domingo, 29 de dezembro de 2013

2013, o ano em que a direita tentou voltar às ruas

O auge dos protestos populares, em junho, teve manifestações de uma direita sem rumo e sem programa. Logo ela foi superada pelo movimento popular sob a hegemonia de partidos e organizações populares que acuaram a direita. Ao propor cinco pactos de mudanças, a presidenta Dilma Rousseff retomou as rédeas da política.

Por José Carlos Ruy*, no Vermelho

fhc_direita_ruas_manifestações_protestpsTalvez a marca de 2013 tenha sido a de que este foi o ano em que a direita tentou ganhar as ruas. Em junho, no embalo dos protestos contra o aumento das passagens de ônibus promovidos pelo Movimento Passe Livre em todas as capitais e grandes cidades, e da repressão violenta da PM contra o autêntico levante popular que ocorreu naquele mês, a direita tentou insuflar o movimento e dar a ele uma orientação anti-Dilma, anti-governos democráticos e populares.

O que se assistiu foi uma inflexão à direita, tentada, sobretudo a partir do dia 17 de junho. Naquele dia ocorreu o auge da repressão promovida pela PM em São Paulo. A partir de então, a televisão e a mídia patronal tudo fizeram para influir no movimento e dar a ele um caráter oposicionista de direita.

A direita teve um sucesso relativo e momentâneo, e uma medida disso pode ser vista nos índices de aprovação da presidenta Dilma Rousseff. Em março ela tinha 63% de ótimo e bom, mostrou uma pesquisa de opinião para aquele mês. Caiu para 57% em junho, antes dos protestos. Chegou ao patamar mais baixo em julho, com 31% mas, nas pesquisas seguintes voltou a recuperar a aprovação popular e termina o ano com 43% em dezembro.

As manifestações de junho revelaram a complexidade da luta de classes no Brasil. Sua face mais visível, mais propagada pela mídia conservadora, foi um indefinido protesto contra tudo. A direita não foi capaz de unificar sua ação em torno de um programa claro e a classe média que foi às ruas estava claramente desorientada e sem programa. Daí a dispersão de suas palavras de ordem. A marca maior de sua ação foi a rejeição à política e aos partidos. Na outra ponta do espectro estavam o movimento popular, com bandeiras claras e definidas, e interlocutores conhecidos, como os partidos de esquerda (e o PCdoB, sobretudo), as centrais sindicais, a UNE, a UJS e outras entidades do movimento popular.

Era, para usar uma imagem paulistana, os Jardins (bairros nobres da classe média alta) contra Santo Amaro e a Zona Leste, habitados por trabalhadores. Teve papel significativo, neste contexto, a clara convocação feita pelo presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, à militância, para “ocupar as ruas”. Na edição de 20 de junho da rádio Vermelho, ele chamava a militância comunista para não “sair das ruas, precisamos ampliar as conquistas e bandeiras como reforma política, da mídia, do judiciário, bem como os 10% do PIB para a educação, são bandeiras que precisamos conquistar”, disse, animando a militância comunista a ampliar sua presença nas manifestações.

A direita não suportou o embate e logo “cansou”, abandonou as ruas, que continuou ainda por algum tempo ocupada pelos black blocs cuja aprovação popular desabou ao longo ao ano, chegando a meros 6,7% em São Paulo, no mês de novembro, mostrou pesquisa do CNT.

As manifestações provocaram uma movimentação política imediata. Logo no dia 24 de junho, em reunião com governadores, prefeitos e representantes do Movimento Passe Livre, a presidenta Dilma Rousseff propôs cinco pactos para melhorar o Brasil. Eles envolvem a saúde, educação, transporte, responsabilidade fiscal e reforma política, sobre a qual chegou a propor a realização de um plebiscito. A presidenta inverteu a agenda política e, quando todos a imaginavam acuada, passou à iniciativa de forma ousada.
“O povo está agora nas ruas, dizendo que deseja que as mudanças continuem, que elas se ampliem, que elas ocorram ainda mais rápido. Ele está nos dizendo que quer mais cidadania, quer uma cidadania plena. As ruas estão nos dizendo que o país quer serviços públicos de qualidade, quer mecanismos mais eficientes de combate à corrupção que assegurem o bom uso do dinheiro público, quer uma representação política permeável à sociedade onde, como já disse antes, o cidadão e não o poder econômico esteja em primeiro lugar”, disse a presidente.

Do outro lado do espectro político, a direita e a oposição tentaram, em vão, capitalizar o descontentamento de parte daqueles que foram às ruas em junho. O PSDB continuou em suas tentativas de conseguir voltar ao Palácio do Planalto, agora postulando a candidatura do mineiro Aécio Neves, que não consegue decolar nas pesquisas de opinião pública.

Talvez a tentativa de organização do Rede Sustentável, o partido de Marina Silva, tenha sido o movimento mais visível da oposição em capitalizar a voz das ruas. Mas igualmente em vão. Sem conseguir cumprir as exigências legais para o reconhecimento do partido, não obteve o registro legal no prazo que o habilitasse a apresentar uma candidatura presidencial em 2014 - a candidatura de Marina Silva. Numa decisão solitária de sua líder, o Rede juntou-se ao PSB do governador Eduardo Campos (PE).

De qualquer maneira, o cenário de dificuldades para a direita e para a oposição permaneceu, como revelam as pesquisas de opinião que mostram Dilma como favorita para a eleição presidencial de 2014. O Datafolha mostrou, no final de novembro, o favoritismo da presidenta que tinha, naquela sondagem, 47% das intenções de voto, contra 19% para Aécio Neves (PSDB) e 11% para Eduardo Campos (PSB).

Faltam 10 meses para outubro e até lá muita coisa pode mudar. Mas é preciso registrar que a ofensiva da direita ao longo de 2013 não foi capaz de erodir as preferências dos brasileiros pelas mudanças, e elas são representadas hoje pela candidatura de Dilma Rousseff.

*José Carlos Ruy é jornalista, membro do Comitê Central do PCdoB e editor do Jornal A Classe Operária