelas instituições particulares (CPI criada pelo tucano Celso Giglio). Ao contrário das CPIs da gordura trans, das próteses dentárias e do consumo de álcool, essas CPIs, todas sugeridas por aliados de Alckmin, escaparam de críticas mais ferrenhas da oposição.
Ao final das primeiras cinco comissões, serão investigadas suspeitas de irregularidades em empresas de reprodução assistida (projeto do tucano Carlão Pignatari), eventuais abusos na taxa de juros em compras parceladas (do tucano Celino Cardoso), a suposta cartelização do mercado de autopeças e de reposição (também de Capez), a pesca predatória no Estado (da tucana Maria Lucia Amary), serviços de empresas de telemarketing (do tucano João Caramez), a já citada “CPI do Sebo” e o desaparecimento de pessoas no Estado de SP (de José Bitencourt).
No último dia 15 de março, primeiro dia da nova legislatura, a oposição, liderada pelo PT, tentou coletar assinaturas para criar uma CPI que apurasse supostos abusos na cobrança de pedágios nas estradas paulistas, mas não conseguiu número mínimo de apoiadores.

Do: Último Segundo

Polêmicas no MinC: Ana de Hollanda diz que reações são violentas


Alvo de pesadas polêmicas no ministério da Cultura, Ana de Hollanda admitiu que as reações a ela estão sendo ainda mais violentas do que imaginava ao assumir a pasta, em janeiro. Em entrevista ao jornal " O Estado de São Paulo" deste domingo, a ministra comentou as principais polêmicas de sua curta e já turbulenta gestão, como a retirada da licença Creative Commons do site do MinC, suas supostas ligações com o Ecad, ou os protestos contra a aprovação de captação de verba de R$ 1,3 milhão para Maria Bethânia criar um blog de poesia.
"Por mais que tentemos esclarecer que estamos estudando as questões, as pessoas querem respostas imediatas", defendeu-se Ana de Hollanda, que considerou "muito estranha a gritaria" que a retirada do Creative Commons causou. "Aquele selo era uma propaganda dentro do site do MinC. Não existe a possibilidade de você fazer propaganda ali. A responsável agora sou eu e eu não podia permitir que isso continuasse", disse ela.
O Creative Commons (CC) é uma licença jurídica criada para atualizar o direito autoral frente às mudanças no consumo cultural trazidas com a popularização da internet. Foi adotada pelo MinC na gestão de Gilberto Gil, durante o governo Lula. Ele modifica o mote do copyright de "todos os direitos reservados" para "alguns direitos reservados" - ou seja, cabe ao autor determinar, em sua obra, o que será ou não liberado para o público, desde que a fonte seja devidamente preservada. Ana de Hollanda, porém, enxerga a questão de outro modo. "A democratização é possível sempre, mas ela tem de prever também o pagamento àqueles que criam. Um autor de um livro que trabalha dez anos com pesquisa vive disso. O direito autoral é o salário dele", afirmou.
A polêmica gerada após a aprovação, via Lei Rouanet, para Maria Bethânia captar R$ 1,3 milhão para a criação de um blog de poesia, não passou de "tempestade em copo d′água". "Projetos assim são aprovados mensalmente", disse. Mas admitiu que, no modelo atual da lei, são os departamentos de marketing das grandes empresas quem conduzem a política cultural do Brasil. "Quando falamos da necessidade da cultura ser autossustentável, vejo como a Lei Rouanet foi prejudicial. E para os artistas se inserirem nisso, precisam ter o nome forte. Agora, uma atividade mais experimental, nova, que não estiver no gosto do mercado, vai ter uma difícil aceitação. A Lei Rouanet viciou o mercado a trabalhar só através dela", disse.
Do: Pernambuco.com

Charge do dia

sábado, 26 de março de 2011

Ex-Amor - Simone e Martinho da Vila

Foto do dia: templo na beira do rio


O Templo de Ramsés é um dos destaques do complexo de Abu Simbel, no Egito

Foto: David Boyer / National Geographic Image Sales
Estátuas de seis andares de altura decoram a entrada do Templo de Ramsés, no complexo Abu Simbel, Egito

O PIG sempre distorcendo os fatos

Por: Eliseu
O PIG como sempre tentando distorcer os fatos. Tentaram criar a imagem de que Lula e Dilma se distanciam e  que Dilma mudou a política externa no caso do voto brasileiro no Conselho de Direitos Humanos da ONU. Lula não só apoia a decisão do governo no CDH, como ainda fez ironia, quando perguntado sobre o voto do Brasil a favor do relator especial, de fiscalização. 
“Achei importante. Veja bem: votar para que haja fiscalização, o Brasil votou corretamente”, ao ser indagado sobre o motivo de o Brasil não ter se posicionado contra o Irã antes, em seu governo, ao que respondeu: “Porque não houve votação, a votação só foi agora. Por que você não fez essa pergunta antes? Porque só pode fazer agora?”

Charge do dia

sexta-feira, 25 de março de 2011

Al Di La

Foto do dia: Beleza não é tudo


Javalis não estão entre os animais mais bonitos da natureza. Além da cara severa, eles costumam ter verrugas

Foto: Beverly Joubert / National Geographic Image Sales
Apesar do olhar feroz, javalis são animais que preferem fugir ao invés de lutar

Os javalis não são exatamente os animais mais bonitos da natureza. estes porcos selvagens têm a cabeça coberta de “verrugas” que servem como proteção. Os pelos são esparsos e uma espessa juba sobressai nas costas. Eles pastam ervas e plantas, e também usam seus focinhos para buscar raízes cobertas pela terra. Quando assustados ou ameaçados, javalis podem ser extremamente rápidos, com velocidade de até 48 km/h.

Família de JK vai à Justiça para protegê-lo de Kassab

Do: Surgiu.com

Escrito por Josias de Souza às 06h51

Presidente do Memorial JK, monumento assentado em Brasília, a neta do ex-presidente abespinhou-se com uma iniciativa do ‘ex-demo’ Kassab.

O prefeito registrou em 14 de março um novo domínio de internet: www.jk.org.br. Planeja associar as iniciais do ex-presidente ao seu “novo” partido.

Inicialmente, Kassab pretendia dar à sua legenda o nome de PDB (Partido Democrático Brasileiro).

O diabo é que a sigla logo ganhou uma tradução jocosa: “Partido Da Boquinha”. Para fugir da piada, Kassab recorreu à anedota.

Rebatizou sua agremiação de PSD (Partido Social Democrático). E passou a associar a iniciativa a Juscelino Kubistchek.

Como se sabe, PSD era o nome do partido pelo qual JK elegeu-se presidente do Brasil em 1955. Foi extinto depois que a ditadura militar impôs ao país o bipartidarismo.

O repórter Sérgio Roxo informa que a neta de Juscelino enxergou na esperteza de Kassab uma iniciativa tóxica. 

Antecipada na véspera pelo repórter Cláudio Humberto, a irritação da família de JK foi despejada numa nota da neta:

“JK é patrimônio do Brasil e dos brasileiros. Seu nome pertence à história da democracia nacional”, escreveu.

Para ela, o nome do avô “não pode ser usado sem o prévio consentimento da família Kubitschek e muito menos sem aprovação do Conselho do Memorial JK”.

Anna Kubitschek deixou claro que leva os lábios ao trombone “em nome da minha família e do Conselho do Memorial, que eu presido”.

Ela acrescenta: “Repudio a maneira inadequada com que o prefeito Gilberto Kassab se apropriou da sigla do meu avô para nominar sua rede social...”

“...Informo ainda que providências legais serão tomadas para coibir este tipo de política que um verdadeiro democrata jamais ousaria praticar”.

Ouvido, Kassab disse que, antes de registrar o domínio de internet, avisou a filha de JK, Maria Estela. Vem a ser tia de Anna Kubitschek.

O prefeito não se deu por achado: “Caso tudo dê certo, nós iríamos depois consultá-la, para ver se a família liberaria a marca”.

Os tempos verbais utilizados pelo prefeito não fazem nexo. “Dê” não orna com “iríamos”. 

Ou Kassab diz “caso tudo desse certo” ou troca iríamos por “iremos depois consultar”.

De resto, o uso do vocábulo “marca” não soa delicado. Empresta ao velho Juscelino a aparência de um produto de ocasião.

Um detalhe injeta na pendenga um quê de inusitado. Anna Kubitschek é casada com Paulo Octávio, ex-vice governador na “panetônica” gestão de José Roberto Arruda.

No período em que Arruda foi recolhido a uma cela especial da Polícia Federal, Paulo Octávio chegou a assumir a cadeira de governador do Distrito Federal.

Viu-se, porém, compelido a renunciar ao cargo depois que as denúncias mergulharam Brasília no caos absoluto. 

Paulo Octávio recebeu do partido ao qual era filiado o mesmo tratamento dispensado a Arruda. 

Ameaçado de expulsão, o marido de Anna Kubitschek antecipou-se ao inevitável, desfiliando-se da legenda.

O nome da agremiação? DEM. A mesma legenda que Kassab abandonou para embrenhar-se na aventura que inclui a apropriação –aparentemente indébita— da sigla JK.

O barulhinho que você ouve ao fundo é o ruído do ex-presidente revirando-se na tumba.

Deputado defende institucionalização do "Caixa 2"


O deputado Sílvio Costa (PTB-PE), que é suplente do Conselho de Ética, afirmou hoje que seria "injusto" cassar Jaqueline Roriz (PMN-DF) "somente por caixa dois". O parlamentar, que se posicionou a favor da cassação da colega, afirma que ela tem de perder o mandato pelo conjunto da obra.
Jaqueline Roriz foi flagrada em gravação de 2006 recebendo um pacote de dinheiro do delator do mensalão do DEM, Durval Barbosa. "Se a deputada Jaqueline for cassada somente por caixa dois, de repente essa Casa poderia estar cometendo uma grande injustiça. Acho que se ela for cassada terá de ser pelo conjunto da obra", disse Costa durante a sessão do conselho na qual foi aberto o processo contra Jaqueline.
Questionado, o deputado reafirmou sua posição. "Não dá para ser hipócrita, infelizmente o caixa dois existe em todo o Brasil". Porém o deputado disse não recorrer a esta prática.
Costa afirmou ainda que juridicamente não seria possível cassar a colega porque em 2006 ela não era parlamentar. Na época, Jaqueline Roriz disputava um mandato de deputada distrital. Apesar do questionamento jurídico, o deputado do PTB antecipou que votará pela cassação de Jaqueline Roriz devido ao aspecto "político". "Isso aqui é uma Casa política. Se o povo de Brasília tivesse conhecimento deste fato, não teria eleito a deputada. Aqui a decisão é política e é bom que seja assim", disse Costa.
Ele defendeu ainda que o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda seja convidado para dar depoimento e que se investiguem também "tubarões" do esquema. Os "tubarões" seriam lideranças do DEM e do PSDB citados por Arruda em entrevista à revista Veja. 
Será que o nobre deputado não recorre mesmo ao caixa dois, já que ele tem tanto conhecimento sobre o assunto? Infelizmente é esse o pensamento da maioria dos parlamentares, que usam e abusam de nosso dinheiro uma vez que não há reação de verdade da população. E assim será até que o eleitorado passe a se informar melhor e mudar de comportamento.
Por: Eliseu
Fonte: Último Segundo

Ancestral de mamíferos com dentes de sabre é descoberto no Brasil


Animal herbívoro, que viveu há 260 milhões de anos, parece ser mistura de animais diferentes, diz descobridor

O Tiarajudens eccentricus usava seus dentes de tigre dente de sabre para espantar predadores
O sobrenome eccentricus já conta boa parte de quem é o Tiarajudens eccentricus, um herbívoro que viveu há 260 milhões do anos no Brasil. Descoberto por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Universidade Federal do Piauí (UFPI), em Tiaraju, no interior do Rio Grande do Sul, ele tinha, apesar de comer apenas plantas, um par de dentes de tigre de sabre (um carnívoro ferrenho) do comprimento de lápis de cera, desses para crianças. As presas do eccentricusnão são, no entanto, sua única, digamos, excentricidade. “Ficamos todos muito surpresos [com a descoberta], pois esta nova espécie reúne características muito inesperadas, causando inclusive a impressão de ser uma mistura de animais diferentes. Ele possui dentes incisivos similares aos de um ruminante e dentes molares que no seu conjunto lembram os de uma capivara. Contrastando com esta dentição típica de animal herbívoro, temos a presença de grandes dentes de sabre como os de um felino. Mais ainda, os molares não estão na maxila e sim no palato, algo nunca antes visto num quadrúpede.”, explicou ao iG Juan Carlos Cisneros, da UFPI, que liderou o trabalho.
A descoberta, relatada na edição de hoje do periódico científico Science, também traz uma das primeiras evidências da capacidade dos terapsídeos (grupo de animais do qual o Tiarajudens eccentricus faz parte e que deu origem aos mamíferos) de mastigar de forma eficiente os alimentos. “Isto mostra que algumas características que considerávamos típicas dos mamíferos e de seus ancestrais próximos (os cinodontes), tais como a mastigação, apareceram milhões de anos antes, no final da era Paleozoica.”, explicou Cisneros. A habilidade de mastigar, chamada oclusão dental, permitiu, por exemplo, que o eccentricus processasse plantas com grande quantidade de fibra e pudesse se expandir para novas nichos ecológicos.
O eccentricus também possui a mais antiga presença de dentes de sabre num herbívoro, característica que até então nunca havia sido observada num animal que não fosse um mamífero. “Hoje em dia, os únicos herbívoros com dentes de sabre são cervos que habitam a Asia (o veado-almiscareiro e o veado-d'água), que usam seus dentes de sabre para lutas territoriais entre os machos.”, afirmou Cisneros. O eccentricus, segundo os pesquisadores, talvez usasse os seus para assustar os predadores ou para, como os cervos, garantir seu espaço.
Do: Último Segundo