quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Tucanos são os deputados que mais gastam no ES

Por: Eliseu 

tucano_roubalheiraMais uma vez os tucanos saem na frente. Na frente da gastança – para não dizer roubalheira - com o dinheiro do suado contribuinte.

Quem leu o livro “A Privataria Tucana” do Jornalista Amaury Ribeiro Jr., que diga-se é todo fundamentado em documentos oficiais verá que o relato a seguir é “fichinha”. Talvez sequer merecesse ser mencionado. Mas roubo é roubo.

Até mesmo o PIG, com seus poderosos tentáculos não está conseguindo esconder as falcatruas do tucanato e seus agregados. De acordo com um de seus tentáculos sediado no Espírito Santo, o G1/ES (não coloco link do PIG), os dez deputados federais do estado gastaram um montante próximo a R$ 1 milhão em cotas de gabinete no primeiro semestre do ano.

No alto da lista está o tucano César Colnago com um total de R$140,957,14. Camilo Cola, dono da Viação Itapemirim e deputado pelo PMDB - e envolvido em denúncias devidamente “abafadas” de trabalho escravo em pelo menos uma de suas fazendas - foi quem menos utilizou da verba, com um gasto de R$ 7.506,35. Somado todo o valor, nossos não muito nobres e desonestos deputados gastaram a ninharia de R$ 963.964,76. Os valores foram levantados pelo G1 no Portal da Transparência da Câmara dos Deputados, em Brasília.

O portal de notícias diz que em nota, a assessoria de Colnago explicou que boa parte da verba foi utilizada com a locação de dois veículos, um em Vitória e outro em Brasília. Além disso, houve despesa com produção e impressão do jornal de prestação de contas do mandato. “De R$ 336.692,04 relativo à verba indenizatória, foram gastos R$ 140.957,14. Durante o ano haverá uma economia em torno de R$ 56 mil do montante previsto. No ano anterior, foram realizadas despesas semelhantes e economizados para os cofres públicos aproximadamente o mesmo valor”, comunicou.

Além do salário de R$ 26 mil, cada parlamentar do estado tem direito a um valor mensal de R$ 31.621,61, para gastar. O valor também é conhecido como “cotão”, e está previsto no Ato da Mesa nº 43 de 2009. A verba é destinada à manutenção dos escritórios estaduais dos deputados e cobrem despesas como manutenção de diretórios estaduais, aluguel, locação de veículo, divulgação de mandato, passagens aéreas entre outros gastos.

Ainda de acordo com o G1/ES, depois do deputado César Colnago, vem o deputado Carlos Mannato (PDT), que somou um gasto de R$ 138.845,18 nos seis primeiros meses do ano. De perto, na terceira colocação aparece Paulo Foletto (PSB), que consumiu R$ 134.612,35 no período. Já a petista Iriny Lopes distancia um pouco e aparece na quarta colocação com R$ 114.622,77. Em seguida vem o peemedebista Lelo Coimbra, com R$ 105.663,65. Em sexto, ficou a deputada Sueli Vidigal, que utilizou R$ 101.655,65. Rose de Freitas, também do PMDB, utilizou-se de R$ 87.562,48, como apontado pela Transparência da casa.

Como se vê, exceto a petista gastadora, todos os outros são “farinha do mesmo saco”. É necessário maior atenção quando formos usar aquela “bendita” urna eletrônica, que dizem, é a prova de fraudes.

Acredite quem quiser!