terça-feira, 13 de dezembro de 2011

A privataria tucana: deputados comentam livro de escândalos

tucanos-evelson-de-freitas-320-aePrimeiro dia de pleno funcionamento parlamentar depois do final de semana que veio a público as revelações do livro A privataria tucana, do jornalista Amaury Ribeiro Júnior, que mereceu a capa da revista Carta Capital. Em detalhes, são relatados em suas páginas como funcionou o maior esquema de corrupção da República brasileira, através das privatizações do governo Fernando Henrique.

Quem andou pelos corredores da Câmara dos Deputados nesta terça e nas semanas anteriores fica estarrecido. Durante os últimos meses, o que se viu em terças como essa foi os parlamentares da oposição empunhados com suas armas para atacar o governo com calúnias contra ministros. Nas mãos, as revistas Veja, IstoÉ e Época. Hoje não se viu tanta euforia, mas um silêncio envergonhado.

Do outro lado, alguns parlamentares do PT já na segunda-feira foram até o plenário para repercutir as revelações e principalmente criticar o silêncio da velha mídia em relação ao livro e à revista. Para o deputado Amauri Teixeira (PT-BA) “o partido da imprensa golpista, que inclui a revista Veja, o jornal O Globo e a Folha de São Paulo, entre outros, ignorou as denúncias feitas no livro, que são comprovadas documentalmente sobre a corrupção tucana”, disse.

Tucanos

Gostaria que a mídia desse o mesmo destaque a esse fato, como faz quando destaca que a presidenta Dilma Rousseff tem que tomar alguma atitude. A diferença é que, quando há denúncia, o governo federal inicia investigação, frisou Amauri Teixeira.

O deputado questionou o comportamento dos tucanos em relação às denúncias do livro. “Quero saber que providências tomarão contra a filha de José Serra, que, associada à filha de Daniel Dantas, fraudou e lesou o cadastro de 60 mil brasileiros, utilizando-se indevidamente de órgão público para quebrar o sigilo fiscal dos brasileiros”, finalizou.

Já o deputado Cláudio Puty (PT-PA) lembrou que a “grande negociata” das privatizações do governo FHC foi denunciada pela primeira vez pelo jornalista Aloysio Biondi, no livro Brasil Privatizado, em dois volumes. “Biondi relatou detalhadamente como foi a entrega do patrimônio a preço de banana e o envolvimento de figuras coroadas do PSDB. Agora, o livro de Amaury traz a sistematização e documentação do que já era conhecido desde o início dos anos dois mil”, disse.

“Cumplicidade”

Sobre o fato de a mídia ignorar o lançamento do livro, Paulo Pimenta (PT-RS) alertou que o silêncio da mídia revela “cumplicidade”. “O silêncio da mídia tradicional frente a todo o material publicado revela cumplicidade espantosa, afinidade e confirma a gravidade do que o livro traz. Por outro lado, documentos muito menos consistentes têm sido suficientes para pautar os grandes veículos de comunicação do Brasil”, ressaltou.

Nesta terça-feira, o deputado federal Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) vai protocolar um pedido de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar as denúncias relatadas no livro. Na justificativa, o deputado argumenta que o livro revela, com uma farta documentação, um esquema do uso de dinheiro das privatizações, ocorridas nos anos de 1990, para beneficiar políticos e seus apadrinhados. “Estas denúncias configuram real ameaça à realização da República nos seus moldes constitucionais”, diz trecho do texto.

Por: Vermelho