sábado, 6 de agosto de 2011

795 mulheres já foram vítimas de agressão no ES só este ano

ilustração A lei Maria da Penha, criada para combater a violência doméstica contra a mulher, completa cinco anos neste domingo (07). Mas, essa lei parece não intimidar os agressores que, na maioria das vezes, são homens. De acordo com secretaria de Cidadania e Direitos Humanos de Vitória, no primeiro semestre deste ano 795 mulheres foram vítimas de agressão, enquanto que em todo ano passado 1.082 foram agredidas. Dados da Policia Civil mostram que 3 mulheres morreram após agressões dos companheiros.

Cansados dessa violência contra as mulheres, homens capixabas decidiram fundar um fórum pelo Fim da Violência Contras as Mulheres, apresentado nesta sexta-feira (05), no auditório da Emescam, em Vitória. O Fórum reuniu professores, empresários e principalmente mulheres. "O nosso objetivo é mostrar para a sociedade que apesar da grande maioria ainda ser machista, existe uma parcela minoritária de homens que não concorda com isso. Que não aceita que todo homem tem que ser violento ou machista. Queremos agregar mais homens para esse movimento", explicou o coordenador do evento e professor, Thimóteo Camacho.

A professora Dulce de Souza disse que a participação dos homens ao lado das mulheres é muito importante devido as agressões aumentarem nos últimos dias na grande Vitória. "Porque a violência contra a mulher em vitória ela é histórica, e um fenômeno cada vez mais assustador. Os homens devem ficar ao lado das mulheres para acabar com esse mal da sociedade, que é a agressão contra a mulher".

Até o momento 50 homens fazem parte do Fórum pelo fim da Violência Contras as Mulheres no Espírito Santo. A expectativa dos organizadores é que esse projeto ganhe cada vez mais adeptos do sexo masculino de todo o Estado. O secretário municipal de Cidadania e Direitos Humanos, João José Barbosa Sana, explicou que os tipos de agressões estão em várias classes sociais, e que a mulher a cada dia denuncia os seus agressores. "Nós temos assistido casos de mulheres que são agredidas há 15 a 20 anos e chega o momento ela diz basta não aceito mais! Ela vai à delegacia de mulheres e denuncia. Hoje temos a condição de ter conhecimento dessas agressões que eram escondidas e camufladas".

Pesquisa

Uma pesquisa desenvolvida pela Professora Maria Beatriz Nader, apresentada durante o Fórum e Homens Capixabas pelo Fim da Violência Contras as Mulheres, nesta sexta-feira, aponta que entre 2003 a 2008 os agressores, a maioria companheiros das vítimas, não são analfabetos. Outro detalhe da pesquisa, mostra que as agressões ocorrem à noite, durante o fim de semana. "A maioria das agressões não está na periferia e sim na classe média", disse a Professora.

Tipos de violência doméstica:
- Violência física: Qualquer ato que prejudique a integridade ou saúde corporal da vítima.
- Violência psicológica: Qualquer ação que tenha a intenção de provocar dano emocional e diminuição da autoestima, controlar comportamentos e decisões da vítima por meio de ameaça, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, insulto, chantagem, ridicularização ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo à saúde psicológica e à autodeterminação.
- Violência sexual: Qualquer conduta que force a vítima a presenciar, manter ou a participar de relação sexual não desejada, que impeça a vítima de usar qualquer método contraceptivo ou que a force ao casamento, à gravidez, ao aborto ou à prostituição.
- Violência patrimonial: Quando o agressor toma ou destrói os objetos da vítima, seus instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e direitos ou recursos econômicos.
- Violência moral: Caluniar, difamar ou cometer injúria

Por: A Gazeta