sábado, 19 de maio de 2012

Igreja Universal se divide com perda de 100 milhões pela Record

Prejuízo projetado para este ano se soma a perdas de R$ 60 milhões em 2011; corrente da Igreja Universal defende fim de gastos com jornalismo e entretenimento para formar grade ainda mais religiosa; diretor artístico Honorilton Gonçalves é contra; de que lado Edir Macedo vai ficar?

A julgar pelas projeções de forte prejuízo financeiro na sua TV Record, as preces por lucro do líder da Igreja Universal, Edir Macedo, ou não estão sendo feitas, ou vêm sendo em vão. Informação da coluna Radar, do jornalista Lauro Jardim, dá conta de que o “bispo” foi comunicado sobre uma perda projetada em R$ 100 milhões para a emissora em 2012. O buraco  é 66% maior que o aberto no ano passado, quando a Record entrou no vermelho em R$ 60 milhões. E isso com a Igreja tendo injetado cerca de R$ 500 milhões por meio da compra de horários noturnos para a transmissão de programas religiosos.

O pagamento de US$ 60 milhões pelo direito de transmitir com exclusividade as Olimpíadas de Londres pesou no resultado negativo da emissora, assim como o envio de cerca de 300 profissionais à capital britânica para a cobertura.

Acredita-se que o prejuízo deve reativar a luta interna existente na Igreja em torno da administração da Record. Uma corrente defende que a emissora assuma uma programação ainda mais religiosa, retrocedendo em relação a programas de entretenimento e cunho jornalístico. Sustentam que os gastos são altos. Essa corrente tende a se fortalecer nesse momento em que, além do prejuízo, a Record amarga uma de suas piores fases em relação à audiência. No horário nobre, a emissora do “bispo” perdeu 12% de audiência em abril comparado com o mesmo período do ano passado.

A manutenção da atual grade de programação é defendida pelo grupo que tem como líder o atual diretor artístico, Honorilton Gonçalves. Para ele, a Record deve continuar investindo numa guerra direta contra a Rede Globo, apesar dos custos a serem enfrentados.

Entre as duas alas, Macedo, agora, tem novos elementos para pensar no que fazer. Mais precisamente,  100 milhões de reais em elementos.

No: Brasil 247