quarta-feira, 30 de maio de 2012

O que falta ser explicado?

O encontro entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro do STF Gilmar Mendes, noticiado na edição desta semana da revista Veja, tem monopolizado a atenção da imprensa nos últimos três dias.

Gilmar-MendesDesde sábado, houve tempo suficiente para que a oposição e entidades como a OAB viessem a público se manifestar contra a suposta tentativa de ingerência do ex-presidente em um assunto do Judiciário. Segundo a semanal, Lula prometeu aliviar a situação de Mendes na CPI se tivesse apoio para adiar o julgamento do mensalão.

Foi tempo suficiente também para que parte da imprensa escrevesse editoriais sobre o choque de versões dos envolvidos – isso apesar de Lula e o ex-ministro Nelson Jobim, o anfitrião do encontro, terem negado com todas as palavras o relato de Veja, e Gilmar Mendes, negado em parte a versão atribuída a ele.

Fato é que, nesses três dias, algumas perguntas ainda não foram respondidas. Até agora ninguém se mostrou capaz de explicar:

- Quem solicitou o encontro e por quê?

- Por que Gilmar Mendes levou mais de um mês para revelar a “pressão” de Lula?

- O que adiantaria Lula pressionar Mendes: ele não comanda mais o Supremo, não é relator ou revisor do processo do chamado mensalão nem é tão querido no tribunal a ponto de influenciar o voto da maioria?

- Por que, diante da tal pressão, Mendes não convocou uma reunião com os demais ministros do Supremo Tribunal Federal para revelar os fatos e exigir providências?

- Por que preferiu se manifestar por meio e tão somente da revista Veja?

- Por que parte da mídia que sempre incensou o ex-ministro Nelson Jobim agora não dá a mínima para os seus desmentidos, que jogam por terra a versão de Mendes?

- O ex-presidente do STF pegou ou não carona no jato de Carlos Cachoeira na volta de Berlim?(Na noite desta terça-feira, Mendes apresentou notas fiscais que, segundo ele, provam que o dinheiro das passagens saiu de seu bolso.

No: CartaCapital