sábado, 6 de julho de 2013

Ex-prefeito ataca deputado com arma indígena

dilmardalbosco346Por rivalidade política, o ex-prefeito de Juara, a 690 quilômetros de Cuiabá, Oscar Bezerra, agrediu o deputado estadual Dilmar Dal Bosco na madrugada deste sábado (6), véspera da eleição suplementar do município. Com uma borduna, arma artesanal indígena, ele partiu para cima do parlamentar, que apoia o concorrente do candidato que ele defende nas urnas, por conta de supostas ameaças que Dilmar teria feito ao irmão dele, ainda durante a madrugada.

A Polícia Militar da cidade informou que o ex-prefeito foi autuado em flagrante por lesão corporal após desferiu um golpe que feriu a mão do deputado. Segundo o tenente da PM, André Dias, cabos eleitorais dos candidatos, Oscar e Dilmar estariam 'fiscalizando' para verificar se os concorrentes não estavam comprando voto a um dia do pleito. Nisso, a polícia recebeu uma denúncia de que o deputado teria ameaçado o irmão do ex-prefeito com uma arma de fogo.

Porém, a denúncia foi averiguada e não foi encontrada nenhuma arma com ele e nem no veículo em que ele estava. Durante a revista, Oscar apareceu no local e já chegou efetuando golpes contra o parlamentar, que se defendeu e teve somente um ferimento na mão, pois o policial que atendia a ocorrência conseguiu conter o ex-prefeito e tomar a borduna das mãos dele. Dilmar foi encaminhado para um hospital da cidade para atendimento médico, porém, foi liberado logo depois, já que o ferimento não foi grave. Já Oscar foi levado para Delegacia de Polícia Civil.

borduna300x400Foram registrados dois boletins de ocorrência. Um do irmão de Oscar contra o parlamentar por ameaça e outro de Dilmar contra o ex-prefeito. Oscar foi liberado logo depois de ser feito o boletim de ocorrência e deve responder por lesão corporal. Segundo a polícia, não foi comprovado a compra de votos por parte do grupo que apoia um dos cinco candidatos ao pleito, deste domingo (7).

Ao G1 Oscar admitiu ter atacado o adversário político porque teria se revoltado ao saber das supostas ameaças contra o irmão. “Ele tirou a arma para o meu irmão e quando meu irmão ligou contando saí correndo de casa e fui para lá. Encontrei ele sendo revistado pela polícia e mandei uma borduna nele. Ele vem de fora, numa cidade que nunca veio e acha que pode mostrar arma para os outros”, afirmou, ao frisar que não se arrependeu da agressão.

Ele contou ter ganhado a borduna de presente na semana passada e, por isso, a arma estava no carro dele. Alegou que a intenção não seria matar o deputado. “Se fosse para matar, teria batido na cabeça. Era para ensinar esses mal educados. Se mexer com a minha família, apanha”, enfatizou.

G1