quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Médica que colocou seringas pode perder registro profissional

Ilustração É impressionante o cinismo de nossas autoridades, amparadas por leis tão cínicas e ultrapassadas quanto elas (as autoridades) que só beneficiam os bandidos, tratam o cidadão de bem desse país.

Os papeis se inverteram de tal forma que os cidadãos trabalhadores e honestos já quase estão ficando com vergonha de serem honrados. Ontem vimos nos noticiários o quebra-quebra promovido por um bando de bandidos mirins que por força de lei são denominados menores infratores. E tais “menores infratores”, se tiverem menos de doze anos (que era o caso de alguns) podem fazer o que quiserem que sequer podem ficar detidos. Mas um tiro disparado por eles faz a mesma destruição que um disparado por quem tem mais de 18 anos.

Quanto a médica ortopedista Miriam Tomkowski Walton de Sobradinho (DF), que trabalha no Hospital Regional do Paranoá, já desesperada por ter sido assaltada cinco vezes em um mês resolveu intimidar os ladrões colocando seringas supostamente contaminadas por HIV (que seria bem feito se espetasse os ladrões) no portão de sua residência está tendo sérios problemas. Ela negou a existência do vírus HIV e disse que a ameaça foi uma medida desesperada para conter os assaltos. Como se trata de vítima, as autoridades rapidamente inverteram os papéis e anunciaram que a médica (e não os ladrões) será investigada pela Polícia, pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal e pelo Conselho Regional de Medicina do DF (CRM-DF). Miriam pode perder o registro profissional.

E os bandidos que a atacaram, perdem o que? Nem a liberdade. Muito provavelmente neste horário estejam assaltando ou até mesmo matando algum indefeso trabalhador, amparados pela impunidade absoluta que reina nesse país para TODOS os naipes de bandidos. E infeliz de quem reagir. Ou toma tiro de vagabundo ou vai preso, como o caso do morador de Formosa que matou o ladrão.

Êta Brasil!!

Por: Eliseu