domingo, 9 de setembro de 2012

FHC entra na campanha de Serra como coveiro

DEPOIS DE PROMETER GRAVAR MENSAGEM PARA AJUDAR O CANDIDATO TUCANO NA ELEIÇÃO NA CAPITAL PAULISTA, EX-PRESIDENTE ADMITE CANSAÇO DO ELEITOR COM O CICLO DE PODER DO PSDB EM SÃO PAULO E FALA EM “FADIGA DE MATERIAL”; ISSO É APOIO?
No: Brasil 247 

A relação entre Fernando Henrique Cardoso e José Serra sempre foi esquizofrênica. Uma amizade, no mínimo, estranha. Nos oito anos em que presidiu o Brasil, FHC jamais entregou a Serra o comando da economia – ao contrário, delegou a gestão macroeconômica a economistas que viam, em Serra, um adversário. Quando Serra se impôs como candidato tucano em 2002, a história que corre nos meios políticos dá conta de que o ex-presidente, no íntimo, torceu por Lula, para que a entrega da faixa a um operário (que poderia ser breve na presidência) abrilhantasse sua biografia.

Pois FHC e Serra estão novamente juntos. O ex-presidente prometeu gravar mensagens em apoio ao candidato tucano, que caiu de 31% a 21% no Datafolha, em duas pesquisas, e corre o risco de ficar fora do segundo turno. Nesse cenário crítico, o que FHC tem a dizer aos eleitores? Que há uma “fadiga de material” no cenário político paulista e que há ainda um “cansaço do eleitorado com a predominância do PSDB por muito tempo” (leia mais aqui). Os tucanos estão há 18 anos no Palácio dos Bandeirantes, desde a eleição de Mario Covas, e há oito dominam a prefeitura, com a gestão Serra-Kassab.

Ao diagnosticar o cansaço do eleitor, FHC talvez tenha vislumbrado o fim de um ciclo, que começaria já agora com a queda de uma cidadela, a prefeitura, e se completaria em 2012, com a perda do Palácio dos Bandeirantes. Se isso é apoio, trata-se daquela ajuda bem ao estilo FHC – que contribui mais para a derrota do que para uma eventual arrancada de Serra nas pesquisas. No fundo, FHC entrou na campanha de Serra mais como coveiro do que como cabo eleitoral.