sábado, 15 de setembro de 2012

Saúde Pública às moscas

Enquanto pacientes são operados no Hospital São Lucas em Vitória, moscas sobrevoam o campo operatório

Por: Eliseu

hospital_sao_lucasDesde sempre, todos os dias vemos notícias sobre o péssimo serviço da saúde pública prestado (ou que deveria ser) à sofrida população brasileira. São pessoas morrendo na porta de hospitais, amontoadas em corredores imundos, denúncia de falta de medicamentos em hospitais, falta de pessoal e todo tipo de ladainha, com as autoridades sempre justificando e nada fazendo para resolver a situação.

Não é exagero dizer que a Saúde Pública está literalmente às moscas. Uma situação gravíssima foi denunciada pelo neurocirurgião Paulo Roberto Paiva, sobre a situação do Hospital São Lucas em Vitória. O hospital é referência em traumas, e atende grande parte do estado pacientes oriundos de acidente.

O Dr. Paulo ficou revoltado com a estrutura do hospital e resolveu relatar sua indignação na internet. No seu perfil do facebook, ele disse que até mosca foi vista dentro de uma sala de cirurgia. “A saúde está um caos. O Hospital São Lucas estava insuportável. A sala de emergência, lotada, e o Samu trazendo mais pacientes graves a cada minuto. É o verdadeiro rascunho do inferno”, desabafou.

dr_paulo_roberto_paiva“Imaginem o pessoal do Samu atendendo um paciente acidentado em estado grave, de moto ou automóvel, entubam e ressuscitam o paciente e resolvem levar para o São Lucas. Lá, se deparam com um congestionamento de macas, tentando entrar no hospital. Imagine o desespero desses profissionais. O negócio está insuportável”. Disse o médico.

Outro problema grave relatado é o centro cirúrgico cheio de moscas e mosquitos. “Além dos mosquitos, passaram a aparecer moscas. É um absurdo. Isso me levou ao desabafo. Na segunda-feira (10), fiz uma cirurgia de crânio e essas moscas ficaram sobrevoando o campo operatório. A enfermeira ficava abanando enquanto eu operava”, disse.

Tão ou mais revoltante do que a falta de respeito com atendimento, foi a justificativa (como se houvesse) do secretário de estado da Saúde, Tadeu Marino ao dizer que o bairro é infestado por moscas, e que o prédio é dedetizado quatro a cinco vezes por ano. “Uma hora ou outra, isso pode acontecer, mas nós já pedimos para a direção que justificasse a reclamação do colega médico”, respondeu Marino.

Será que se um parente do secretário estivesse sendo submetido à uma cirurgia nessas condições a resposta seria essa? Ou quem sabe em vez de ficar tentando justificar o injustificável, não fosse melhor o Secretário de Saúde trabalhar e acabar com a infestação de insetos no bairro e tomar providências para que em hipótese alguma moscas entrem no centro cirúrgico? Afinal é uma das atribuições da área de saúde!

E infelizmente é uma situação que se repete em todo Brasil, em todos os níveis, tanto Federal, quanto neste caso Estadual, e Municipal, como acontece aqui na nossa cidade, Serra, Região Metropolitana de Vitória, que apesar de ser a quarta cidade que mais cresce no Brasil, sequer tem medicamentos da cesta básica do SUS, e o descaso reina absoluto em todas áreas na gestão do “doutor” Sérgio Vidigal, que supostamente apesar de ser médico, conseguiu o título de pior prefeito na Saúde do País.