quarta-feira, 9 de maio de 2012

Dilma se irrita e Febraban se retrata

Federação de bancos desautoriza economista-chefe que ironizou na véspera pressão do governo por crédito maior

dilmaA presidente Dilma Rousseff ficou irritada com a relatório distribuído na última segunda-feira pelo economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Rubens Sardenberg — que colocou em dúvida, com ironia, a eficácia das medidas de estímulo ao crédito. Dilma exigiu, por meio do ministro da Fazenda, Guido Mantega, que a instituição se retratasse publicamente. A nota divulgada na terça-feira pela Febraban desautorizando o relatório reflete o pedido de desculpas. Logo que constatou o mal-estar criado pelo relatório, noticiado na terça-feira pelo GLOBO, o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, ligou para Mantega para tentar contornar a situação. Foi então informado de que, se as críticas tinham sido públicas, a retratação também teria que ser. Mantega deu prazo até o fim da tarde para a Febraban se manifestar.

Na nota, a Febraban desautoriza Sardenberg, afirmando que a análise do boletim não pode “ser interpretada como um posicionamento oficial da entidade ou de seus associados”. Na véspera, Sardenberg afirmara que “alguém já disse que você pode levar um cavalo até a beira do rio, mas não conseguirá obrigá-lo a beber a água”, numa referência à pressão da equipe econômica para a redução dos spreads (diferença entre o que o banco paga para captar dinheiro e o que cobra do cliente) embutidos nos empréstimos e para o aumento do volume de crédito. Procurado na noite de segunda-feira pelo GLOBO, um interlocutor próxima da presidente Dilma rebateu: “você não pode obrigar um cavalo a beber água, mas ele também pode morrer de sede”.

No: O Globo