sábado, 10 de março de 2012

José Serra culpa o PT por caso Pinheirinho

serra_na_unhaO “filhote do coisa ruim” Fernando Henrique Cardoso, José Serra, sempre eterno pré-candidato do PSDB a qualquer coisa e agora à prefeitura de São Paulo, não quis comentar hoje (9) as violações dos direitos humanos cometida durante e após a invasão no Pinheirinho, em São José dos Campos e culpou o PT pelas atrocidades cometidas contra os moradores pela polícia militar comandada pelo tucano Alckmin, no episódio da expulsão dos moradores. Para ele, “por parte do pessoal do PT tem um interesse praticamente só concentrado no Pinheirinho”. Ele fez a declaração após cobrar investigações em outros locais, onde supostamente teriam havido também violações dos direitos humanos. “Eu quero falar sobre as violações de direitos humanos também no Piauí, no Acre, na Bahia”, falou o desorientado tucano.

Perguntado pela Rede Brasil Atual sobre o relatório divulgado hoje pelo Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Humana de São Paulo (Condepe), Serra, como fazem os covardes preferiu não responder. O governador e também tucano metido a nazista Geraldo Alckmin (PSDB) também não comentou o relatório, que relaciona 260 alckmistas-chegando-humor-politicocasos de violações dos direitos humanos, a partir dos depoimentos de 624 moradores desalojados do assentamento, uma série de violação a direitos na operação de reintegração. “A polícia de São Paulo é extremamente preparada, temos sim um caso que houve o abuso e os policiais já estão afastados”, comentou o cara de pau do Alckmin. A respeito, a polícia militar de São Paulo é “tão preparada”, que deixou a Eloá morrer em um sequestro de vários dias, em que teve o criminoso sob a mira diversas vezes, só tomando uma atitude após o disparo que a matou. Para invadir o apartamento, um atabalhoado policial subiu no apartamento com uma velha escada de madeira emprestada por algum morador; havia um “moderníssimo” sitema de escuta que nem os países mais adiantados usam: um copo e estetoscópio.

Para o governador, “uma ordem judicial foi cumprida com a presença de um representante do Tribunal de Justiça, do juiz de direito”, esquecendo de dizer que o mesmo, como a juíza que concedeu a reintegração são integrantes de sua quadrilha. A conduta de Serra e de Alckmin mantém a linha de debater o caso sob o ponto de vista partidário. Os críticos do caso consideram a desqualificação do assunto uma forma de desviar as discussões provocadas tanto pela violência da operação policial como pelas decisões judiciais que a teriam amparado.

Esses são os tucanos que a pseudo-elite, principalmente a paulistana tanto admira.

Por: Eliseu