segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Milícia exila deputado

Milícia-e-favela-Paulo-da-Vida-AthosA que situação chegou nossa pátria amada, o Brasil de “Todos os Santos”, insegurança, corrupção, inimagináveis mutretas, e impunidade sem limites.

Segundo noticiou hoje a Agência Brasil, uma autoridade eleita pelo voto popular terá que deixar o país, num exílio forçado não por ditadores, mas por ameaças vindas do crime organizado.

O deputado estadual fluminense Marcelo Freixo (PSOL) que presidiu a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Milícias, da Assembleia Legislativa do Rio, que investigou a atuação de grupos criminosos integrados por políticos, policiais e ex-policiais em comunidades do estado, terá que deixar o país após receber várias ameaças de morte de integrantes de milícias do Rio.

“As ameaças estão se tornando mais fortes e há um retorno muito pequeno da Secretaria de Segurança. Ou seja, se estão ou não investigando. Tenho uma segurança, mas tem sido necessária a ampliação dela. Então, estou esperando algumas medidas”, disse o deputado. Ele não informou quanto tempo ficará na Europa, mas garantiu retorno ao Brasil. “Não posso dizer por quanto tempo nem o local onde ficarei, mas é um tempo muito curto”, disse.

Freixo resolveu aceitar um convite da organização não governamental Anistia Internacional para morar na Europa por algum tempo. O parlamentar já vem sofrendo ameaças de morte desde a época da CPI, em 2008, mas, nos últimos meses, elas se intensificaram. O deputado disse que as ameaças não devem ser encaradas como um problema pessoal, mas sim como de toda a sociedade. Ele lembrou do assassinato da juíza Patrícia Acioli, morta por policiais militares integrantes de milícias que atuam no Grande Rio, em agosto deste ano.

Segundo Freixo, apesar das dezenas de prisões feitas depois da CPI das Milícias, esses grupos criminosos estão cada vez mais fortes e dominam várias comunidades do estado, onde extorquem dinheiro de moradores e de comerciantes e controlam atividades como transporte alternativo, venda de gás e de ligações clandestinas de TV a cabo.

Este é o retrato do que acontece quando as autoridades viram as costas ao povo, como foi feito por séculos após o descobrimento do nosso país, que só após o governo Lula o pobre passou a ser considerado gente. Mas até hoje continua sendo considerado um “ser diferenciado pelas  ditas elites”. O Exemplo de como é forte a discriminação vem sendo exibido na novela das nove e pouco da poderosa integrante do PIG, a Rede Globo, onde está em curso uma reunião de condomínio com o intuíto de impedir que uma pessoa “diferenciada” venha comprar uma mansão, e portanto se misturar com os nobres moradores do condomínio. E não se iludam que isso ocorre apenas na ficção, é realidade nua e crua.

Por: Eliseu