sábado, 26 de novembro de 2011

Dilma diz que Brasil precisa avançar em serviços de saúde

A presidenta Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira (25) que a inauguração de um centro de referência em ortopedia no Rio de Janeiro é um dos "momentos consagradores" para a saúde pública por mostrar que é possível alcançar um "padrão de excelência" no atendimento daquela especialidade médica. Ela ainda defendeu a necessidade de investimentos públicos em saúde e educação especialmente em um momento de crise externa e de avanço do país no cenário internacional.

"Chegar à quinta potência (econômica mundial) está ficando cada vez mais claro (para o Brasil). Mas não queremos ser apenas a quinta potência, queremos ser um país sem pobreza, de classe média e com serviços (públicos) de qualidade", disse.

Dilma conheceu as instalações da nova sede do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into) e visitou Thayane Tavares Monteiro, de 13 anos, que se recupera na instituição desde o ataque à escola Tasso da Silveira, em Realengo, em 7 de abril. Ela está em tratamento fisioterápico.

"Este instituto, padrão e parâmetro para o Brasil, mostra sobretudo que nós podemos e temos todas as condições de sempre buscar alcançar esse padrão de excelência", disse a presidenta. "Centro de referência é isso: a possibilidade de garantir às populações de todos os rincões deste país saúde de qualidade e de difundir as melhores práticas", sublinhou.

Ampliação

O Into estava em operação parcial no antigo prédio do Jornal do Brasil, na zona portuária, há três meses. O anúncio desta sexta marca a ampliação de capacidade de 6 mil para 19 mil intervenções anuais em ortopedia e traumatologia. Consultas ambulatoriais alcançarão 305 mil por ano, além de atendimento a 86 mil pacientes em reabilitação. O edifício possui 70 mil metros quadrados, 21 salas cirúrgicas e 255 leitos de internação. Dentro do Into, funcionará o Centro Estadual Tecnológico em Saúde (Sautec), dedicado à pesquisa em neurociência.

A antiga sede do Into, na Praça da Cruz Vermelha, no centro da capital, será doado ao governo do Rio para o Hospital Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer, outro centro de referência, mas em neurologia. As obras estão orçadas em R$ 23 milhões e a previsão de inauguração é 2012. Outra doação consumada foi de um terreno do governo estadual em Santa Cruz, na zona oeste, à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que pretende construir no local uma fábrica de vacinas.

Segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, o parque tecnológico com participação da Fiocruz terá investimentos de R$ 800 milhões em uma parceria entre o setores público e privado. Esse tipo de iniciativa proporciona economia de R$ 350 milhões anuais aos governos, segundo o ministro. "Produzindo aqui no Brasil, trazendo tecnologia aqui para o Brasil, nós damos sustentabilidade financeira para o sistema poder ampliar o tratamento e o atendimento às pessoas e também combatendo o desperdício, gerando economia, e com isso também fazer novos Intos como esse", calculou.

Outro acordo assinado estabeleceu cooperação técnica entre União e estado em R$ 20 milhões para o Instituto Vital Brazil, dedicado à produção de medicamentos e de soro contra veneno de animais peçonhentos, além do antirrábico e do antitetânico.