quarta-feira, 1 de maio de 2013

Fim do O Carcará?

“Só sei que nada sei, …” – Sócrates

Por: Eliseu 

A nossa existência é algo verdadeiramente surpreendente. Ora nos surpreende positivamente, ora negativamente, e às vezes com surpresas brutais, violentas mesmo. Embora saibamos que desde o momento da fecundação caminhamos inexoravelmente rumo ao fim, à morte, nunca queremos aceitá-la. Sempre há a pergunta: por que ele (ou ela)? Porque agora, não alguns anos pela frente? Principalmente quando é uma pessoa nova, aparentemente saudável, sem sintomas de alguma doença.

Pois bem, foi o que aconteceu com esse blogueiro, editor do O Carcará. Quando tive oportunidade de me dedicar à fazer o que gosto, procurar contribuir com o pouco conhecimento de vida que possuo alertando pessoas através do blog, (que já era um projeto pessoal de vida) sobre maus políticos (quase todos), denunciar sem receio de represálias dos “poderosos” as mazelas do país e principalmente da cidade que resido, podendo ver in loco e registrar os abusos contra o cidadão, vem a surpresa. Desagradável surpresa. Violenta!

Em 19 de dezembro do ano passado, a vida (será vida mesmo?) me arrancou de forma inesperada e brutal minha esposa. Um casamento com seus problemas e felicidades, que já durava 33 anos. Mais da metade de minha existência.

Durante o curto período de sua doença (quando começou a parecer que algo estava errado), obviamente que deixei O Carcará em segundo plano e fui cuidar dela, o que apesar de minha insignificância consegui fazer muito bem, contando com a ajuda de uma renomada médica do estado que atua exatamente na área, e que considera esse blogueiro como amigo. Nem ela, com toda a sua sabedoria científica, humana e boa vontade conseguiu evitar o pior. Ela se foi…

ludzmarE com a ida dela um pedaço de mim também morreu. Recebi muita tentativa de conforto por parte de familiares e amigos, grande parte deles dizendo que foi Deus que quis assim. Pode ser que seja, mas será que Deus quer mesmo a morte? O sofrimento das pessoas? Ou será que existe mesmo Deus?

Fato é que o que já não estava bom no blog, piorou com a morte dela. Passados mais de quatro meses e depois de algumas interrupções nas postagens, utilizar postagens de terceiros, alguns pedidos de desculpas aos leitores, chequei à conclusão que não tenho condições de levar esse blog adiante. Não agora, e não sei se terei algum dia condições para tal.

Após muita hesitação, é com grande tristeza que resolvi escrever comunicando aos leitores e colaboradores (meu cumpadi Prof. Diógenes, mestre em língua portuguesa e editor do blog Terra Brasilis, Antônio Carlos, mestre em geografia e na vida, editor do blog Carlos – Professor de Geografia, o genial Bessinha, chargista de primeira) que me prestigiaram e me deram a honra de lerem o que publiquei e também publicaram em meu blog nestes dois anos e meio, para dizer que não tenho condições de continuar mantendo o blog. Não por motivos financeiros. Na verdade nunca auferi lucros com divulgação de publicidade (quando entrava algum dinheiro, mal dava para pagar o acesso à internet) e nem tive e nem quis ter patrocínio de político. Aliás o meu ideal nunca foi de ganhar dinheiro com o blog, mas como já citei antes, informar e denunciar os políticos safados que pululam Brasil afora.

Mais uma vez agradeço a todos. Leitores e colaboradores. Se algum dia, não sei se com uma semana ou alguns anos conseguir superar um pouco a lancinante dor pela perca da Ludzmar e ver que tenho condições de voltar a fazer um trabalho sério e independente como sempre fiz, estarei de volta. Caso não consiga, sinto muito por mim mesmo.

O blog continuará aqui, neste mesmo endereço pelo menos até março do ano que vem. Estará à disposição para leitura de antigos artigos, pesquisas… Reforço que não reivindico direitos autorais, e as postagens são livres para republicação.

Abraços,

Eliseu.