sexta-feira, 17 de agosto de 2012

No ES ladrão vigia ladrão

A Raposa administrava o Galinheiro, e bem. Vez ou outra, comia uma galinha, às vezes duas. Depois, limpava tudo... Até que houve uma dia em que a Raposa abusou da comilança, foi além das medidas. O Dono do Galinheiro revolveu colocar um Cachorro enorme dentro do Galinheiro para vigiar a Raposa… Retirado no Guarujá de Fato

Por: Eliseu

raposa_galinheiroA palavra corrupção já dá nojo pelo que significa (depravação, suborno, alteração e sedução conforme o dicionário Aurélio) e também por ser tão citada nos meios de comunicação. Mas infelizmente parece que ainda vamos utilizá-la por muito tempo aqui no Brasil.

No Espírito Santo um curioso fato de corrupção seria de rir, não fosse trágico e o nosso dinheiro não estivesse indo para o “ralo”, ou melhor, para o bolso ou bolsa da ladra que deveria vigiar ladrões.

De acordo com reportagem da Gazeta Online em sua edição de hoje, a diretora presidente do Instituto de Atendimento Sócio-Educativo do Espírito Santo  (Iases), Silvana Galina, foi presa na manhã desta sexta-feira, por um esquema de corrupção implantado dentro do Iases, órgão que deveria cuidar dos bandidos com menos de 18 anos, que no Brasil são chamados menores infratores. Ao todo a polícia cumpre 16 mandados de prisão no Estado. O Tribunal de Justiça confirmou ainda a prisão de Gerardo Mondragon, diretor de Associação Capixaba de Desenvolvimento e Inclusão Social (Acadis), que faz a gestão compartilhada com o Iases do sistema prisional dos bandidos mirins adolescentes em conflito com a lei.

A Polícia também cumpriu um mandado de busca e apreensão na casa do deputado Josias da Vitória (PDT), (partido do prefeito de Serra, Sérgio Vidigal) e da irmã dele, em Colatina. Documentos também foram recolhidos na empresa Grupo Capixaba de Vigilância e Segurança, que pertence a irmã do deputado.

Acadis

A Associação Capixaba de Desenvolvimento e Inclusão Social (Acadis) iniciou as atividades no Estado em 2009 por intermédio de um contrato de gestão compartilhada com o Instituto de Atendimento Sócio-Educativo do Espírito Santo (Iases), nas unidades de atendimento ao adolescente em conflito com a lei de Cariacica (CSE), localizado em Tucum, e de Linhares.
A Acadis é dirigida por Gerardo Mondragón, autor do Modelo Pedagógico Contextualizado (MPC) que é utilizado nas unidades para atendimento aos adolescentes em cumprimento de medida de internação. O modelo prega uma série de etapas no processo de ressocialização dos adolescentes, em trabalhos que envolvem as famílias, até a liberdade assistida.

É isso aí. Como os bandidos mirins menores em conflito com a lei podem ser ressocializados se a tal ressocialização é aplicada por bandidos cujo único diferencial é que são mais experientes, usam gravatas finas e roupas de grife, luxuosos carrões importados? E tudo isso às nossas custas.

É mais ou menos a fábula da raposa vigiando o galinheiro!