terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Moradias assistidas são opção para dar continuidade à recuperação de usuários de crack

No: Correio do Brasil 

Tratamento ambulatorial e moradias assistidas devem ser usadas pelo Estado como ferramentas para dar continuidade à recuperação de dependentes de crack após um período de internação, segundo especialistas ouvidos pela agência britânica de notícias BBC. O governo de São Paulo lançou um mecanismo médico e jurídico para agilizar internações forçadas para dependentes de crack no Estado. A iniciativa começou a funcionar na segunda-feira em um centro especializado próximo à Cracolândia, no centro da capital.

Segundo o psiquiatra Ronaldo Laranjeira, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), em geral, as internações motivadas por dependência do crack não devem superar um período superior a dois meses. Depois disso, segundo o médico, o paciente deve ser levado para a casa de um familiar e submetido a um tratamento ambulatorial  frequentando clínicas ou centros médicos especializados regularmente.

Porém, grande parte dos frequentadores da Cracolândia não só perderam seus empregos e família, como por vezes não possuem vínculos familiares fortes o bastante para tornar essa realidade possível. Laranjeira afirmou que uma alternativa para o governo nesses casos é enviar os viciados em recuperação para as chamadas moradias assistidas. Tratam-se de alojamentos onde o dependente de drogas recebe, além do teto, apoio para conseguir um emprego e recomeçar sua vida.

No exterior essas moradias são conhecidas como “halfway houses”, (casas a meio caminho, em português) e têm como característica oferecer também um monitoramento do processo de desintoxicação. Segundo Rosangela Elias, responsável pelo setor de tratamento de dependentes químicos da Secretaria de Saúde do Estado, São Paulo tem atualmente cerca de 300 vagas em moradias assistidas e residências terapêuticas estaduais e municipais.

Segundo o psiquiatra Antonio Geraldo da Silva, presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, independente de onde os dependentes em recuperação estiverem instalados, o governo precisa estudar medidas para obrigá-los a frequentar semanalmente as clínicas especializadas.

Melhorias

O psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, também da Unifesp, afirmou que é necessário melhorar a qualidade do atendimento em parte da rede de clínicas de tratamento ambulatorial conhecidas como Capsad (Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas). Segundo ele, embora algumas sejam exemplares, outras ainda precisam melhorar. Já Silva foi mais longe, afirmando que falta especialização na rede pública de atendimento médico em geral no Brasil.

“Não há treinamento específico direcionado e capacitado para isso (tratamento de dependentes químicos). São raras as ilhas de exceção, precisamos de treinamento especializadíssimo, pois é um processo de alta complexidade”, disse.

Metodologias

Todos os especialistas ouvidos pela BBC  concordam que deve haver um planejamento específico para o tratamento dos viciados em crack. Eles divergem porém sobre a metodologia a ser adotada. Silveira, que é contrário à internação (exceto em casos específicos, como o de pessoas que corram risco de cometer suicídio ou sofram alucinações), disse que independente da forma de tratamento, as taxas de recuperação atualmente são muito baixas.

“Os melhores serviços do mundo têm taxas de eficácia de 35% a 40%, no máximo”, disse. Segundo ele, o tratamento ambulatorial deve promover a abstinência total das drogas em um primeiro momento. Contudo, se o dependente não conseguir se desligar totalmente do entorpecente, uma abordagem de “redução de danos” deve ser empregada.

Isso significa que ele pode começar a diminuir aos poucos a quantidade de entorpecente utilizada e eventualmente substituí-la por outra substância tóxica, porém um pouco menos danosa que o crack. Silveira estudou um grupo de 50 usuários de crack. A característica específica deles era o fato de afirmarem não ser capazes de lidar com a compulsão gerada pela abstinência da droga.

Todos afirmavam porém que quando usavam um cigarro de maconha conseguiam deixar de fumar o crack momentaneamente. Silveira passou então a endossar esse comportamento (sem prescrever entorpecentes, certamente). “Foi um acompanhamento de um ano ao todo: 68% deles abandonou crack em três meses. Depois de seis meses esse grupo abandonou também a maconha”, disse.

Já Silva afirmou que a abordagem de redução de danos não é recomendada pela Associação Brasileira de Psiquiatria. O que todos os especialistas concordam porém é que o tratamento pode ser multidisciplinar. Ou seja, pode ser acompanhado de atividades esportivas e religiosas. Mas eles dizem que a fé não pode substituir o tratamento clínico dos pacientes, o que ocorreria em algumas comunidades terapêuticas ligadas a religiões.