terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Com ou sem Marina, é Dilma no 1º turno

Pesquisa CNT/DMA, divulgada nesta terça-feira, aponta vantagem de 20 pontos percentuais entre a presidenta e candidaturas do PSDB e do PSB

Por: Diego Sartorato, no Rede Brasil Atual 

dilma_marina_primeiroturnoPesquisa divulgada na manhã de hoje (18) pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT), em parceria com o instituto MDA, confirma o favoritismo da presidenta Dilma Rousseff (PT) contra os principais adversários de sua reeleição. Segundo o levantamento, realizado entre os dias 9 e 14 com 2 mil eleitores, Dilma venceria no primeiro turno em todos os cenários avaliados.

Na disputa contra o senador mineiro Aécio Neves (PSDB) e o governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), Dilma registra 43,7% das intenções de voto, ante 17% do tucano e 9,9% do candidato socialista. A oposição tem melhor desempenho quando a ex-senadora Marina Silva é a candidata do PSB, mas sem alteração significativa no quadro geral: nesse cenário, Dilma tem 40,7% das intenções de voto, ante 20,6% de Marina e 15,1% de Aécio. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

O resultado demonstra variação dentro da margem de erro em relação à pesquisa anterior, divulgada em novembro de 2013. À época, Dilma tinha 43,5% das intenções de votos no primeiro turno; Aécio, 19,3%, e Campos, 9,5%. A sondagem ocorreu logo após a filiação da ex-senadora Marina Silva ao PSB e não a projetou como candidata.

Leve piora

A avaliação positiva do governo de Dilma oscilou para baixo no levantamento da CNT/MDA. Hoje, 36,4% dos brasileiros se dizem satisfeitos com o governo, ante 39% em novembro passado. Já a avaliação negativa passou de 22,7% para 24,8%, enquanto a avaliação regular oscilou de 37,7% para 37,9%.

O levantamento foi realizado após a repressão judicial e policial aos rolezinhos em diversos estados, e durante protestos de rua organizados contra a realização da Copa do Mundo e do investimento do governo nas obras relativas ao evento, também reprimidos pelas polícias militares de São Paulo e Rio de Janeiro.

Diferente dos protestos do ano passado, no entanto, os conflitos entre manifestantes e agentes do poder público nas ruas ainda não impactou a popularidade de governantes da mesma forma que em 2013, quando a avaliação do governo Dilma caiu 27 pontos em um mês, enquanto o governador Geraldo Alckmin (PSDB) perdeu 14 pontos percentuais de aprovação.