segunda-feira, 4 de julho de 2011

Itamar Franco, um político à moda antiga

Quando morre qualquer político, os governantes indistintamente louvam sua memória e decretam luto oficial, mas no caso de Itamar Franco, um observador foi muito feliz ao declarar que, desde a redemocratização, foi o único presidente a combater a corrupção por princípio - e não em obediência a formalidades ou para impressionar a sociedade. Não precisava de código de ética para agir certo. Quando seu ministro-chefe da Casa Civil Henrique Hargreaves foi acusado de corrupção, Itamar o afastou, até a elucidação do caso. A mesma Casa Civil, de lá para cá, já gerou muitos escândalos.

Por sua conduta ética, era ridicularizado tanto pelos corruptos como por setores tidos como elitizados da nação. Falava-se, pejorativamente, em "república do pão de queijo", quando o que muitos queriam era a possibilidade de realizar operações de risco, como o polêmico imbróglio Diniz-BNDES-Carrefour. Para muitos, era "ultrapassado", quando, na verdade, era um modelo de simplicidade e honestidade. Um político à antiga, no bom sentido do termo. No entanto, o homem era turrão. Certa vez, como não tinha sido avisado, mandou o Banco Central suspender a emissão de novas cédulas. Depois, liberou. De certo modo, Itamar jogava lenha na fogueira sobre sua imagem, como ao estimular uma constrangida Volkswagen a trazer de volta o Fusca, quando os carros novos estão cada vez mais sofisticados.

A morte de Itamar coincide com a explosão de nova denúncia no atual governo: a de corrupção no Ministério dos Transportes. Há anos havia comentários de bastidores sobre problemas na pasta, mas agora pelo menos parte dos fatos se tornaram públicos. Sensível à ação política, a presidente Dilma até agora poupou o ministro Alfredo Nascimento (PR). A presidente teme afastar Nascimento e provocar a ira de seus aliados políticos.

Itamar sofreu de Fernando Henrique Cardoso uma enorme traição. Tendo sido o presidente responsável pelo Plano Real, Itamar tinha 90% de chances de suceder a FHC, em 1998. Mas, como mancha em sua biografia, Cardoso conseguiu fazer aprovar, no Congresso, mudança nas regras do jogo, permitindo que o presidente pudesse se reeleger de forma imediata. Se o país queria a reeleição, isso teria de valer para o sucessor de FHC, jamais para ele próprio. Com essa manobra imediatista, FHC tirou de Itamar a possibilidade de retornar triunfalmente ao Palácio do Planalto.

Por: Monitor Mercantil