quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Traficantes provocam e Exército responde

Complexo do Alemão Demorou mais até do que este blogueiro pensava, mas a reação do crime organizado no Rio veio. E veio confiando nas jurássicas leis brasileiras que sempre levam à impunidade, e principalmente na turma dos Direitos Humanos, que no Brasil deveria se chamar de Direitos de Bandidos. E quando digo que é direito de bandidos porque além de ver nos noticiários diários, este blogueiro a alguns anos atrás já sentiu literalmente "na pele", carne, nervos e ossos o "sabor" de uma bala calibre 38 disparada por um vagabundo numa tentativa de assalto, e ninguém de direitos humanos, sindicato de classe e mais o raio que o parta de qualquer órgão do governo o procurou para saber se precisava de algo. Mas se um policial pega um bandido de "jeito", ele é investigado e corre o risco até de ser expulso da corporação.

Mas voltando ao Rio, os traficantes que já não temem mais os policiais militares e civis, tiveram "o peito" de encarar o Exército que já reforçou seu efetivo e também já está contando com o apoio dos fuzileiros navais da Marinha.

Imagem de traficantes A provocação começou quando os militares perseguiram dois jovens flagrados vendendo drogas no Complexo do Alemão, e parte da população numa ação orquestrada pelos traficantes, reagiu contra os militares e eles (os traficantes), aproveitaram para efetuar disparos contra as tropas, e com a confusão fazer a populaçao de idiota mais uma vez e pedir a retirada das tropas federais, que teriam o apoio de grupos ligados ao tal Direitos Humanos.

Felizmente parece que as autoridades não caíram na armadilha e estão reagindo. O general Adriano Pereira Júnior, comandante militar do leste, disse que a informação dada por uma moradora de que a sobrinha dela teria sido morta por uma bala perdida não seria verdadeira. "Passamos a noite com nossa inteligência procurando em todos os hospitais. Isso foi uma coisa plantada para piorar o clima", disse. Ele declarou ainda que é improvável que uma ação como a de ontem se repita. "Dificilmente vai voltar a acontecer o que ocorreu ontem. Foi um tiro no pé do tráfico. Ficou claro para a população que houve uma orquestração. O tráfico não quer a nossa presença lá", disse.

Militares no Complexo do Alemão O general admitiu que o Exército respondeu aos disparos feitos pelos traficantes com armamento pesado, que no meu entender fez muito bem,  visto que bandidos só entendem a própria linguagem, a violência. E seja por que meio for, os bandidos tem que ser coibidos. Se o meio for armamento pesado, que seja. O general também confirmou que ainda há tráfico na região e que traficantes de fora eventualmente circulam na área. "Existe tráfico lá dentro. Não há paz completa", disse. O comandante afirmou ainda que o Exército vai voltar a ser mais rigoroso nas revistas.

Neste momento, de acordo com informações o Complexo do Alemão está cercado com grande efetivo do Exército, Marinha e Polícia.

O desafio dos traficantes não é só contra o Exército e as autoridades constituídas, mas contra toda sociedade. Que a resposta aos traficantes seja na dimensão necessária para desestimular esses criminosos.

Por: Eliseu