sexta-feira, 10 de junho de 2011

O controle da opinião pública

A mídia, na verdade, quer desqualificar a justa e necessária participação dos partidos nas decisões de governo. Os partidos elegeram o governo, apóiam-no e o sustentam, assim como sustentam as suas políticas. Portanto, têm legitimidade e direito de opinar e reivindicar, sejam ministérios, ou mesmo, a indicação de nomes.

Cabe à presidenta Dilma Rousseff a decisão. É sua e livre a soberana decisão constitucional. Mas, do ponto de vista político, os partidos são parceiros e devem ser ouvidos. Ou será que somente a mídia e seus donos devem ser ouvidos? O mesmo vale para a indicação de nomes, um ou mais nomes. Eles são sinal de avaliações diferentes sobre o perfil do ministro a ser escolhido e, não como que a mídia, apenas disputa interna nos partidos ou entre os partidos.

A avaliação nas indicações é política. Diz respeito à natureza do cargo, do momento e do perfil de cada indicado. Ou seja, é a coisa mais natural no mundo democrático e no debate político. Mas a mídia desqualifica o processo e procura apresentar tudo como coisa pequena e disputa de poder, sempre com um elemento pejorativo. É uma ação para agravar o preconceito contra a política e os políticos.

É disso que se trata: deixar sempre o parlamento e o poder político fraco e de joelhos, para seus representantes controlarem a opinião pública e exercerem esse poder.

Por: José Dirceu/Correio do Brasil