sexta-feira, 15 de julho de 2011

Lula volta a viajar pelo Brasil

Ex-presdidente Lula O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira (15), que vai voltar “a andar pelo país”. Com a declaração, Lula insinuou que vai voltar a fazer política.

“Faz meses que eu deixei a Presidência, e disse que ia entrar num processo de desencarnação, mas agora eu vou voltar a viajar pelo Brasil”, afirmou ele, durante discurso no congresso da União Geral dos Trabalhadores, que acontece em São Paulo até sábado (16).

Durante sua fala, que durou 25 minutos, o petista fez uma defesa da política econômica e social adotada nos oitos anos de seu governo, entre 2002 e 2010.

Lula afirmou que foi a combinação da política de abertura de crédito e dos programas sociais com medidas macroeconômicas que fizeram “com que 39 milhões de pessoas saíssem da pobreza”.

“Os ricos não sabem o que significa ’100 real’ nas mãos de uma mulher pobre”, disse o ex-presidente, que criticou ainda as classes mais abastadas que ficaram descontentes com suas políticas.

“Tem gente incomodada porque tem pobre andando de avião. Fui agora para a Argentina e estava cheio de pobre no avião indo pra Buenos Aires”, afirmou.

SITE

Lula lançou, nesta sexta-feira, um site oficial para divulgar suas atividades políticas. O endereço é o mesmo do Instituto Cidadania, criado por ele em 2002 para discutir suas propostas eleitorais para a Presidência da República.

Segundo sua assessoria de imprensa, a página deve conter a íntegra dos discursos do petista, vídeos e fotos e notícias sobre a nova ONG do ex-presidente, ainda em fase de formulação, que foi batizada provisoriamente de Instituto Lula. O objetivo do petista com a ONG é realizar projetos sociais na África, inspirados em sua experiência à frente do Executivo.

O ex-presidente publicou no site uma mensagem de boas vindas aos internautas. “Vamos tentar trabalhar a questão da integração, tentar trabalhar as experiências de políticas sociais bem-sucedidas. Não que a gente vá querer ensinar aos outros o que eles têm que fazer, porque isso não deu certo em lugar nenhum do mundo. O que queremos é mostrar como fizemos as coisas no Brasil e, quem sabe, adequando à realidade deles, com a vontade cultural deles, com a vontade política deles, isso possa ser aplicado em outros países”, afirmou.

Por: HNews