domingo, 29 de abril de 2012

1º de Maio: A Gênese do Peleguismo

viva-1-de-maio“Cada patrão mandou dez funcionários para cá. A gente tem que ficar até o fim (do evento) e levar o comprovante de que veio, para não descontar o dia de trabalho" .

A confidência foi feita por um dos participantes do primeiro congresso do "núcleo sindical" do PSDB, realizado em São Paulo, na última sexta-feira, conforme relato da Folha (28-04). Uma espécie de avant-première do 1º de Maio, o encontro liberou caciques tucanos para o feriadão prolongado com a consciência do dever cumprido.

A lotação proletária foi assegurada pelo engajamento natural das bases: donos de construtoras e empreiteiras que prestam serviços ao Estado convocaram seus trabalhadores à luta, com direito a sanduíche de queijo, suco, biscoito e maçã. Mediante comprovante de comparecimento, a militância teria o dia abonado trocando o saco de cimento pela faiscante oratória tucana.

Cada empresa foi convocada a encaminhar pelos menos dez operários ao meeting.  Serra nem gaguejou ao afirmar aos presentes que a relação do PSDB com sindicatos “não é novidade”; em seguida, pediu apoio à candidatura a prefeito de SP.

"Temos nossa primeira tarefa: mobilizar nossos sindicalistas para a campanha eleitoral deste ano", disse o ex-governador com indisfarçável mal humor diante do rival  Aécio Neves (leia mais aqui : “'Por que Serra está nervoso?”).

Alckmin foi de longe o mais combativo; sapecou um  “companheiros e companheiras” na saudação e arrematou com a frase cuja autenticidade sintetiza a de todo o evento: "O PSDB é um partido que dá prevalência ao trabalho sobre o capital".

No Carta Maior