quinta-feira, 19 de julho de 2012

Desaparece delegado envolvido com Cachoeira

No: Brasil 247 

Hylo Marques Pereira foi visto pela última vez no dia 14 perto do aeroporto de Goiânia; desde então, ele não atende mais aos telefonemas da família; sua caminhonete ficou estacionada em um hotel; filha acha sumiço estranho e pede na Justiça acesso a câmeras de segurança

get_imgFlagrado nos grampos da Operação Monte Carlo, o delegado da Polícia Civil de Goiás Hylo Marques Pereira está desaparecido desde o dia 14 de julho, data em que falou por telefone com a família pela última vez. Hylo foi visto pela última vez na sexta-feira (13), próximo a um hotel nas imediações do aeroporto de Goiânia. Sua caminhonete, uma Toyota Hilux, permanece estacionada no local e tem sobre o volante um bilhete que seria do delegado.

A mensagem diz o seguinte: “Viagem São Paulo. Pertence ao delegado Hylo Marques”, seguido de dois números de telefone. O bilhete seria do próprio Hylo e a família confirma a caligrafia. Uma filha do desaparecido, porém, acha estranho o fato de o pai viajar sem avisar e não atender ao celular. “Ele nunca fez isso. Tudo bem. Vai para São Paulo. Ele tem uma irmã que mora lá. Porque ele não ligou para ela até agora? Ele não é de sair. Se sai, avisa a gente”, questiona a filha, que não se identificou.

A família tenta agora na Justiça autorização para ter acesso aos vídeos das câmeras de segurança do hotel e do aeroporto de Goiânia. A Polícia Civil informou que, sem o registro formal da ocorrência, não tem como abrir uma investigação sobre o sumiço do delegado.

CPI da Assembleia

Hylo Marques prestou depoimento à CPI da Assembleia Legislativa de Goiás que investiga ligação de políticos e autoridades públicas com o contraventor Carlinhos Cachoeira no dia 3 de julho. Ele admitiu conhecer o bicheiro desde 1991, pois são da mesma cidade, Anápolis. Disse que sabia das atividades de Cachoeira, mas afirmou que não tinha ligação com ele e que não tinha apelido de “Bigodinho”, conforme é citado em gravações. “Esse foi um apelido dado por eles”, afirmou à comissão.

Hylo Marques declarou que também conhece Lenine desde 2009, mas também não tinha ligação com o integrante do grupo de Cachoeira. Segundo o delegado, seu conhecimento com o contador do empresário da contravenção aconteceu porque Lenine transitava pela cidade de Águas Lindas, onde era o delegado titular. Hylo confirmou que esteve na sede da empresa Delta em Goiânia. Segundo ele, o objetivo era encontrar o empresário Carlinhos Cachoeira, para negociar a implantação de um empreendimento imobiliário em lote de sua propriedade na cidade de Águas Lindas.

O delegado explicou que a retirada de máquinas de jogos de azar da delegacia de Águas Lindas, conforme mostra gravação da Polícia Federal (PF), foi realizada por ordem da Justiça. Segundo ele, as máquinas foram levadas para a Ação Social da prefeitura do município. No depoimento, Hylo afirmou ser proprietário de uma fazenda de 107 alqueires no município de Pilar de Goiás, mas esta não se encontra registrada em seu nome. As terras teriam sido adquiridas com dinheiro obtido por meio de trabalho realizado em garimpo. Ele diz também ser sócio-proprietário de uma pedreira na cidade de Caldas Novas.

Marques afirma ainda que Cachoeira nunca lhe pediu nada e nunca recebeu dinheiro do empresário da contravenção. Ele nega também que tenha patrimônio avaliado em R$ 5 milhões, conforme consta em antiga declaração de Imposto de Renda da década de 1990, quando foi candidato a prefeito do município de Campos Verdes.

Leia também:

Extermínio de animais pela prefeitura de Serra/ES