terça-feira, 24 de julho de 2012

A “campanha nazista” contra Serra na internet

NÃO É A MILITÂNCIA PETISTA NA INTERNET QUE NÃO GOSTA DO CANDIDATO TUCANO. É O INTERNAUTA. E ISSO NÃO QUER DIZER MUITO EM TERMOS ELEITORAIS
Por: Paulo Nogueira, no Brasil 247 

Nazismo na militância do PT na internet?

Serra cometeu um exagero. O que existe, essencialmente, é uma antipatia dos internautas por Serra. Não especificamente por ele, mas por tudo o que represente o sistema, o estabelecimento, a ordem tradicional.

Serra se enquadra aí.

O internauta é apenas um pedaço da sociedade. Mas o que lhe falta em quantidade sobra em “qualidade”. Ele é a vanguarda: está duas curvas adiante da manada. Você pode ver hoje, pelo internauta, o que a média dos brasileiros vai pensar e vai fazer amanhã. Ele antecipa as tendências. É o clássico formador de opinião.

Muitas vezes ele dá sustos. A Globo provavelmente foi surpreendida pelo vigor de uma campanha no twitter contra Galvão Bueno na Copa de 2010. É difícil imaginar que em qualquer pesquisa da Globo houvesse sido registrada uma aversão tamanha a Galvão – até porque, se a empresa tivesse ciência disso, ele não teria sido escalado para narrar a Copa.

A maior parte dos telespectadores gostava, ou gosta, de Galvão. Mas aquela fração do twitter era e é a parte mais exigente e influente entre os telespectadores. A minoria do twitter que mandava Galvão calar a boca fatalmente se transformaria em maioria.

O internauta desconfia do que não pertence à internet. No universo da mídia, isso torna especialmente complicada a travessia das grandes empresas rumo ao futuro digital. O internauta desconfia delas. Prefere o Wikileaks, ou o Huffington Post. Acredita mais neles do que no conteúdo das grandes corporações, nas quais enxergam “interesses inconfessáveis”, ou coisa que o valha.

Não é a militância petista na internet que não gosta de Serra. É o internauta. Isso não quer dizer muito em termos eleitorais. A eleição para prefeito de São Paulo não vai ser decidida na internet. Mas a mensagem é clara: a parcela mais ativa, mais informada e mais conectada da sociedade – os internautas – não vai com a cara de Serra.