sexta-feira, 1 de junho de 2012

A toga, a língua e o caçador de blogs

Republicação do Carta Maior

gilmar_mendesEscudado na proteção republicana da toga, o ministro Gilmar Mendes desnudou uma controversa agenda política pessoal na última semana de maio. Onipresente na obsequiosa passarela da mídia amiga, lacrou seu caminho na 6ª feira declarando-se um caçador de blogs adversários de suas ideias e das ideias de seus amigos. Em preocupante equiparação entre a autoridade da toga e a arbitrariedade da língua, Gilmar decretou serem inimigos das instituições republicanas todos aqueles que contestam os seus malabarismos discursivos, a adequar denúncias a cada 24 horas, num exercício de convencimento à falta de testemunhas e fatos que as comprovem.
A fragilidade desse discurso impele-o agora ao papel de censor a exigir da Procuradoria Geral da República, e do ministro Mantega, que sufoque blogs adversários asfixiando-os com o corte da publicidade oficial. Sobre veículos que tem, entre suas fontes e interlocutores, acusados de integrar quadrilhas, o ministro nada observa em relação à presença da publicidade oficial. Cabe ao governo Dilma dar uma resposta ao autonomeado censor da República.
O ataque da língua togada contra a imprensa crítica não é aleatório. O dispositivo midiático conservador vive em andrajos de credibilidade e pautas. A semana final de maio estava marcada para ser um desses picos de desamparo, na despedida humilhante de seu herói decaído. E de fato o foi: em depoimento no Conselho de Ética do Senado, na 3ª feira, o ex-líder dos demos na Casa, Demóstenes Torres, deixaria gravado no bronze dos falsos savonarolas a lapidar confissão de que um chefe de quadrilha pagava as contas, miúdas, observaria, de seu celular. Mas ele o centurião da moralidade, a direita linha dura assim cortejada pela língua togada e pelo aparato conservador - quem sabe até para voos maiores em 2014 -, não viu nenhum tropeço ético nesse pequeno mimo do crime organizado que arremata todo um perfil.
O fecho de carreira do tribuno goiano contaminaria as manchetes que ele tantas vezes ancorou à direita não fosse a providencial intervenção da língua amiga do ministro do STF, Gilmar Mendes. Na mesma 3ª feira desde as primeiras horas da manhã, lá estava ela cerzida em autoridade togada a falar pelos cotovelos. Diuturnamente, contemplou a orfandade da mídia amiga naquele dia cinzento. A cada qual ofereceu uma frase brinde para erguer a moral da tropa e justificar a manchete com o carimbo “exclusivo” no alto da página. Não se poupou. O magistrado, não raro em destemperados decibéis, esfregou na opinião pública recibos e documentos que comprovariam o pagamento, com recursos próprios – “tenho-os para umas três voltas ao mundo” - de seu giro europeu, em abril de 2011, onde se encontraria com o anjo decaído da linha dura, Demóstenes Torres.
A língua foi peremptória em alguns momentos, na mais pura tradição liberal que a distingue: “Vamos parar com essas suspeitas sobre viagens”, determinou. Para depois admitir envelopada em toga intocável: por duas vezes o dono da língua utilizou carona aérea do amigo Demóstenes; por duas vezes voou sob os auspícios do amigo que não possui veículo aéreo próprio; do amigo que não paga nem as contas de celular. Contas miúdas, diga-se, a revelar uma intimidade ímpar, sustentada pela ubíqua carteira gorda de acusados de integrar o crime organizado goiano.
Gilmar e sua língua estavam determinados a servir de redenção ao dispositivo midiático demotucano num dia tão aziago. Não desapontaram os amigos, ainda que tenham escandalizado parte do país. Ele execrou aqueles, de novo, os blogs e sites críticos - ah, esses sim, bandidos e gangsters que arguiram e ainda arguem as fronteiras da identidade de valores que aproximou o magistrado da agenda política de Demóstenes.
Fez mais ainda: acusou Lula de ser a central de boatos contra ele para “melar o julgamento do mensalão” - como se o ex-presidente Lula não pudesse e não devesse ter opinião sobre fatos relevantes da vida política nacional - prerrogativa que outros ministros de toga serena não contestam e legitimam. O Globo, na linha da frase à la carte, facilitou a manchete pronta para dissolver a terça-feira de cinzas do conservadorismo: “O Brasil não é a Venezuela onde Chávez manda prender juiz”. O Globo retribuiu a gentileza: abriu manchete garrafal em duas linhas no alto da página. Um contrafogo sob medida à humilhante baixa no Senado. Generosa, a língua incansável foi provendo xistes e chutes a emissários de redações sedentas, mas cometeu alguns deslizes na sofreguidão palavrosa de esculpir os fatos a sua imagem e semelhança.
Esqueceu que um pilar de sua versão sobre a sua famosa conversa com Lula - origem de toda celeuma que descambou em ataque à liberdade de imprensa - residia nos pequenos detalhes que fazem a veracidade do bom contador; um deles, o cenário: a cozinha. Teria sido naquele recinto profano do escritório do ex-ministro Nelson Jobim, abrigado de qualquer solenidade e sem a presença do anfitrião, que ocorrera o assédio moral inesperado de um Lula chantageador contra um Gilmar republicano.
Quadro perfeito. Irretocável, exceto pelo fato de não se sustentar nem mesmo no matraquear do interessado. Sim o mesmo Mendes, magistrado acossado por um Lula irreconhecível na cozinha, suprimiu o precioso cenário despido de testemunhas na versão apresentada ao jornal Valor do dia 30-05 quando afirmou literalmente: “Jobim esteve presente durante todo o tempo”. Como? E a cozinha? E a privacidade a dois que lubrificou o assédio?
Evaporou-se na nova versão: Jobim estava presente o tempo todo. Mas por um bom motivo do narrador: desferir no ex-ministro de FHC e ex- presidente do STF uma punhalada em retribuição ao desmentido categórico do anfitrião para seu relato original do episódio à indefectível VEJA. No mesmo Valor, Gilmar insinuaria ainda que Jobim pode tê-lo chantageado ao mencionar um desafeto: Paulo Lacerda. Ex-dirigente da ABIN, Lacerda foi demitido em 2008 depois que Gilmar denunciou uma suposta escuta da PF, nunca comprovada, em seu escritório. Só na 5ª feira o entendimento da investida contra Jobim ficaria completo: Serra, o candidato predileto do conservadorismo, amigo de Gilmar e de outros da mesma cepa, prestou-se à colaborar com Veja; desinteressadamente, claro, a exemplo do que tantas vezes fez desinteressadamente também o colaborador Dadá, araponga de aluguel do esquema Cachoeira. Serra incitou o amigo Jobim a falar com a revista sobre o encontro.
Ao deduzir a trama, Jobim tirou a escada de VEJA e deu o troco: desmentiu Gilmar no Estadão e confirmou a Monica Bergamo, da Folha, o que tantos sabem: Serra não falha; sua biografia de bastidores está, esteve e estará sempre entrelaçada a golpes e denúncias que contemplem a regressividade udenista da qual VEJA constitui a corneta mais atuante e Gilmar - à falta de outros, detidos ou descartados pelas urnas - a nova língua do denuncismo fantasioso.
Diante do maratonismo verbal de Gilmar não sobraria fôlego aos jornais e jornalistas amigos para conceder ao leitor um pequeno espaço de reflexão sobre a momentosa semana final de maio, pausa todavia ainda mais necessária à medida em que versões assentam e as dúvidas emergem em contornos mais nítidos. Ademais da evanescente cozinha do escritório do ex-ministro Nelson Jobim, outros pontos de dissipação merecem retrospecto. Por exemplo:
a) a reportagem publicada por Carta Maior no dia 29-04  “Cachoeira arruma avião para Demóstenes e 'Gilmar” - com aspas por conta da identificação incompleta do ilustre viajante e um dos motivos da fluvial verborragia togada, não tratava de pagamento de voo a Berlim pelo esquema Demóstenes/Cachoeira;
b) o texto, conciso e claro baseado em escutas públicas da PF teve como foco uma “carona aérea” no trecho SP-Brasília, solicitada ao esquema Cachoeira para o dia 25-04 de 2011;
c) as tratativas telefônicas da quadrilha Cachoeira apontam que os passageiros da carona viriam da Alemanha e seriam, respectivamente, Demóstenes e “Gilmar” ;
d) a data da chegada a São Paulo é a mesma do retorno informado pelo próprio Gilmar Mendes em seu rally jornalístico;
e) o horário de chegada do seu voo originário da Alemanha guarda proximidade com aquele informado à quadrilha. Essas as coincidências notáveis. A partir daí os fatos e comprovantes apresentados por Gilmar Mendes desmentem que ele tenha utilizado a dita carona solicitada à quadrilha, fato que Carta Maior noticiou imediatamente após os esclarecimentos do magistrado. O desencontro entre essas evidências e as providencias tomadas pela quadrilha Cachoeira, todavia, autoriza uma indagação que não se dissolve no aluvião verborrágico da semana, a saber: quantos Gilmares havia em Berlim com Demóstenes Torres? E, mais que isso: quem seria o “Gilmar” cuja inclusão na carona, aparentemente desativada, não causou qualquer surpresa a Cachoeira, que nas escutas reage à menção do nome e da presença como algo se não habitual, perfeitamente compatível com a extensão de seus tentáculos e zonas de influência?
Carta Maior reserva-se o direito de continuar praticando um jornalismo crítico e auto-crítico, comprometido única e exclusivamente com a democracia e as aspirações progressistas da sociedade brasileira, abraçadas pela ampla maioria de seus leitores. Isso naturalmente a coloca na margem oposta daqueles que até ontem consideravam Demóstenes Torres, seus valores, agendas, contas de celular e caronas em jatinhos uma referência ética e republicana.
Fiel aos compromissos com o seu leitor Carta Maior cumpre a sua obrigação de manter em pauta algumas perguntas ainda sem resposta satisfatória: quantos gilmares havia em Berlim? Quantos gilmares havia no escritório de Jobim (um na cozinha e um na sala)? Mas, sobretudo, quantas ameaças de fuzilamento da liberdade de expressão, da parte do novo caçador de blogs, serão necessárias para que os partidos democráticos e o governo tomem a iniciativa de desautorizá-lo. Nas palavras e na urgente democratização - transparente, ancorada em critérios isentos - da publicidade oficial, antes que seja tarde?

Postado por Saul Leblon