domingo, 25 de setembro de 2011

Mais morte na porta de hospital

Episódio ocorre dois dias após idosa ser declarada morta e passar duas horas na geladeira do necrotério e na semana em que unidade recusou receber jovem

A falta de respeito que alguns funcionários públicos tem pela população, aliada à corrupção que atingiu níveis jamais pensados e com a certeza da impunidade, mataram mais um cidadão brasileiro que teve que recorrer ao sistema público de saúde.

Conforme noticiou o portal IG, o aposentado Calistrato Martins, 87 anos, não resistiu à espera de 15 minutos por atendimento no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, e morreu à porta da unidade, neste domingo. Na sexta-feira, um médico do mesmo hospital registrara como morta Rosa Celestrino de Assis, 60 anos, que estava viva. Na semana passada, a unidade de saúde foi a primeira a não atender o jovem Gabriel Paulino Sales, 21, que tinha caído de uma laje no município. O episódio foi apontado pela Secretaria de Saúde como a razão da exoneração do então diretor do Hospital Getúlio Vargas, Luiz Sérgio Verbicaro, e do chefe de plantão em Caxias.

Calistrato Martins chegou ao hospital de Saracuruna levado pela filha Maria Rita do Vale. Teriam faltado macas para levá-lo para dentro do hospital. Após a morte, funcionários do hospital se ofereceram para retirar o corpo do carro da família, onde o idoso estava, mas Maria Rita não permitiu.

O hospital quis tirar o corpo dele de dentro do carro, mas a família não permitiu e preferiu aguardar a perícia.

O iG não conseguiu contato com a secretaria de Saúde.

E tenham certeza que a exoneração do diretor do hospital e do chefe de plantão será a única penalidade sofrida pelos ditos funcionários públicos. É lastimável como vem sendo tratada a vida pelas nossas autoridades.

Por: Eliseu