sexta-feira, 20 de julho de 2012

Nico Fidenco/A Casa D'Irene

Mais uma da série saudades…

“Os dias cinzas
são as longas estradas silenciosas
de uma cidadezinha deserta
e sem céu.
A casa de Irene se canta, se ri
tem gente que vem, tem gente que vai.
A casa de Irene garrafas de vinho
a casa de Irene esta noite se vai. Dias sem amanha e o desejo de ti. São aqueles dias
que parecem feitos de pedra.
Nada mais que um muro
com cacos de garrafa em cima .
A casa de Irene se canta, se ri
tem gente que vem, tem gente que vai.
A casa de Irene garrafas de vinho
a casa de Irene esta noite se vai.
E tu estás na casa de Irene
e quando me vês tu corres até mim
me olhas nos olhos, me pegas a mão
e em silencio me levas contigo.
A casa de Irene se canta, se ri
tem gente que vem, tem gente que vai.
A casa de Irene garrafas de vinho
a casa de Irene esta noite se vai. Dias sem amanhã e o desejo de ti.
Nos dias cinzas eu sei onde encontrar-te
os dias cinzas me levam a ti
a casa de Irene
a casa de Irene.
A casa de Irene se canta, se ri
tem gente que vem, tem gente que vai.
A casa de Irene garrafas de vinho
a casa de Irene esta noite se vai.
A casa de Irene se canta, se ri
tem gente que vem, tem gente que vai.
A casa de Irene garrafas de vinho
a casa de Irene esta noite se vai.
A casa de Irene se canta, se ri
tem gente que vem, tem gente que vai.
A casa de Irene garrafas de vinho....”
http://www.vagalume.com.br/nico-fidenco/a-casa-direne-traducao.html#ixzz21CGxZbHR