segunda-feira, 30 de abril de 2012

Brasil melhorou com Lula

LulaO governo de Luiz Inácio Lula da Silva foi um marco decisivo para o encaminhamento da “questão democrática” no Brasil, entrelaçada com a “questão social”, sob a marca ter alçado milhões de brasileiros não somente a novos patamares de consumo, mas também ao centro das grandes contendas políticas. O Censo Demográfico de 2010, divulgado esta semana pelo IBGE, demonstra esta façanha de forma clara.

Para os direitistas reacionários, os pseudo-burgueses e a mídia que sabe-se agora é mesmo bandida, que afirmaram em todas as campanhas eleitorais em que Lula foi candidato que ele não poderia ser eleito por ser “analfabeto”, não poderia conversar com Chefes de Estados estrangeiros por não saber inglês e outras baboseiras do gênero, o portal Vermelho trás uma notícia para deixa-los a “ver estrelas”.

A reportagem diz que alguns dados são muito expressivos: A queda brusca nos índices de mortalidade infantil, o aumento da população com nível superior e a ascensão da renda das mulheres. Em 2010, a taxa de mortalidade infantil caiu 47,5% em relação a 2000. Segundo o IBGE, os principais motivos para a queda foram políticas de aumento do salário mínimo e a ampliação de programas de transferência de renda.
Em 2000, a cada mil crianças nascidas vivas, 29,7 morriam antes de completar um ano. Em 2010, eram 15,6 mortes para cada mil nascidas vivas. Este índice ainda está bem aquém de países mais desenvolvidos economicamente e de Cuba, que, por exemplo, é de 5 mortes por mil. Mesmo assim o Brasil – já em 2010 – praticamente alcançou a meta do Milênio estabelecida pela ONU ao nosso país para 2015, no índice de 15,7 mortes por mil.
A renda das mulheres, por sua vez, no mesmo período aumentou em 13,5%, muito acima dos 4,5% dos homens. A dívida histórica da disparidade de renda entre os dois sexos tende a uma solução em longo prazo. Se em 2000 a renda das mulheres equivalia a 67,7% em relação à renda masculina, em 2010 caiu para 73,8%. De maneira geral, o rendimento médio mensal de todos os trabalhos das pessoas ocupadas teve um ganho real de 5,5% de 2000 a 2010. Com isso o rendimento mensal dos domicílios subiu 15,5% em dez anos. Nesta década, os avanços do Brasil também se espelharam na educação, pois o índice de pessoas que concluíram o curso superior cresceu de 4 para 8%.
Para determinadas conquistas não existem milagres. Os índices demonstram que um mínimo de concentração, planejamento, sensibilidade política a ação são suficientes para se angariar resultados impressionantes. Não é nenhuma surpresa que o Nordeste seja a região do país que alavanca tanto o crescimento econômico, quanto a ascensão social.
O caminho a percorrer é longo. O Brasil ocupa a 87ª posição entre 197 países no âmbito de índices sociais concentrados. Um crescimento econômico mais robusto é o ponto de partida para continuarmos no rumo da mais ampla inclusão social. Essa é uma das questões que propomos para uma consequente solução dos grandes dramas sociais brasileiros: a centralidade do crescimento econômico não pode ser negligenciada.

Pois bem, o presidente Lula a despeito de toda perseguição sofrida pela mídia, se elegeu, cumpriu dois mandatos consecutivos deixando o poder com o mais alto índice de popularidade alcançado por um presidente, elegeu sua sucessora a presidenta Dilma, que já está com o índice de popularidade mais alto que o próprio Lula, e conforme pesquisas o povo quer Lula novamente para presidente em 2014.

Êta direita reacionária!

Por: Eliseu

Quadrilha da VEJA: Última Entrevista do Senador Demóstenes Torres

Última Entrevista de Demóstenes Torres à VEJA

Procurado por Tentativa
de Invasão de Propriedade
Privada
Gostaria de chamar a atenção do nobre leitor para o nome do repórter que entrevistou o Senador Demóstenes Torres (Parte Superior, Lado Direito da Página 1). Gustavo Ribeiro. O mesmo repórter que protagonizou a tentativa de invasão do apartamento de José Dirceu no Hotel Nahoum em Brasília, com direito a imagens divulgadas pela mesma Revista VEJA que, o inquérito da Polícia Federal informa, foram feitas a mando de Carlinhos Cachoeira.
Como dizem os jogadores de futebol, "O grupo está fechado e concentrado na partida!".

Giovani de Morais e Silva

Charge Online do Bessinha # 21

Bessinha #21

PIG: O Esforço dos Perversos

É incrível o esforço da mídia no Caso Cachoeira. Observa-se um esforço hercúleo no sentido de não se defender - eu pelo menos não vi nenhum texto de autodefesa - mas em atacar mais! Vejo um forte movimento em colocar todos em uma mesma vala comum. O movimento perverso em igualar a todos na mesma falcatrua.

Como não há defesa que os isente, tentam adquirir novos elementos para culpar mais pessoas e órgãos públicos ou privados. Assim foi na abertura da CPI quando criaram a ideia que o PT desejava a CPI para esconder o Julgamento do Mensalão e depois abandonaram essa história para colocar uma nova onde o PT não queria a CPI do Cachoeira por que iria respingar em PTistas de alto galardão. Mas o PT conseguiu 28 assinaturas em 2 dias... E aí, eles ficaram sem argumentos... Ficou melhor esquecer a história!

Agora tentam incluir o Gov. Agnelo Queiroz no pacote. Coisa que as transcrições das ligações entre os membros da Gang do Cachoeira revelam não fazer o menor sentido. Até mostram que há uma grande dificuldade de acesso ao Gov. Agnelo. 

E o público não é informado disso ou a mídia faz questão de deformar, ao invés de informar, o fato...

Parece que o pacto de não agressão entre o principais órgãos da mídia está funcionando muito bem...

Giovani de Morais e Silva

Bomba no DF: vice armava para derrubar governador

bomba dfTrecho do relatório da operação Monte Carlo aponta que o vice-governador do Distrito Federal, Tadeu Filipelli, do PMDB, pagava jornalistas para tentar derrubar o governador Agnelo Queiroz, do PT, e chegar ao comando do Palácio do Buriti; Mino Pedrosa, ex assessor de Carlos Cachoeira, receberia R$ 100 mil mensais.

247 – A crise política deflagrada pela Operação Monte Carlo pode ganhar contornos incontroláveis no Distrito Federal. Um dos trechos do inquérito vazado pelo 247 aponta que o vice-governador Tadeu Filipelli, do PMDB, conspirava para derrubar o governador Agnelo Queiroz, do PT. O trecho aparece na página 202, do anexo 7 (leia mais aqui).

Trata-se do resumo de uma conversa entre o espião Idalberto Matias, o Dadá, e o policial Marcelão, que é também dono de uma agência de publicidade no Distrito Federal, a Plá. Nela, ambos comentam que o jornalista Mino Pedrosa, ex-assessor de Carlos Cachoeira, teria um contrato de R$ 100 mil mensais, que seriam pagos por Filipelli. Ambos comentam ainda que outro jornalista, chamado Edson Sombra, seria também remunerado pelo vice-governador. Há ainda uma anotação sobre um apartamento que teria sido dado por Cachoeira a Mino Pedrosa em Brasília. Além disso, Mino teria uma cunhada empregada no gabinete de Demóstenes Torres (sem partido/GO).

Nos últimos meses, o governador Agnelo Queiroz recebeu ataques em série. Denúncias, que antes eram publicadas em blogs de jornalistas do DF, como Edson Sombra e Mino Pedrosa, depois eram amplificadas em veículos de grande circulação nacional, como Veja e Época. Até agora, no entanto, o inquérito tem revelado que o esquema Delta-Cachoeira não conseguiu se infiltrar no governo do Distrito Federal da mesma maneira como dominava o estado de Goiás (sobre isso, leia o post de Ricardo Noblat).

CPI da Arapongagem

Como as ligações entre a Delta e o governo do Distrito Federal são frágeis, a tentativa de impeachment incorporou uma nova estratégia. Agnelo passou a ser acusado de montar uma rede de arapongas para grampear políticos, jornalistas e empresários. Entre eles, o vice-governador Tadeu Filipelli e o jornalista Edson Sombra. Sobre isso, já há até uma CPI instalada no Distrito Federal.

Nesta sexta, Filipelli representou ao Ministério Público Federal, solicitando a apuração de uma possível investigação ilegal, realizada contra ele, alegando a necessidade de defender as instituições. Ocorre que os grampos da Operação Monte Carlo revelam que o Watergate brasiliense pode ter sido montado justamente por aqueles que seriam beneficiados pela queda do governador.

Abaixo, o trecho do relatório da PF que menciona a doação do apartamento de Mino Pedrosa e o pagamento de jornalistas por Filipelli:

RESUMO

KID 9 (KlD NOVE).

FALAM SOBRE SUCESSÃO DO DIRETOR DA PCDF. ENCONTRO DE SANDRO AVELA E ERIC SEBA (FILMAGEM)

APARTAMENTO QUE CARLINHOS DEU PRA MINO PEDROSA.

======================================================================

TELEFONE NOME DO ALVO

6192800078 Idalberto Matias de Araujo - Monte Carlo

INTERLOCUTORES/COMENTÁRIO

DADA X MARCELÃO PLX

DATNHORA INICIAL DATNHORA FINAL DURAÇÃO

07/02/201213:32:54 07/02/201213:34:32 00:01:38

ALVO INTERLOCUTOR ORIGEM DA LIGAÇÃO TIPO

A

RESUMO

MINO PEDROSA TEM UM CONTRATO COM O FILlPELI R$ 100.000 POR MES. ENTÃO O SOMBRA DEVE ESTAR

SENDO F1NANDIADO PELO FILlPELI.

A CUNHADA DO MINO TRABALHO NO GABINETE DE DEMOSTENES (SENADOR)

No: Brasil 247

ONU condena morte de jornalista no Brasil

O escritório do Alto Comissário de Direitos Humanos da ONU condenou nesta sexta-feira o assassinato do jornalista Décio Sá, ocorrido no último dia 23 no Maranhão.

decio_saO organismo chamou de “tendência perturbante” o fato de mais um jornalista ter sido morto. Sá foi o quarto profissional de imprensa assassinado no país em menos de quatro meses.

“Nós condenamos esse assassinato e e estamos preocupados com o que parece ser uma tendência perturbante de mortes de jornalistas, que está prejudicando o exercício da livre expressão no Brasil”, disse o porta-voz do escritório, Rupert Colville.

A ONU elogiou a disposição das autoridades brasileiras para investigar a morte de Sá e crimes semelhantes.

Contudo, a entidade solicitou que medidas de proteção sejam adotadas imediatamente para evitar novos crimes do gênero.

Para isso, a ONU apoiou a aprovação de uma lei proposta no Congresso em 2011 para fazer com que todas as mortes de jornalistas sejam investigadas pela Polícia Federal e não pelas polícias estaduais.

Investigação

A Secretaria de Segurança Pública do Maranhão convocou nesta sexta-feira uma entrevista para comunicar que a investigação sobre a morte de Sá passa a ser feita agora sob sigilo.

O órgão afirmou que dois suspeitos detidos na quinta-feira tiveram prisão temporária decretada. O governo não explicou, porém, qual teria sido sua participação no crime e quais indícios pesam contra eles.

No: BBC Brasil

domingo, 29 de abril de 2012

Kassab diz que fará “acompanhamento rigoroso” das relações da prefeitura com a Delta

kassab_deltaO prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), disse que foi determinada ao primeiro escalão do governo a realização de um "acompanhamento rigoroso" dos contratos da Delta Construtora com a prefeitura da capital paulista. Kassab também se disse tranquilo com relação às investigações.

“Nunca tive qualquer relação com Carlinhos Cachoeira ou com a Delta. Tive relações com o senador Demóstenes Torres ao longo de muitos anos e nunca se falou sobre Delta ou Cachoeira”, disse, durante o evento da Fórmula Indy em São Paulo.

“A prefeitura está muito atenta e toda atenção será dispensada (aos contratos da Delta). Sabemos a dimensão que ganhou essa questão e temos toda preocupação em esclarecer isso para as pessoas”, completou.

Nesta sexta-feira, o Ministério Público paulista encaminhou à Polícia Federal uma solicitação dos documentos relacionados a irregularidades cometidas pela Delta ou seus representantes em São Paulo, para fazer as devidas verificações com os contratos para varrição de lixo e do diretor Heraldo Puccini Neto, que está foragido desde que teve prisão preventiva decretada.

“A prefeitura está à disposição do Ministério Público para cooperar e entregar informações. Estamos tranquilos em relação ao contrato”, afirmou o prefeito.

No: SRZD

O Carcará baseado no histórico nada favorável do prefeito de São Paulo, o pedessista e ex DEMo Gilberto Kassab, que tem grandes interesses imobiliários, sua política extremamente higienista e  nos incêndios que acontecem “coincidentemente” em favelas que estão para serem desapropriadas e que os moradores resistem, tem lá suas dúvidas se não tem mesmo ligação com o contraventor criminoso. Mas como o volume da cachoeira se avoluma assustadoramente e de forma descontrolada, é só esperar mais um pouco e veremos se é mesmo inocente.

Tomara que seja!

Eliseu

1º de Maio: A Gênese do Peleguismo

viva-1-de-maio“Cada patrão mandou dez funcionários para cá. A gente tem que ficar até o fim (do evento) e levar o comprovante de que veio, para não descontar o dia de trabalho" .

A confidência foi feita por um dos participantes do primeiro congresso do "núcleo sindical" do PSDB, realizado em São Paulo, na última sexta-feira, conforme relato da Folha (28-04). Uma espécie de avant-première do 1º de Maio, o encontro liberou caciques tucanos para o feriadão prolongado com a consciência do dever cumprido.

A lotação proletária foi assegurada pelo engajamento natural das bases: donos de construtoras e empreiteiras que prestam serviços ao Estado convocaram seus trabalhadores à luta, com direito a sanduíche de queijo, suco, biscoito e maçã. Mediante comprovante de comparecimento, a militância teria o dia abonado trocando o saco de cimento pela faiscante oratória tucana.

Cada empresa foi convocada a encaminhar pelos menos dez operários ao meeting.  Serra nem gaguejou ao afirmar aos presentes que a relação do PSDB com sindicatos “não é novidade”; em seguida, pediu apoio à candidatura a prefeito de SP.

"Temos nossa primeira tarefa: mobilizar nossos sindicalistas para a campanha eleitoral deste ano", disse o ex-governador com indisfarçável mal humor diante do rival  Aécio Neves (leia mais aqui : “'Por que Serra está nervoso?”).

Alckmin foi de longe o mais combativo; sapecou um  “companheiros e companheiras” na saudação e arrematou com a frase cuja autenticidade sintetiza a de todo o evento: "O PSDB é um partido que dá prevalência ao trabalho sobre o capital".

No Carta Maior

Fortes ventos faz aviões “dançarem” na pista

Fortes ventos com velocidade acima de 100 km/h deram muito trabalho para pilotos de aviões que tentaram aterrissar ou decolar do aeroporto de Loio, em Bilbao, na Espanha.

O fenômeno conhecido como “Petra”, ligado à formação de ciclones, provocou rajadas de vento tão fortes que foi necessário desviar alguns voos para Vitoria y Biarritz.

No: Ainda Hoje

“O esquema Cachoeira roubou a minha história”

cachoeiraQuem diz é o ex-prefeito de Curitiba e ex-ministro Rafael Greca, que foi atacado pelo jornalista Mino Pedrosa (dir.) quando, em 1999, confrontou os interesses de Carlos Cachoeira (esq.); máfia goiana arruinou sua reputação e ele agora concorre novamente à prefeitura de Curitiba; leia entrevista exclusiva

29 de Abril de 2012 às 12:17

247 – Em 1999, Fernando Henrique Cardoso convidou Rafael Greca, ex-prefeito de Curitiba para assumir o Ministério Turismo e dos Esportes. Tanto FHC como Ruth Cardoso nutriam admiração intelectual por Greca, que havia sido o prefeito melhor avaliado do Brasil e também o deputado federal mais votado do País.

Greca chegou ao Ministério do Turismo e dos Esportes em 1999, ocupando uma cadeira que, antes dele, havia sido de Pelé e Paulo Renato de Souza, no governo FHC. Havia, ali, uma bomba relógio. Desde a Lei Zico, convertida depois em Lei Pelé, os bingos eram legalizados no País e 7% da arrecadação deveria ser destinada a atividades esportivas. Máquinas de jogo podiam ser utilizadas, desde que estivessem relacionadas ao bingo, e não a caça-níqueis tradicionais.

Tais máquinas eram importadas livremente e algumas eram montadas em Goiânia. Como ministro, Greca tomou duas decisões: (1) transferir para a Caixa Econômica Federal o controle sobre a arrecadação dos bingos, uma vez que a instituição já tinha experiência com loterias e também porque o dinheiro dessas casas não era devidamente repassado ao esporte e (2) fechar o cerco contra a importação de caça-níqueis.

Foi aí que começou seu inferno astral. Em reportagens capitaneadas pelo jornalista Mino Pedrosa, que depois veio a ser assessor formal de Carlos Cachoeira, Greca foi duramente atacado – era acusado de estar ligado a máfias espanholas e de estar montando um milionário caixa de campanha no Ministério dos Esportes. Demóstenes Torres ainda não era senador, mas outro parlamentar goiano atacava duramente o ministro – era o senador Maguito Vilella (PMDB-GO), que, da tribuna, disparava torpedos diários.

Greca contou com o apoio explícito de FHC, mas não resistiu ao ataque constante na imprensa. Entregou o cargo, teve sua reputação manchada e, desde então, vive uma espécie de ostracismo político, do qual tenta sair, concorrendo à prefeitura de Curitiba neste ano – ele é pré-candidato do PMDB.

Ao 247, ele falou sobre sua passagem pelo Ministério do Turismo e dos Esportes. Leia:

247 – O senhor já consegue enxergar com clareza os interesses que o derrubaram?

Rafael Greca – Foi essa cachoeira de lama. Os ataques, muito virulentos, partiam desse jornalista Mino Pedrosa. Na época, eu não sabia que ele era tão ligado ao Carlos Cachoeira.

247 – Quais foram suas medidas no ministério?

Greca – Eu me reuni com os atletas no Jockey Club do Rio de Janeiro e todos diziam que o dinheiro dos bingos não chegava às confederações. Em relação ao jogo, tomei duas decisões: transferir o controle da arrecadação para a Caixa Econômica Federal e fechar a importação desenfreada de máquinas caça-níqueis.

247 – Foi aí que começaram os ataques?

Greca – Sim, o Mino Pedrosa dizia que eu queria montar um esquema de caixa de campanha, ligado à máfia espanhola. Respondi a 899 processos e fui inocentado em todos. O Fernando Rodrigues, da Folha, que é um jornalista decente, passou um mês investigando o meu patrimônio e o da minha esposa e não encontrou nada.

247 – Se o senhor era inocente, por que abandonou o governo?

Greca – Ninguém aguenta o massacre. O Fernando Henrique foi solidário. Ele sabia que eu nunca entrei numa casa de bingo. Nunca vi uma máquina caça-níqueis. Meu interesse maior no ministério era o turismo, era promover o Brasil na festa dos 500 anos do descobrimento. Em relação ao esporte, eu realmente acreditava que a Caixa poderia fiscalizar a arrecadação do jogo. Mas isso bateu em interesses poderosos e eu fui massacrado. A tal ponto que a saída foi uma decisão para proteger o governo do presidente Fernando Henrique.

247 – Quais foram os impactos para a sua carreira política?

Greca – Eu fui massacrado. Arruinaram minha reputação. Roubaram a minha história. Eu era um prefeito premiado no mundo inteiro. Fui o deputado mais votado do Brasil, em termos proporcionais. Agora estou tentando uma nova chance, porque amo a cidade de Curitiba.

247 – As pesquisas, em Curitiba, não o colocam entre os favoritos?

Greca – No Ibope, dizem que eu sou “rejeitado”, mas o Ibope não mostra essa pesquisa. Nas nossas sondagens, o eleitor reconhece que sou o candidato com mais experiência e preparo. Quero muito ser prefeito. O que arruína um país são duas coisas: a política sem convicção e o dinheiro sem trabalho. Faço política por convicção. E foi derrubado por pessoas que ganham dinheiro sem trabalho.

No: Brasil 247

Brasil aguarda resposta da Bolívia quanto a denúncias de maus-tratos

violencia_boliviaO Ministério das Relações Exteriores disse neste sábado que aguarda resposta do governo boliviano quanto a denúncias de maus-tratos, invasão de casas, mortes de gados e expulsões ocorridas contra brasileiros por militares da Bolívia na fronteira com o Brasil.

Segundo a Agência Brasil, os abusos e violações teriam ocorrido na última quarta-feira.

Um dia depois, o Brasil enviou representantes do governo federal, da Polícia Federal e do governo do Acre até a cidade de Capixaba, a 77 quilômetros ao sul de Rio Branco.

Na sexta-feira, o encarregado de negócios da Embaixada do Brasil em La Paz, Eduardo Sabóia, foi recebido na Chancelaria boliviana, e o secretário-geral das Relações Exteriores, Ruy Nogueira, conversou com o vice-ministro de Relações Exteriores boliviano.

Em meio à crise, o Itamaraty disse que aguardará um pronunciamento oficial do governo de Evo Morales.

O governo do Acre manifesta preocupação recorrente com a segurança aos brasileiros na fronteira com a Bolívia.

De acordo com a Agência Brasil o problema é antigo e foi detectado há cerca de quarto anos.

Uma das origens da crise é uma lei da Bolívia que estabelece que estrangeiros não podem ser proprietários de terras em uma faixa de 50 km da fronteira.

Para tentar sanar o problema, um acordo entre os dois países foi firmado para colocar em prática de forma pacífica a retirada de brasileiros do território.

Violência

Ainda no final de março o governo de Evo Morales decidiu enviar mais de 3,2 mil militares às ruas de diversas cidades do país em uma tentativa de conter o aumento da violência.

A medida foi tomada após moradores da cidade andina de El Alto protestaram contra a insegurança.

A motivação do protesto foi o assassinato de dois jornalistas, estrangulados em um ônibus quando se dirigiam ao trabalho.

Na época, o presidente boliviano reconheceu que a polícia não é suficiente para combater o crescente número de crimes nas ruas.

Segundo o correspondente da BBC na Bolívia, Mattia Cabitza, em El Alto e na principal cidade boliviana, La Paz, as patrulhas policiais são escassas.

Além disso, os policiais costumam ser mal pagos e frequentemente são envolvidos em acusações de corrupção.

A situação de segurança nessas cidades será reavaliada após 90 dias.

Críticos da medida, no entanto, afirmam que colocar militares não ruas não irá resolver o aumento da violência, que deveria ser enfrentado com medidas para reduzir a pobreza e o desemprego no país.

No: BBC Brasil

Bóris Casoy volta a mostrar seu preconceito latente

Por DiAfonso*

Palavras do Bóris Casoy [transcrição de áudio]:

O fato de as cotas terem sua constitucionalidade avalizada pelo STF não significa que o programa seja correto. Ao contrário, é um erro grave que, a pretexto de compensar crueldades históricas praticadas pelo Brasil escravocatra [sic], acaba incentivando o racismo latente na sociedade brasileira. A questão do acesso à universidade nada tem a ver com cor, raça ou etnia. É uma questão social e econômica, produto do lixo que é o ensino público aqui no Brasil. O que deve determinar ou não a entrada na universidade é, simplesmente, o mérito! [ver vídeo abaixo]

O âncora Bóris Casoy não tem idoneidade para falar de negro, de índio, de racismo, de cotas raciais ou de qualquer tema que esteja relacionado ao respeito pelo outro. Basta lembrar o seu lastimável comportamento no episódio envolvendo honrados trabalhadores. Para quem não se lembra, Bóris teceu comentários humilhantes sobre as sinceras felicitações de Ano Novo, dadas por dois garis [aqui]

Cabe, ainda, ressaltar as contradições na fala do apresentador. Se a questão do acesso à universidade está ligada a fenômenos socioeconômicos e se a educação pública é um lixo [nisso deve-se concordar com ele, não nesses termos], então por qual razão evocar o MÉRITO para o ingresso no ensino superior? Acaso, as "crueldades históricas praticadas pelo Brasil escravocatra [sic]" a que se refere o jornalista não deixaram um rastro de intolerância e preconceito na alma dos que têm a cor branca - a cor das elites?

A partir das contradições de sua palavras, Bóris apenas ratifica um preconceito que ele mesmo traz dentro de si, como ficou claro no caso dos garis.

Quem sabe um dia - quando o Brasil superar os problemas sociais e de exclusão que ainda precisam ser erradicados - não precisemos mais de cotas para negros, índios, pobres ou quem quer que seja?

Quem sabe, também, não precisemos mais de nefastos seres ancorando um telejornal como Bóris Casoy?

Vamos à luta [Como dizia Gonzaguinha]!


Artigo com base na postagem sobre Bóris, no Blog O Cachete, do Cumpadi Giovani de Morais.

*Editor-geral do Terra Brasilis.

sábado, 28 de abril de 2012

Crueldade sem limites com animais. E nas Faculdades!

direitos-macacoQuem pensa que maus-tratos a animais é o que infelizmente vemos pelas ruas: pessoas que chutam, atropelam propositalmente, espancam, etc. e aquelas que a mídia vez ou outra denuncia, como o caso da enfermeira de Goiás que matou seu cãozinho de estimação a pancadas e da mulher na Bahia que espancou cruelmente seu cão, está muito enganado. Existe uma violência muito maior, horripilante, que tem nome difícil, mas que todos sabem que existe e é aprovada por governos mundo afora sob a alegação que é em prol da ciência.
O nome dessa loucura é tão esquisito como sua prática. É a Vivissecção de animais, ou seja, dissecar o animal vivo para que se possa fazer experimentos científicos.
Imagine o sofrimento desses animais serem cortados vivos, geralmente sem qualquer tipo de anestesia. O termo vivissecção é usado para englobar as várias categorias científicas e procedimentos médicos feitos em animais, incluindo: testes de medicamentos e outros produtos químicos, pesquisa biomédica, ou a criação e morte de animais direcionadas para retirar e usar partes, tais como válvulas cardíacas ou órgãos, como rins, fígado, etc.
De acordo com  o “Centro Vegetariano”, hoje em dia encontram-se disponíveis métodos de ensino sofisticados que substituem a dissecação, salvando milhares de animais.
Mas a dissecação é um enorme negócio. Milhões de animais são mortos todos os anos para serem dissecados em experiências com fins educativos, e claro, lucrativos. Muitos destes animais, como rãs, minhocas, lagostins, etc., são retirados dos seus habitats naturais, e ecossistemas inteiros ficam ameaçados. Muitos animais são submetidos a uma crueldade e sofrimento inacreditáveis até se tornarem “espécimes para dissecação”. Os cães e gatos que se encontram abandonados ou em canis, ratos, coelhos e porquinhos-da-índia são levados para locais que colaboram com escolas e universidades, onde vão ser atordoados e posteriormente aprisionados, depois lhes será injetado, ainda conscientes, formol. Esta substância, que serve para preservar, quando introduzida no corpo dos animais equivale à introdução de água fervente.
Cada vez mais alunos se recusam a fazer dissecações, propondo aos professores livros, vídeos e modelos de plástico e informáticos. Todos os alunos têm o direito de exprimir o seu desagrado por estas experiências; se na sua escola ou faculdade são usados animais em experiências, fala com os seus professores, propõe alternativas e reúne-se com os seus colegas para mostrarem o desagrado.
No site “Crueldade Nunca Mais” logo na primeira página trás uma petição onde você pode assinar e se informar, para que possamos reverter essa situação dos indefesos animais
Para ouvir o vídeo, não esqueça de DESLIGAR a rádio clicando stop.
Por: Eliseu

Não se engane: A capa da Veja traz quatro mulheres chefonas e não três

Onde está a 4ª mulher? É simples, meu caro Watson.   

Está no detalhe, Andressa Mendonça traz recado do “chefão” Cachoeira: “VOU EXPLODIR”.  

Seria uma chantagem ou ele está nervosíssimo?

 

 

andressa

Vi no: Terra Brasilis

Charge Online do Bessinha # 20

Bessinha #20

Da Série: Por que Serra está nervoso?

jose_serraAvalie as hipóteses desta semana pinçadas das páginas dos jornais diários:
I) a política social do ciclo Lula reduziu à metade a mortalidade infantil no país na década passada, informa o Censo de 2010 do IBGE. No Nordeste a taxa caiu 58,6% entre 2000 e 2010;
II) o governo Dilma acionou os bancos estatais e emparedou a banca privada entre a concorrência e a execração pública: os juros estão em queda sem que a inflação escape ao controle;
III) no primeiro trimestre, as cartas consultas para financiar investimentos industriais junto ao BNDES cresceram 37% em comparação com janeiro/março de 2011;
IV) um governo de coalizão entre bicheiro e tucanos foi flagrado em Goiás pela operação “Monte Carlo”, da PF. Carlinhos Cachoeira, em escuta da PF: “nós pusemos ele” (Perillo, fiel aliado de Serra no PSDB) lá (no Palácio das Esmeraldas);
V) sob a administração Kassab aumentou em 6% o número de moradores de rua em SP: de 13.66, em 2009, para 14.458, em 2011;
VI) faltam professores em 32% das escolas da rede estadual de ensino de SP, estado administrado há 17 anos pelo PSDB;
VII) Serra, 70 anos, em tom jovial: “Modéstia à parte, sempre fomos muito inovadores”. Por exemplo: ao assumir o governo do Estado em 2006, o tucano “inovou” nos serviços de desassoreamento do rio Tietê, interrompendo-os por quatro anos seguidos. A “inovação” pôs a perder R$ 1,7 bi em gastos realizados com a limpeza do rio durante os quatro anos anteriores. Hoje a meta do Estado é recuperar a vazão do Tietê existente antes de Serra assumir o governo, período em que 3 milhões de m³ de detritos se acumularam no leito do rio. O espírito inovador agravou a frequência e a gravidade das inundações na capital, cuja prefeitura Serra agora vai disputar.
Em setembro de 2009, por exemplo, mesmo fora da temporada de chuvas, uma tempestade naufragou São Paulo. Desde então, a cada verão o rio transborda. No ano passado, ao final de fevereiro, o Tietê já havia transbordado três vezes, o que levou o governo Alckmin a tomar a decisão de voltar a investir em obras de desassoreamento para recuperar uma vazão de 1.048 m³ por segundo. A mesma capacidade de sete anos atrás, quando Serra 'inovou'. Modéstia à parte.
PS: essas informações foram fornecidas aos jornais diretamente pelo governador Geraldo Alckmin, como se sabe um parceiro de Serra de longa data, a exemplo de Aécio Neves que esta semana, generoso, lembrou aos jornais que o amigo quer mesmo concorrer à Presidência - e, sim, claro, poderia, se eleito, abandonar novamente a Prefeitura de São Paulo para isso.

No: Carta Maior

Após tentar “curar” homossexualidade, ex-evangélico cria igreja GLS

Convertido aos 14 anos a uma igreja evangélica, o carioca Marcos Gladstone, de 36 anos, hoje gay assumido, sempre acreditou que seria "recuperado" da atração que sentia por homens.

casal_gay_beijandoDurante quatro anos, ficou noivo de uma mulher, mas pouco antes de se casar, decidiu revelar à família dela sobre sua orientação sexual.

"Não sentia amor pela minha noiva; apenas amizade. Quando disse à família dela que era gay, a fofoca se espalhou rapidamente. Ela chegou a ficar três dias sem comer", recorda.

Vítima de preconceito, Gladstone resolveu fundar em 2006, junto com seu parceiro, Fábio Inácio, de 31 anos, a "Igreja Cristã Contemporânea", pregando "um discurso de tolerância" e voltada predominantemente para o público gay.

No início, contavam apenas com cinco membros. Hoje, a igreja já tem 1,2 mil fiéis e seis filiais espalhadas pelo Brasil, além da sede no Rio de Janeiro.

Festas temáticas

festa_temática_gospelBaladas gospel são uma das formas de igreja integrar novos membros

Uma das formas encontradas pelas igrejas inclusivas para atrair novos fiéis e integrá-los aos membros antigos é promover festas temáticas.

Na igreja “Comunidade Cidade de Refúgio”, fundada por Lanna Holder - ex-missionária da igreja evangélica Assembleia de Deus que acabou expulsa por ser lésbica - são comuns as baladas gospel, realizadas uma vez por mês.

Na festa, chamada de "EletroGospel", bebidas alcoólicas não são permitidas. “O objetivo é que todos se divirtam com moderação. Somos cristãos e, portanto, contra qualquer promiscuidade”, afirmou Lanna.

Já na “Igreja Cristã Contemporânea”, os fiéis são convidados a participar de retiros espirituais, que ocorrem durante o Carnaval.

Segundo Gladstone, a igreja recebe centenas de e-mails por dia de gays que têm medo de “sair do armário”.

“Nosso trabalho é de aconselhamento. É muito importante que um jovem homossexual não se sinta sozinho mesmo quando a família não aceita sua orientação sexual”.

No: BBC Brasil

A cachoeira se avoluma: Demóstenes teria recebido mais de 3 milhões do esquema Cachoeira

Demostenes-TorresA cachoeira de denúncias se avoluma como uma avalanche contra o senador Demóstenes Torres, ex-DEMo. Após a denúncia gravada de que recebera mais de 1 milhão do contraventor Carlinhos Cachoeira, que comandava, ou melhor, comanda o jogo ilegal em Goiás e com ramificações em vários órgãos governamentais, surge uma nova gravação mostrando que o montante é pelo menos 3 vezes maior.

O G1, portal da Globo que também estaria envolvido no grande esquema de corrupção junto com Veja, Estadão e outros veículos do PIG, sucumbiu e soltou a reportagem informando que gravações telefônicas feitas pela Polícia Federal revelam que o senador Demóstenes Torres (sem partido - GO) pode ter recebido até R$ 3,1 milhões do grupo do bicheiro Carlinhos Cachoeira, preso pela PF na Operação Monte Carlo, deflagrada para combater um esquema de exploração de jogo ilegal. Desse valor, R$ 1 milhão foi depositado na conta do senador.

Para ouvir o vídeo, não esqueça de DESLIGAR a rádio clicando stop.

Como se vê, nessa história só tem mesmo é bandido.

Por: Eliseu

sexta-feira, 27 de abril de 2012

BRASIL JÁ É O TERCEIRO MAIOR CREDOR DOS ESTADOS UNIDOS


Até agora, ninguém deu a notícia. Com 372 bilhões de dólares em reservas internacionais, o Brasil acaba de se converter, aplicando mais da metade delas em “treasuries”, no terceiro maior credor individual externo dos Estados Unidos, como pode ser visto na própria página oficial do tesouro norte-americano, cujo link publico abaixo. O acúmulo de reservas internacionais, cujo custo de carregamento tem caído em linha com a redução da taxa SELIC, serve para valorizar o dólar com relação ao real, favorecendo nossas exportações,e é, sobretudo, uma arma geopolítica, que mantêm em situação positiva a imagem do Brasil frente às agências internacionais de classificação de risco e em uma posição de força em organismos como o G-20, o Banco Mundial e o FMI.

Conheço empresários brasileiros de linha mais desenvolvimentista, no entanto, que pensam que a política de acúmulo de dólares poderia ser complementada com a emissão de moeda, no mercado interno, destinada a investimentos diretos do governo na área de infraestrutura, por exemplo. Tal medida, com uma pequena expansão administrável da inflação, derrubaria o valor do real frente ao dólar, favorecendo as exportações, injetaria dinheiro em todos os níveis da economia produtiva, e criaria milhões de empregos.


TEXTO ORIGINAL NESTE ENDEREÇO:

Mais uma derrota de Demóstenes: STF vai entregar inquérito para CPMI

demostenes_conselhoeticaO Supremo Tribunal Federal não acatou o pedido da defesa do contraventor e controlador do jogo ilegal em Goiás, Carlinhos Cachoeira que tem um sólido envolvimento com o senador Demóstenes Torres (ex DEMo) e setores da mídia, como Veja, Globo, Estadão, etc, que solicitou ao Supremo Tribunal Federal para não enviar o inquérito à CPI do Cachoeira.

Publicação da Agência Brasil informa que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski atendeu ao pedido da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira e decidiu compartilhar, com a comissão, o inquérito de número 3.430, que investiga o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO).

A decisão foi tomada hoje (27), no início da tarde. Lewandowski, no entanto, manteve o caráter sigiloso do inquérito, o que deverá ser respeitado pela comissão.

A CPMI, de posse das informações, poderá "observar as restrições de publicidade inerentes aos feitos sob segredo judicial, bem como aquelas previstas na Lei 9.296/96, especificamente ao que foi colhido nas interceptações telefônicas", diz o despacho do ministro.

Lewandowski é relator do inquérito que tramita no STF. Além de compartilhar os dados com a CPMI, instalada nesta semana no Congresso Nacional, ele também autorizou o compartilhamento de dados com o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado, que analisa a representação contra o senador Demóstenes, por quebra de decoro parlamentar.

De acordo com a decisão, os dados poderão ser analisados também pela Comissão de Sindicância da Câmara dos Deputados, que investiga os parlamentares João Sandes Junior (PP-GO) e Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO), pelo envolvimento com o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Cachoeira é suspeito de envolvimento com jogos ilegais e foi preso na Operação Monte Carlo, em fevereiro. A CPMI que leva seu nome investigará sua ligação com políticos e empresários.

Parece que dessa vez a “casa caiu” para o senador e sua quadrilha.

Por: Eliseu

Jovem acusa Luciano Huck de “caloteiro” e se diz humilhado por organizadores de concurso

Não é a primeira vez que o programa Caldeirão do Huck e o próprio apresentador são acusados de dar a volta por cima em parceiros ou participantes da atração.

wilson-melo-harlem-luciano-huckO atleta Wilson de Melo fez um enorme desabafo em seu Facebook onde acusa o programa “Caldeirão do Huck” de não honrar com o prêmio do concurso em que ele foi o vencedor.

Leia abaixo a íntegra do desabafo do rapaz:

“No dia 24 de abril de 2010, o CALDEIRÃO DO HUCK promoveu o concurso HARLEM GLOBETROTTERS BRASILEIRO que elegeu um brasileiro para fazer parte da equipe norte americana de basquete. Me tornei o campeão da competição que foi transmitida em rede nacional pela Rede Globo. Mas dois anos depois, ou seja, exatamente HOJE, não assinei nenhum contrato internacional com os Harlem Globetrotters como havia sido prometido no programa Caldeirão do Huck pelo próprio apresentador, LUCIANO HUCK.

As organizações promotoras do evento prometeram que eu iria morar, estudar e fazer turnê com os Harlem Globetrotters nos Estados Unidos por um ano, com tudo pago e remuneração. Com base nessas promessas, desfiz-me de todos os meus bens materiais, fiz uma enorme despedida com os amigos e familiares e me preparei fisicamente para representar o Brasil, e fiquei aguardando um posição das organizações promotoras do concurso para partir e iniciar o sonho de viver do basquete.

Infelizmente, nada que foi prometido se realizou. Passei por muita humilhação durante a turnê no Brasil por organizadores do concurso. Tenho gravações absurdas dos organizadores falando coisas que ficariam chocados em ouvir. É muito triste toda essa situação, é muito humilhante para qualquer atleta.

Mas agora o que me resta é compartilhar a minha história com todos vocês, sem vergonha, medo ou qualquer arrependimento. Quero que as pessoas que torceram por mim no dia do concurso e as que se orgulharam da minha conquista como brasileiro saibam de todo o ocorrido. Até porque não fui o único enganado em toda esse história, mas vocês também.

O sentimento de frustração é muito grande, só que a vontade de viver e seguir em frente supera muito mais esse sentimento ruim. Sim, me tornei vítima de organizações que buscaram mais promover uma marca do que realizar o sonho de um garoto, embora assim tenham prometido.

Caso você não compactue com essa injustiça, compartilhe esta história, para que mais sonhos não sejam frustrados de forma leviana e irresponsável, tratados como meras mercadorias a serviço de grandes lucros.

Pois é gente, no mundo de negócios, talento não é suficiente. Muito triste isso.”

Confira os vídeos que mostram Wilson sendo campeão: Vídeo 1Vídeo 2 (Não esqueça de DESLIGAR a rádio, clicando stop)

Não é a primeira vez que o programa Caldeirão do Huck e o próprio apresentador são acusados de dar a volta por cima em parceiros ou participantes da atração. Os “Manos da Oficina”, antigos responsáveis pelas reformas dos carros do quadro “lata velha”, divulgaram um extenso relato de protesto e de denúncia, desde a sua entrada a saída do quadro na Rede Globo, em que discorriam sobre possível golpe que sofreram do apresentador e seus produtores. O caso foi parar na justiça.

Luciano Huck e a Rede Globo ainda não se pronunciaram sobre as acusações do atleta Wilson de Melo.

No: Pragmatismo Político

Charge Online do Bessinha # 19

Besxsinha #19

Cachoeira se considera “preso político”

carlinhos cachoeiraMais uma que acontece em terras tupiniquins: explorador de jogos ilegais vai preso e se considera preso político.

O contraventor e quadrilheiro Carlinhos Cachoeira que com suas teias e tentáculos dentro de vários órgãos governamentais, - tendo como principal comparsa o senador Demóstenes Torres, ex-DEMo e até então o “grande defensor da moralidade” - passando até agora pelos governos do Paraná, Minas Gerais e principalmente seu estado de origem, Goiás, e também o envolvimento com o a dita “grande mídia” está “revoltado” por se encontrar preso. Como se lugar de bandido não fosse a cadeia!

De acordo com reportagem no Jornal do Brasil, Andressa Mendonça, companheira de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira disse em entrevista à Folha de São Paulo que o criminoso está revoltado e considera-se um "preso político", se referindo à onda de denúncias que envolvem seu nome nas últimas semanas. Depois de visitar Cachoeira na prisão, Andressa afirmou que o contraventor não descarta prestar um depoimento bombástico à CPI que foi instaurada no Congresso. Que assim seja!

Acusado de comandar a exploração do jogo ilegal em Goiás, Carlinhos Cachoeira, foi preso na Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, em 29 de fevereiro de 2012. Escutas telefônicas realizadas durante a investigação da PF apontaram contatos entre Cachoeira e o senador democrata Demóstenes Torres que reagiu dizendo que a violação do seu sigilo telefônico não havia obedecido a critérios legais.

Por: Eliseu

Os políticos fazem na vida pública o mesmo que na privada.

Graças a “sorte” do Lula e ao arrojo da Dilma, o Brasil está surpreendendo o mundo e superando todos os vícios e provincianismos da politicalha nacional.

Sendo sincero e exigente para consigo mesmo, quais os políticos que você põe a mão no fogo como modelos de honestidade e competência? Se houverem, devem ser de apenas uma dessas duas virtudes.

Pombo

A grande maioria desses políticos parecem pombos: só fazem cagadas.

Não é por acaso que chamam as instituições públicas federais, estaduais e municipais de casas da luz vermelha. As estrelas lá dentro puxaram suas mães: nada é feito por amor, tudo é por dinheiro.

Mas, não estamos aqui para baixar seu humor nem seu ânimo. Vamos lutar para que seja feita uma grande faxina nesses antros de poder e pilantragens de gravata. Temos duas armas: a internet e o voto. Acho que cada um sabe como fazer a sua parte.

Nunca o Brasil esteve tão perto daquele futuro que nascemos e crescemos ouvindo. Vamos ajudar a realizá-lo. Para nós, nossos filhos e netos.

No: Sr.Com

Gravação mostra que Demóstenes recebeu 1 milhão de Cachoeira

00810ebdbc2018b3e178532e8ec88be196014d19A cada dia aparecem novas denúncias e envolvidos com a rede criminosa de Carlinhos Cachoeira. E a situação do principal envolvido nos crimes, o senador Demóstenes Torres (Ex-DEMo) piora cada vez mais.

O “Jornal da Globo” mostrou a gravação na qual o nome do senador Demóstenes Torres surge como o beneficiário de R$ 1 milhão do grupo do bicheiro Carlos Cachoeira. Feita pela Polícia Federal, a gravação precipitou a convocação da CPI sobre Cachoeira. A conversa é entre o bicheiro e o contador dele, Geovani Pereira da Silva, que está foragido.

Para ouvir o áudio, não ESQUEÇA de desligar a rádio clicando stop.

Carlinhos Cachoeira pergunta ao sócio Cláudio Abreu o que ele, Cachoeira, reteve e ouve como resposta: um milhão do Demóstenes.

É a primeira vez que o áudio do diálogo, gravado com autorização da justiça, pela Polícia Federal, é revelado.

Geovani: Porque eu devendo pra ele aqui, 1 milhão e oitenta e seis. E, na verdade eu só tenho os oitenta e seis.
Carlinhos: Esse um é o do Demóstenes, uai!
Geovani: Não, moço! não lembra que naquela época lá em outubro tava dois e cem aí nós lançamos um dele, deu baixa aqui.
Carlinhos: Peraí, eu só tinha um na pendência que eu joguei pro Demóstenes. Que um que é esse?
Geovani: Uai, eu tenho que mostrar aqui no caderno pra você ver, ué.
Carlinhos: cadê o trem? Leva lá em casa agora, vamo ver.

Em sua defesa na quinta-feira, Demóstenes Torres alega que os diálogos foram editados. Será?

Por: Eliseu

Presidente da Delta se comporta como um funcionário público

cavendisshAo se afastar da presidência da Delta, o empresário Fernando Cavendish se comporta como um funcionário público que, ao ser constatada uma irregularidade, se demite.

Um ministério, secretaria ou qualquer órgão público onde é flagrado algum ato ilícito não pode simplesmente deixar de funcionar. Nestes casos, sim, o chefe da pasta deve se afastar para que o órgão continue a executar suas funções. Mas numa empresa privada, é diferente.

Cavendish acha que fica isento ao se demitir. Na verdade, tal ato acaba por confirmar que cometeu alguma irregularidade.

O governo é que deveria bloquear o patrimônio da empresa e de seus dirigentes, e suspender imediatamente todas os contratos com a empreiteira. É preciso tirar a empresa dos negócios para dar o exemplo. A Delta é que tem de se demitir das relações com o governo. 

Ver o nome da empresa em placas de obras a pleno vapor é um deboche com a nação.

No: Jornal do Brasil

“Estado de Exceção” em terras tucanas

cracolandiaA 1ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu uma ordem de salvo-conduto para garantir o direito de livre locomoção do morador de rua Carlos Eduardo de Albuquerque Maranhão, na região conhecida como "cracolândia", área central da capital paulista. A decisão foi divulgada no dia 23 de abril e atendeu ao habeas corpus preventivo pedido pelos defensores públicos Daniela Skromov de Albuquerque e Bruno Shimizu. A extensão da garantia a todos os moradores de rua da capital paulista foi recusada pelo relator do caso, desembargador Marcio Bartoli, mas pode ocorrer em “hipóteses semelhantes”.

Em depoimento aos defensores públicos, Maranhão denunciou ter sofrido abordagens seguidas de policiais militares, com humilhações e ameaças, durante a “Operação Sufoco”, deflagrada pela Polícia Militar a pedido da prefeitura da capital paulista, em janeiro deste ano, na região da cracolândia. Em um período de sete dias, o morador de rua foi abordado três vezes. Os defensores defendem que Maranhão “não possui anotação de antecedentes criminais, nem mandado de prisão expedido em seu nome, não havendo suspeita de que ele estivesse praticando qualquer tipo de delito, especificamente tráfico ilícito de drogas”.

No pedido de habeas corpus, os defensores apresentaram provas de que Maranhão vive “patente ameaça de violação do direito de locomoção” e seria preciso garantir ao morador de rua “o direito de circular e permanecer em locais públicos de uso comum do povo a qualquer hora do dia, não podendo ser removido contra a sua vontade salvo se em flagrante delito ou por ordem judicial”.

A Defensoria Pública juntou outros 70 testemunhos de pessoas em situação de rua e de moradores da região que comprovam a denúncia. Um Guarda Civil Metropolitano que não foi identificado também depôs confirmando a ação dos policiais.

Entre os depoimentos juntados ao processo pela Defensoria Pública, o magistrado destacou em seu parecer trechos de relatos de violações cometidas por policiais: “Dizem: 'bando de noia tem que morrer e não ir para o hospital” e “Está gestante (2 meses). E obrigada a andar o dia inteiro, sequer consegue dormir porque os policiais abordam sem motivo. Já foi agredida com chutes, tapas e ameaçada com armas”.

Para o desembargador Bartoli, é “fato notório” que houve irregularidades na ação da PM no mês de janeiro, durante a operação na cracolândia. Bartoli julgou ainda que o comandante geral da Polícia Militar de São Paulo é autoridade coautora por “inércia em fazer cessar a ação irregular dos agentes que lhe são subordinados”. E pediu o envio dos relatos de abuso policial ao Ministério Público do Estado de São Paulo para investigação.

Por: Suzana Vier, no Rede Brasil Atual

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Derrota dos racistas: STF legaliza as cotas raciais nas universidades

STF_cotasraciaisO Supremo Tribunal Federal (STF) tomou nesta quinta-feira 26 mais uma decisão histórica, ao decidir, por unanimidade, que as cotas raciais estabelecidas por universidades públicas são constitucionais. O julgamento se dá após anos de debates sobre o tema e deve colocar fim à insegurança jurídica a respeito da reserva de vagas para determinados grupos.

O Supremo tomou a decisão ao julgar duas ações diferentes. A primeira era uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 186), de autoria do Democratas (DEM), contra a Universidade de Brasília (UnB), que reserva 20% das vagas do vestibular para estudantes negros. O argumento do partido, defendido principalmente pelo senador Demóstenes Torres, hoje mergulhado em um escândalo de corrupção, era de que as cotas raciais ferem o princípio da igualdade. A outra ação é um Recurso Extraordinário (RE 597285) de um estudante gaúcho que foi eliminado do vestibular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) embora tivesse obtido notas superiores às dos cotistas. Isso ocorreu porque a universidade reserva 30% das vagas para quem estudou na rede pública, sendo que metade dessa cota é destinada aos candidatos que se declararem negros na inscrição.

No CartaCapital

“Estamos compartilhando o crescimento”, afirma Dilma

Rio de Janeiro - RJ, 26/04/2012. Presidenta Dilma Rousseff durante cerimônia de comemoração de 1 milhão e meio de beneficiados pelo Plano Brasil sem Miséria por meio da integração dos programas Renda Melhor, Cartão Família Carioca e Bolsa Família. Foto: Roberto Stuckert Filho/PRA presidenta Dilma Rousseff afirmou hoje (26) que o Brasil está compartilhando o crescimento econômico com toda a sociedade. Ao participar, no Rio de Janeiro, da cerimônia de comemoração de 1,5 milhão de beneficiados pela integração dos programas de transferência de renda do governo federal, do estado e do município, Dilma comentou declaração do prêmio Nobel de Economia Amartya Sen sobre o desenvolvimento brasileiro nos últimos anos.

“Ainda nesta semana, o prêmio Nobel de Economia, o indiano Amartya Sen afirmou algo que deve nos orgulhar, que deve trazer para nós uma consciência de muito orgulho, que a nova posição do Brasil no cenário global se deve ao reconhecimento da complementariedade entre crescimento rápido e política de justiça social. Ao afirmar isso, ele consegue sintetizar essa relação entre política interna e reconhecimento internacional”.

Segundo Dilma, Amartya Sen, um dos criadores do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), conseguiu sintetizar o modelo do crescimento econômico do Brasil.

“Por isso, quando ele diz que o Brasil encontrou uma maneira de fazer com que o crescimento fosse compartilhado amplamente pela população, eu também acho que esse indiano, que é o Amartya Sen, ele sintetiza o que nós fazemos, nós estamos compartilhando o crescimento, é isso que caracteriza o nosso crescimento, é um crescimento hoje compartilhado”, afirmou a presidenta.

Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social, com a integração dos programas de transferência de renda do governo federal, do estado e do município, 1,5 milhão de pessoas saíram da situação de pobreza extrema no Rio de Janeiro. Para o pagamento dos benefícios do programa Bolsa Família, o governo federal deve repassar R$ 1 bilhão para o estado em 2012. Já o Renda Melhor, segundo o governo do Rio de Janeiro, garante um complemento ao Bolsa Família. O valor é calculado a partir das informações do Cadastro Único, considerando, além da renda declarada, as condições de moradia, e saneamento, e o grau de escolaridade de cada família.

No: Blog do Planalto

Charge Online do Bessinha # 18

Bessinha #18

Delegado da ditadura na ativa mostra “déficit” na transição

ditadura-militarOs procuradores do Grupo de Trabalho de Justiça de Transição do Ministério Público Federal consideram que a manutenção em órgãos públicos de funcionários da ditadura é o maior atraso do Brasil na caminhada à democracia.

Questionado sobre o fato de Dirceu Gravina, delegado da Polícia Civil de São Paulo denunciado dia 24 pelo sequestro de um sindicalista em 1971, seguir na ativa, o procurador da República em Uruguaiana Ivan Cláudio Marx lamentou a situação. “A questão da depuração das instituições é um grande déficit brasileiro. Houve alguns intentos aqui em São Paulo, mas realmente é um déficit.”

Gravina atua hoje em Presidente Prudente, no interior paulista. O Ministério Público Federal apresentou ontem à Justiça Federal em São Paulo denúncia contra ele e o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe do DOI-Codi entre 1970 e 1974, pelo desaparecimento forçado de Aluízio Palhano Pedreira Ferreira. Duas vezes presidente do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro, ele foi visto pela última vez em maio de 1971 no aparelho da repressão em São Paulo.

Segundo arquivos do Superior Tribunal Militar (STM) obtidos pelo projeto Brasil Nunca Mais, Palhano foi preso e “barbaramente torturado”. De lá foi levado à “Casa de Petrópolis”, no Rio, e transferido de volta à capital paulista, já muito machucado. Desde então, nunca mais foi visto, o que, para o Ministério Público Federal, faz com que o crime de sequestro ainda esteja em curso, resultando em um pedido de sentença que vai de dois a oito anos de prisão.

A chamada Justiça de transição elenca, segundo a experiência de outros países, quatro pontos que precisam ser atendidos para que efetivamente se construa a democracia: direito à verdade, direito à reparação, direito à Justiça e depuração das instituições democráticas, com a retirada daqueles que tenham colaborado ao regime repressor.  

“Uma das medidas justamente é que as pessoas que praticaram violações sejam filtradas dos órgãos públicos”, diz o procurador da República em São Paulo Andrey Borges de Mendonça. Contra Ustra e Gravina há outras ações pedindo as perdas da aposentadoria e dos vencimentos, respectivamente, e dos cargos públicos, mas até o momento o Judiciário não se pronunciou a respeito. O procurador considera que é possível que agora, com a ação penal, se busque a concessão de medida liminar para afastar o delegado do cargo. “Nós até o momento não pedimos. Vamos esperar que haja análise do Poder Judiciário e nesse momento analisaremos eventual pedido para afastamento do exercício de suas funções.”

No Rede Brasil Atual

Defensor público do Pinheirinho denuncia prefeitura por mentiras e “terrorismo” contra desabrigados

Em primeira matéria de série, Jairo Salvador conta como o prefeito Eduardo Cury enganou a comunidade e acusa agente pública de se associar a pessoas que aterrorizaram ex-moradores

pinheirinhoA violenta desocupação do Pinheirinho, na cidade de São José dos Campos, em 22 de janeiro deste ano, acaba de completar três meses. Nesse período, houve muitos argumentos jurídicos e testemunhos da truculência dos agentes públicos, policiais militares e guardas civis metropolitanos, que atuaram na reintegração de posse. No entanto, entre os personagens envolvidos na história, poucos estiveram tão próximos quanto o defensor público Jairo Salvador.

Na Defensoria Pública do município desde 2007, no ano seguinte ele passou a fazer parte do cotidiano das milhares de pessoas do assentamento e participou ativamente das ações que buscaram a regularização do local. 

A partir de hoje, em uma série de quatro matérias produzidas para a Rede Brasil Atual, o defensor traz detalhes sobre o que classifica como tecnologia do terror contra populações carentes, as mentiras do poder público, quem pode ser responsabilizado nos vários desmandos do caso, ações judiciais individuais e coletivas, o destino das pessoas que moravam no Pinheirinho e a luta ideológica para dizimar o movimento. 

Nesta primeira parte da entrevista, ele denuncia as mentiras do prefeito Eduardo Cury (PSDB) sobre a regularização do terreno e a “relação promíscua” da prefeitura de São José dos Campos – por meio da diretora de Desenvolvimento Social, Maria Quitéria de Freitas – com “agentes provocadores” para expulsar os ex-moradores dos alojamentos em que foram colocados após a desocupação. Confira também os vídeos nos quais o defensor aborda os problemas encontrados no caso.

Quando começou seu envolvimento no Pinheirinho?

Com o movimento, foi em 2008, no segundo semestre. Até então, a Defensoria fazia atendimentos individuais da comunidade, que ficava na parte mais pobre de São José, a região sul. Entre final de 2008 e começo de 2009, iniciamos um atendimento com o nosso Núcleo de Habitação e Urbanismo para possibilitar a regularização do local. Entendemos que, pelo tamanho da ocupação e a questão social urgente que havia, tínhamos de ser parte ativa. 

Mas houve um marco na mudança de relação da Defensoria com a ocupação, não?

Sim. Em 2010, quando da votação da lei de zoneamento da cidade, levamos 11 reinvindicações para o debate e propusemos que a área fosse mudada de Zona Industrial (ZI) para Zona Especial de Interesse Social (ZEIS). Era o primeiro passo para regularizar, pois se o município determina como ZEIS, fica claro que quem comprasse teria que fazer casa para pobre. Não haveria interesse comercial e ficaria fácil para a União ou o governo do Estado desapropriar e regularizar a situação. 

Por que não ocorreu a mudança?

Foi uma grande discussão na cidade. E aí que está uma grande maldade. O prefeito se comprometeu publicamente a mudar, tem documento público assumindo isso, assinado pela chefia de gabinete dele (pela chefe de gabinete, Claude Mary de Moura) garantindo a alteração no zoneamento. Eles enganaram as pessoas.

Inclusive o prefeito, o Eduardo Cury (PSDB)?

Claro. O prefeito assumiu esse compromisso publicamente. Ele mentiu para as pessoas que moravam no Pinheirinho. A prefeitura fomentou que iria resolver a situação, encaminhar a mudança para regularizar, criou uma grande expectativa. 

Isso poderia ser cobrado na Justiça?

Sim, a Defensoria poderia cobrar, mas a União ou o governo do Estado teriam de se posicionar muito claramente sobre o interesse na área. Se isso ocorresse, poderíamos cobrar que o município cumprisse o que prometeu. 

Ainda sobre a atuação do poder público municipal, a saída das pessoas dos alojamentos foi tumultuada, não?

Muito. No final de fevereiro (dias 24 e 25) ainda havia pessoas nos alojamentos do Vale do Sol e no Morumbi. Tinha uma conversa marcada com os alojados no Vale do Sol, mas pessoas que classifico como agentes provocadores tumultuaram, fizeram terrorismo psicológico, ameaçaram e agrediram pessoas. 

Quem seriam esses agentes?

Segundo ex-moradores do Pinheirinho, gente ligada ao crime organizado, mas o que tenho certeza mesmo é que estavam aterrorizando as pessoas. E havia gente do poder público que permitir que entrassem e fizessem esse terrorismo. 

Isso tudo caracteriza o quê?

Os crimes de ameaça, o terrorismo desses agentes provocadores, foram de baixo potencial ofensivo. Em termos jurídicos, não daria em nada. Mas existe uma conduta muito grave que é a conduta do agente público que patrocinou a situação.   

Quem é esse agente público?

É a Quitéria (Maria Quitéria de Freitas), diretora de Desenvolvimento Social da prefeitura. Ela é braço direito do secretário da área (João Francisco Sawaya de Lima). 

Ela estava associada aos provocadores?

Eles estavam sob ordem e comando dela. Ela mandou pararem de fazer, de aterrorizar, e eles pararam. Estavam de cochicho com ela, rindo juntos. Falavam como velhos amigos.

Quais as providências jurídicas em relação?

Essa associação do poder público para oprimir pessoas em situação de extrema vulnerabilidade é o cúmulo da crueldade. Passei para o promotor do Ministério Público Estadual as denúncias, o carro em que essas pessoas chegaram, a placa. Aliás, eles não fizeram questão de esconder nada. A investigação do MP está em andamento, mas é sigilosa. Estou cobrando ação.

E providências diretas sobre a Maria Quitéria?

Nos próximos dias, ela vai ser representada no conselho profissional da categoria dela, o CRESS (Conselho Regional de Serviço Social do Estado de São Paulo). Também estamos preparando uma ação civil pública para cobrar respostas do poder público, Estado e município, e vamos instruir esse material. Estamos sistematizando e coletando depoimentos dos abrigados para instruir.Defensor público do Pinheirinho denuncia prefeitura por mentiras e terrorismo contra desabrigados.

No: Rede Brasil Atual