terça-feira, 6 de março de 2012

Em projeto piloto, britânicas poderão consultar ficha policial de namorado

O governo britânico anunciou nesta segunda-feira um projeto piloto para que pessoas em algumas regiões possam acessar a ficha de antecedentes de parceiros para descobrir se o namorado já se envolveu em casos de violência doméstica.

violencia-domesticaO Ministério do Interior informou que o projeto piloto deve durar um ano. Durante o período, a polícia o terá o direito de pedir informações nas regiões de Manchester, Nottinghamshire, Wiltshire e Gwent.

O projeto é chamado de Lei Clare, depois que Clare Wood foi assassinada em 2009 por um ex-namorado que tinha um histórico de violência.

Clare Wood fez várias queixas na polícia de Salford, na região de Manchester, contra George Appleton, que ela conheceu na internet.

Mesmo assim, ela foi morta pelo ex-namorado, que cometeu suicídio depois da morte de Clare.

Desde a morte da britânica, o pai de Clare, Michael Brown, faz campanha para que as pessoas tenham o direito de saber se o parceiro ou parceira tem um histórico de violência.

Para Brown, se este projeto existisse antes, sua filha poderia ter tomado uma decisão "mais informada" a respeito do relacionamento com Appleton.

"Acredito que, se minha filha soubesse do passado do companheiro, ela teria desistido dele e o expulsado", disse Brown à BBC.

Estatísticas e críticas

Estatísticas do Ministério do Interior britânico sugerem que duas mulheres são mortas pelo ex-companheiro ou companheiro atual a cada semana na Inglaterra e no País de Gales.

O projeto do governo gerou críticas de um grupo que faz campanha contra a violência doméstica na Grã-Bretanha, o Refuge.

"Por que estamos gastando dinheiro com iniciativas caras, que não foram testadas? A realidade é que a maioria dos que cometem (violência doméstica) não são conhecidos da polícia, e as mulheres poderão nem mesmo aderir a este esquema", afirmou Sandra Horley, diretora do Refuge.

Para Horley, o governo teria que enfrentar a questão da violência doméstica melhorando a resposta da polícia aos pedidos de ajuda.

A ministra da Igualdade, Lynne Featherstone, afirmou que o projeto é "uma parte de uma metodologia para tentar lidar com a violência doméstica, que é inaceitável e epidêmica no país".

Os testes da nova lei começam no meio do ano.

Por: BBC Brasil