quarta-feira, 29 de junho de 2011

Sob repúdio popular, Parlamento grego aprova novo pacote do FMI

Em meio a inúmeros protestos massivos, o Parlamento grego aprovou, nesta quarta-feira (29), um novo pacote de “medidas de austeridade”. A votação foi encerrada com 155 votos a favor, 138 contra e sete abstenções ou faltas — o governo precisava de uma maioria simples, de 151 dos 300 votos da Casa. Uma nova votação deve ser realizada nesta quinta-feira (30), agora para definir como o ajuste fiscal será implantado.

O Partido Socialista, que governa o país, tem 155 deputados — o que tem garantido a aprovação de medidas impopulares. Na semana passada, o Parlamento já havia dado um voto de confiança ao governo. O placar da votação para que o primeiro-ministro permaneça no cargo ficou justamente em 155 votos a favor, ante 143 contra e duas abstenções.
Com as duas decisões de seus parlamentares, a Grécia se alinha ainda mais à política ultraconservadora da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI). Em crise profunda, o país estava prestes a dar um calote na dívida pública. O governo aceitou, então, as perversas condições impostas pela UE e pelo FMI para conceder ao país uma nova “ajuda” financeira, de 110 bilhões de euros. Em 2010, a Grécia já recebeu um pacote de resgate de US$ 160 bilhões.
“Os problemas da crise grega (e europeia) são de origem estrutural”, apontou, em artigo recente, o sociólogo Atilio Boron. O caos na Grécia, segundo ele, consiste no “sintoma mais agudo da crise geral do capitalismo, essa que os meios de comunicação da burguesia e do imperialismo asseguram há três anos que já está em vias de superação, apesar das coisas estarem cada vez pior”.
Sem mexer nos interesses do sistema financeiro, o novo pacote joga nas costas dos trabalhadores gregos a conta da crise iniciada nos Estados Unidos em 2007-2008 e espalhada dali para o mundo. As medidas envolvem aumento dos impostos sobre renda e propriedades, privatizações e redução de salários e aposentadorias. O corte de custos governamentais será na ordem de 78 bilhões de euros até 2015.
Está prevista também a redução de servidores do setor público em 25%. Ao mesmo tempo, a jornada de trabalho do funcionalismo será elevada a 40 horas semanais, e os novos contrato terão um salário mínimo de apenas 500 euros mensais.
O povo nas ruas

Em protesto contra o receituário neoliberal e mesmo sob truculenta repressão policial, os trabalhadores estão em greve geral há 48 horas. As manifestações se proliferam em todo o país, com o apoio e, em alguns casos, a liderança do Pame (Frente Militante de Todos os Trabalhadores) — a articulação sindical dirigida pelos comunistas gregos.
Na manhã desta quarta, antes da votação, a capital Atenas foi palco de muitos confrontos. A repressão policial usou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar milhares de manifestantes que promoviam passeata pelo centro da capital grega, a caminho da Praça Syntagma, em frente ao Parlamento. A praça ficou lotada de manifestantes e se tornou zona de guerra. Muitos gregos aderiram aos protestos com lenços, óculos e máscaras para protegerem-se do gás lacrimogêneo.
As palavras de ordem ecoaram pelas ruas gregas. “O povo se levanta! Nenhum compromisso com as medidas do governo”, ouvia-se dos militantes do Pame em diversas cidades. Eles também usaram slogans como “Não às ilusões — o capitalismo não pode se tornar humano”; “Patriotismo é o que é justo para o povo, e não os lucros do capitalismo”; “O povo, sim — e não os lucros”.
Os protestos contam com a firme adesão do Partido Comunista Grego (KKE), que promete manter a agenda de lutas e mobilizar mais trabalhadores. “Para aprovar as piores medidas, querem que o povo abaixe a cabeça de agora até os próximos 50 anos”, denunciou Aleka Papariga, secretária-geral do PC grego, durante um dos atos organizados pelo Pame.
“Mas a luta continuará e será determinante nas fábricas, nas repartições, em escritórios, em todos os locais de trabalho, nos campos, nas pequenas empresas, nos bairros. É isso que levará o povo à vitória”, agregou a dirigente comunista.
“Juventude indignada e irada”

Dois dos manifestantes que tentavam evitar a chegada dos deputados ficaram feridos na repressão policial. “Desde o ano passado, o governo decidiu destruir o funcionalismo público e as universidades. Reivindicamos eleições — caso contrário, permaneceremos nas ruas durante um mês”, afirmou Alexander, um estudante do quarto ano de Economia.
“Somos uma juventude indignada. Somos uma juventude irada. Destruíram nosso presente e nosso futuro. Estão vendendo nosso país. Vai ocorrer aqui o mesmo que ocorreu na Argentina. O futuro da Grécia é obscuro”, desabafou Artemis Moscholia, empregada de 28 anos.
Para Atilio A. Boron, “o povo grego, com sua firme resistência, demonstra estar disposto a acabar com um sistema que já é inviável não no longo — mas no médio prazo. Há que acompanhá-lo em sua luta e organizar a solidariedade internacional para tratar de evitar a feroz repressão de que é objeto, método predileto do capital para solucionar os problemas que cria sua exorbitante voracidade”.

Por: Vermelho