sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Caso Valério: quem foi a fonte de Veja?

Está muito estranho as datas e não datas destes depoimentos, entrevistas e fax. Procurando entre as várias reportagens sobre o assunto que saíram nesta quinta-feira (1°) pode-se fazer uma colagem interessante e verificar que realmente; “existe algo de podre no Reino da Vejalândia.”

 

Por: Alberto Porém Júnior*, no Vermelho 

revista-vejaRevista Veja: Entrevista “bomba” saiu em 15 de Setembro de 2012, no sábado e já se tinha notícia da tal desde dia 13 de Setembro (blogs falam muito...).

Site Terra afirma com clareza que o fax para o STF foi enviado em 22 de Setembro de 2012, Sábado seguinte a entrevista "bomba", ou seja uma semana após.

Fausto Macedo de O Estadão hoje traz sobre o depoimento sigiloso e encontramos diversas contradições justamente neste texto. Vamos lá:

1- Fausto diz “(...) prestou depoimento ao Ministério Público Federal no fim de setembro(...)”

2- fausto diz a seguir: “(...) Dias depois do novo depoimento, Valério formalizou o pedido para sua inclusão no programa de testemunhas enviando um fax ao Supremo Tribunal Federal (...)”

Fica a questão: Se Marcos Valério mandou o fax depois do depoimento, o que todos os sites concordam, ele não poderia ter dado seu depoimento “no fim de Setembro” e sim antes do dia 22 de Setembro que convenhamos não é o fim, era uma semana antes.

Em outro texto do jornal Estadão temos mais lenha para esta fogueira de datas: “No dia 22 de setembro, pouco depois de ter prestado o novo depoimento ao Ministério Público, um fax subscrito por Marcelo Leonardo, advogado de Valério, foi enviado ao Supremo com pedido para que o empresário pudesse dar detalhes sobre o que havia dito em troca de ser incluído no programa de proteção à testemunha. O fax de Valério também fazia referência à possibilidade da delação premiada.”

Finalmente a revista Veja publica também hoje um texto a respeito do assunto e diz: “Em sua edição desta semana, VEJA revela que Marcos Valério, o operador do mensalão, informou ao Supremo Tribunal Federal (STF), por meio de um fax enviado à Corte em 22 de setembro, seu desejo de prestar novas declarações ao tribunal sobre o esquema,(...), O fax foi encaminhado ao Ministério Público (MP) pelo presidente do STF, Carlos Ayres Britto. Pouco depois, Valério prestou novo depoimento ao MP(...)”.

Quantos depoimentos deu Marcos Valério ao MPF afinal?

Neste mesmo texto ainda há algo intrigante:

“Investigadores ouvidos pela publicação disseram que Valério informou o MP a respeito de outras remessas feitas ao exterior durante a vigência do esquema de corrupção, além das julgadas pelo Supremo. No julgamento do mensalão, a Corte analisou vários pagamentos feitos a Duda Mendonça no exterior, e acabou absolvendo o publicitário. A íntegra do depoimento de Valério é mantida sob sigilo. Ao informar à Procuradoria já ter sido ameaçado de morte, o operador do mensalão citou o caso do assassinato de Celso Daniel, ex-prefeito de Santo André, em São Paulo.
Semanas antes do depoimento, VEJA publicara em reportagem um resumo dos segredos do mensalão até então guardados por Valério”

Ficam as perguntas:

Que investigadores são estes que falam a Veja de depoimentos sob sigilo?  “Semanas antes do depoimento(...)”, quem está mentindo pois se o fax foi dia 22 de setembro e a reportagem saiu dia 15 de setembro ( sabia-se antes dia 13 sobre a mesma) o período é de menos de uma semana entre reportagem “bomba” e fax para o STF e no meio disto tem o depoimento ao MPF e a briga intestina do advogado com a revista logo após a reportagem “bomba”.

Fica muito evidente que se a entrevista “bomba” saiu logo após o depoimento de Marcos Valério ao MPF se isto ocorreu a fonte de Veja será o MPF e ai...

Finalizando, a data do depoimento é fundamental para sabermos se o MPF é ou não a fonte de Veja.

*Alberto Porém Júnior é jornalista.