quinta-feira, 23 de junho de 2011

Rodovia Transpacífico. Pronta, mas desconhecida

Por: Eliseu

De São Paulo a Lima, no Peru, a viagem dura 4 dias onde os passageiros percorrerão 5.800km. E no lado brasileiro cruzarão os estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Rondônia e Acre. E Puerto Maldonado, Cuzco e Nazca, já no lado peruano.

Ainda desconhecida, a rodovia comercial Transpacífico já foi inaugurada e junto a ela, uma linha regular de ônibus que liga São Paulo a Lima, uma viagem com quatro dia de duração, e com saídas de São Paulo a cada 15 dias. O valor da passagem é de R$ 470,00. Essa linha é operada pela Expresso Ormeño,que já possui  guichê no Terminal Rodoviário do Tietê.
Espera-se dos dois países o aumento do comércio com a Ásia através dos portos peruanos. E Segundo executivos da Ormeño, um dos objetivos da linha é atender o fluxo de turistas peruanos durante a Copa do Mundo de 2014 no Brasil.
Porém como a divulgação da inauguração foi quase nenhuma, a rodovia ainda é desconhecida da maioria da população. Com exceção de duas travessias de balsas, uma no rio madeira em Rondônia e outra já em terras do Peru, a pavimentação é um “tapete”.
De São Paulo a Lima, a viagem dura 4 dias onde os passageiros percorrerão 5.800km cruzando os estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Rondônia e Acre. E Puerto Maldonado, Cuzco e Nazca, já no lado peruano.
A viagem em si é um atrativo natural para os passageiros poderem contemplar no lado brasileiro, a transição entre as florestas amazônicas brasileira e peruana e a Cordilheira dos Andes, a partir dos limites da cidade peruana de Puerto Maldonado. Por isso que alguns ônibus da empresa, usam faróis adicionais devido as condições climáticas da região, deste trecho até a capital peruana.
É preciso levar pelo menos duas malas de mão com os itens que serão usados durante a viagem, pois a empresa não fornece nada: cobertor, travesseiro e produtos de higiene pessoal.
Mesmo sendo um embarque internacional, ninguém confere o que tem dentro das malas. E na fronteira, a alfândega brasileira só funciona até as 20:00. Depois disso,a fiscalização só volta a funcionar as 08:00 da manhã. E após 2 km, na alfândega peruana, só um fiscal faz o serviço aduaneiro na base do olhômetro por no máximo 3 minutos e pronto.
Pra quem viaja a trabalho é preciso o visto. Já os demais viajantes basta apresentar os documentos de identidade.
Três motoristas se revezam na viagem. Enquanto um dirige, outro descansa na poltrona, e um terceiro dorme em uma cama improvisada. Cada um dirige por cinco horas.
O ônibus passam por algumas das áreas mais isoladas do Brasil, regiões onde dificilmente há sinal de celular ou internet.
Sendo assim, é de se esperar um poderoso incremento comercial de produtos e turismo através da transpacífico, a segunda mais longa rodovia da América do Sul, só perdendo pra rodovia Caracas/Venezuela/Buenos Aires, na Argentina que  também passa por Lima.

Com informações da CMI