quinta-feira, 26 de julho de 2012

Sacolinhas: Vitória e Serra acompanham Vila Velha

Por: Eliseu 

sacolaVila Velha, na Região Metropolitana de Vitória reage e sai na frente contra o abuso dos supermercados – amparado pelo legislativo – e sancionou lei que proíbe supermercados de cobrarem por sacolinhas.

De acordo com o portal G1/ES, Neucimar Fraga, prefeito de Vila Velha, sancionou a lei que proíbe os supermercados da cidade de cobrar pelas sacolas plásticas, na tarde desta quarta-feira (25). A lei obriga os estabelecimentos a comprar sacolas recicláveis e distribuí-las gratuitamente. Segundo a prefeitura do município, a lei será publicada nesta quinta-feira (26) no Diário Oficial e já entra em vigor no mesmo dia. Atualmente, os supermercados cobram 19 centavos pelas sacolas ecologicamente corretas.

O prefeito da cidade, Neucimar Fraga, disse que atendeu uma demanda da população. “Eu só vou atender a reivindicação da população que já adquiriu esse direito em supermercados e mercearias há muitos anos, de comprar a mercadoria e levar embalado. Amanhã,a lei já começa a vigorar ”, explicou.

Assim como em Vila Velha, a polêmica das sacolas plásticas pode estar perto do fim nos municípios de Vitória e Serra. Pelo menos é o que pretendem dois vereadores que criaram projetos de lei para que a distribuição volte a ser feita gratuitamente.

Em Vitória, o projeto pode ser votado já na próxima quarta-feira (1º), caso os vereadores aprovem o pedido de urgência. “Acho que é uma discussão importante diminuir resíduos sólidos. Mas essa decisão está atingindo somente o consumidor. Não é errado eliminar, mas já começou penalizando o consumidor”, disse o autor do projeto, o vereador Fabrício Gandini.

Para o vereador, a venda das sacolas não representa um ponto positivo para a questão ambiental. “Foi uma ação isolada que não beneficia a discussão ambiental, pelo contrário, está atrapalhando porque a população fica contra. Dá a entender que está privilegiando um grupo empresarial. A insatisfação é muito grande pela forma como foi feita. Não foi feita nenhuma discussão para a proibição, foi uma decisão entre o MP e os empresários”, concluiu.

Já na Câmara Municipal da Serra, também região Metropolitana de Vitória, os nobres vereadores sentindo o peso da opinião pública, resolveu seguir Vila Velha e Vitória e já existe um projeto sobre o mesmo assunto que pode ser votado também na próxima quarta-feira, em regime de urgência especial. Para o autor do projeto, outras medidas poderiam ter sido pensadas para beneficiar o meio ambiente, mas se prejudicar o consumidor.

“A votação desse projeto segue a questão da representatividade popular. Essa questão já faz parte da nossa cultura e não se muda uma coisa dessas da noite por dia, é um retrocesso. Se pensou muito no meio ambiente, mas não se pensou na população. Mesmo quando se pensa no meio ambiente, existe a divergência porque o fato de suspender não é o que vai resolver. Não vejo essas sacolas como problema. Acabando com as sacolas de supermercado, como os resíduos vão ser acondicionados? Será que as pessoas vão comprar as sacolas específicas para armazenar lixo? A sacola não vira lixo. Ela é reutilizada, a destinação final dela acaba sendo o aterro sanitário”, disse o vereador Aldair Xavier.

Como já havia adiantado aqui neste blog, os principais interessados na proibição das sacolinha não ficaram nada satisfeitos e o presidente da Associação Capixaba de Supermercadistas (Acaps), João Carlos Devens, disse que “ficou surpreso” com o resultado da votação e informou que vai acionar o Ministério Público e definir o que será feito. Devens também afirmou que não será possível aos estabelecimentos dar conta da demanda pelas sacolas se a lei entrar em vigor imediatamente. “Hoje, compramos apenas 7%. Não vai ter sacola para todo mundo – as indústrias exigem de 30 a 60 dias para entregar o produto”, foi o fraco argumento do empresário que pensa que toda população é completamente idiota e alienada. Devens também afirmou que vai recorrer assim que a lei for publicada no Diário Oficial.

Mas em ano eleitoral, os políticos ficam bastante “sensíveis” aos apelos da população. É uma pena que não seja assim durante todo o mandato. Mas com o advento da popularização da internet, as opções de informações estão mais acessíveis e cada vez mais veículos de comunicação independentes, chamados de mídia alternativa, e nós os “blogueiros sujos”, apelido que nos foi atribuído pelo tucano José Serra nas eleições de 2010 e que muito nos honra, estamos podendo levar informações confiáveis à população. Afinal somos “sujos”, ou seja, escrevemos a verdade. O que para o PSDB é um grande defeito.