sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Delegado do ES é massacrado pela mídia

Senador tucano Aécio Neves é parado bêbado em blitz e imprensa logo “esquece”. Delegado toma uma lata de cerveja e é massacrado pela mesma imprensa

Por: Eliseu

luiz_pazetoAo contrário do que aconteceu com o senador tucano Aécio Neves (PSDB/MG) que foi flagrado completamente bêbado por uma blitz da lei seca no Rio de Janeiro, que o PIG soltou algumas “notinhas” e logo esqueceu do caso, agora, aqui no Espírito Santo, o mesmo PIG com seus longos tentáculos (G1/ES, Gazeta Online, TV Gazeta e outros) age de forma diferente, dando uma tremenda repercussão a um caso menos grave e de menor importância.

O delegado da Polícia Civil do Espírito Santo José Luiz Pimentel Pazeto, titular da Delegacia de Jucutuquara, em Vitória, teve a infeliz ideia de tomar uma latinha de cerveja e continuar dirigindo seu veículo particular e foi parado em uma blitz. O delegado não se identificou como policial, portanto não tendo tentado usar de sua condição profissional para se safar, e mesmo errado usou um direito constitucional à qualquer cidadão de não ser obrigado a produzir prova contra si e se recusou a soprar o bafômetro.

Errado estava o delegado, que reconheceu seu erro e já anunciou em entrevistas que não deve servir de exemplo a ninguém. “'Eu não estava embriagado, mas me recusei a fazer o teste para não ser conduzido a delegacia e não ter o carro apreendido. Eu errei em ter bebido uma única lata de cerveja que não deveria ter feito e, por isso, não devo servir de exemplo para ninguém, pois sei que álcool e direção não combinam”, disse o delegado.

O que não dá para entender, é porque tamanha exposição na mídia, quando casos mais graves como o do delegado aposentado que deu “carteirada” num agente de trânsito, o da garota que desacatou policiais e fumou uma nota de R$ 50,00 e vários outros não tiveram tanta repercussão.

Talvez esse delegado incomode alguns “tubarões” da nossa podre elite! E que fique claro que esse blogueiro sequer conhece o delegado em questão.

Leia também:

Sérgio Vidigal: O prefeito que não é!