quarta-feira, 13 de junho de 2012

Dilma diz que “quem não investia antes de 2003 agora quer me dar conselho”

No: Rede Brasil Atual

dilmaA presidenta Dilma Rousseff ironizou ontem (12), em Belo Horizonte as sugestões dadas para que o país enfrente o agravamento da crise internacional. Durante cerimônia em referência às obras de um anel rodoviário na capital mineira, Dilma disse que o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sofreu dificuldades devido à perda de uma cultura voltada ao investimento público e à participação do setor privado em infraestrutura.

“Não estamos fazendo uma política de gasto fácil no Brasil. Nós estamos voltados para perseguir o investimento e iremos perseguir o investimento. Não é algo trivial. Aliás, tem várias pessoas que deram para me dar conselho, que não são responsáveis por nenhum investimento antes de 2003”, disse. “Não são. Não são, porque este país não investia. Quando nós começamos a fazer o PAC, a dificuldade para fazer o PAC era enorme, porque não tinha projeto. E por que não tinha projeto? Porque não tinha consultoria, não tinha empresa de consultoria neste país.”

Durante o evento, Dilma voltou a criticar os caminhos adotados pela União Europeia na tentativa de sair da crise. No último sábado (9), a Espanha aceitou acessar um pacote de até 100 bilhões de euros oferecido pelo bloco na tentativa de amenizar os efeitos negativos provocados pelo alto endividamento dos bancos. “Eu queria dizer para vocês que o Brasil tem forças internas para enfrentar essa crise. Ele é diferente dos outros países da Europa que não têm forças internas. Nós estamos muito bem fincados nos nossos próprios pés. Temos política econômica consistente. Nós não temos uma visão que acha que o ajuste é justificável e pode levar a que 54% da população de jovens de um país fique sem emprego. Nós nunca achamos isso. Nós temos uma política de defesa do emprego brasileiro, sim.”

O mercado interno foi novamente apontado pela presidenta como o segredo para que o Brasil não seja afetado de maneira tão profunda pela crise externa. Para ela, o poder de compra da população apresentou um forte crescimento durante o governo Lula e deixou de ser “extremamente restrito”.

Dilma também reafirmou sua crítica ao spread bancário, que é a diferença entre o que os bancos pagam para captar recursos e as taxas de juros que cobram dos clientes. “Além de termos a inflação sob controle, somos um país que fez o seu dever de casa e tem as suas finanças públicas sob controle. Temos uma das menores relações dívida/PIB do país. Então, temos de reduzir o custo do capital”.