quinta-feira, 27 de março de 2014

O sonho não morreu

Depois de muita luta, a democracia chegou, mas ainda é incapaz de produzir justiça social, afirma o vereador Gilberto Natalini

Por: *Gilberto Natalini, no CartaCapital 

ditadura_golpeEu tinha 12 anos quando o golpe derrubou o presidente João Goulart. Era estudante, cursava o ginásio, interessado em filosofia, ciências e política. A ditadura foi um susto grande para mim, minha família e amigos.

Vivia em torno de um grupo de pessoas lideradas por um tio. José Lira Madeira era ativista político, do PCB, e comandava em Macaé (RJ) apoio ao governo Jango. Foi lá que aprendi minhas primeiras noções sobre socialismo. Tive meus primeiros sentimentos de indignação contra as injustiças sociais, os primeiros atos de militância política. Meu tio esteve preso várias vezes. Amigos dele também. Generino, um camponês, foi caçado em Macaé como um animal.

Os anos se passaram, o regime militar se consolidou, os movimentos sociais se reorganizaram. E eu, cada vez mais, coloquei-me no campo da oposição aos golpistas.

Aos 16 anos, no final de 1968, cheguei a São Paulo para estudar Medicina. Veio a bordoada do AI-5. Foi a gota d’água. Aprovado na Escola Paulista de Medicina, entrei na universidade disposto a atuar, firmemente, para ajudar na reconquista da democracia.

Tempos difíceis. Clima de terror. Com cuidado, passei a buscar pessoas que pensavam como eu. Formamos um grupo que não escondia opiniões políticas de contestação ao regime militar. Alunos antigos e professores sofreram perseguições e prisões. O caso mais emblemático foi o do diretor da Escola Paulista de Medicina, professor Marcos Lindeberg.

Demos peso à nossa atuação. Fizemos contatos com outras escolas de Medicina. No primeiro encontro das escolas de Medicina, com presença pequena de participantes, agentes do Dops tomaram conta do lugar.

Fomos adiante com o jornal mural das escolas médicas, chamado Articulação. Retomamos o Centro Acadêmico (que nunca virou diretório, por resistência) da Escola Paulista de Medicina e editamos o jornal O Barretinho.

Em 1972, fui preso pela Operação Bandeirantes/Doi-Codi, com mais dez colegas de turma. Sete foram soltos. Ficamos presos Paulo Horta, Walter Nascimento e eu, acusados de ligações com o Movimento de Libertação Popular, o Molipo.

Eu era independente, apesar de manter contato com todos os grupos de oposição ao regime, clandestinos ou não, defensores da luta armada ou não. Recolhíamos dinheiro e remédios, e ajudávamos na área médica, por solidariedade. Na prisão, sob o comando do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, fomos torturados. Como sequela, sofro com a surdez parcial.

Além do Ustra, lembro-me dos torturadores capitão Ubirajara, JC, Jacó, capitão Albernáz e doutor José, entre tantos outros.

Estavam presos conosco Vieira, Pedro Rocha, Moacir Longo, Márcia Amaral, o sobrinho do dom Paulo Evaristo Arns, Egberto, João Chile, Eládio e Paulo de Tarso Venceslau.

Depois de um tempo no Dops, na cadeia do delegado Sérgio Paranhos Fleury, fomos soltos. Sobrevivi!

Voltamos à Escola Paulista de Medicina e, com a generosidade de professores liberais como Oswaldo Ramos, Spork, Duílio, Milton, Bobrow e Gebara, estudamos muito, fizemos segunda época e passamos para o quarto ano.

Estávamos cada vez mais engajados na luta pela redemocratização do Brasil. Fui preso 17 vezes durante o regime militar.

Em 1976, organizamos um grupo e fomos atender voluntariamente no Cangaíba, na zona leste de São Paulo, onde até hoje atendo no ambulatório da Igreja Bom Jesus do Cangaíba, com Henrique Francé e Nacime Mansur. Lá, conscientizamos a população em torno da luta por saúde pública e qualidade de vida.

Nesse grupo estavam Júlio César, Paulo Mourão, Daniel Klotzel, Walter Feldman, Paulo Horta, Walter Nascimento, Zé Eduardo, Sueli Lourenço, Francé, Nacime e vários outros.

Atuamos na luta contra a carestia, pela Anistia e a Constituinte livre e soberana. Apoiamos movimentos de operários por salário e liberdade sindical. Fui diretor do Sindicato dos Médicos em três gestões.

De 1976 a 1986, militei no PC do B. Boa parte do nosso grupo de médicos e líderes populares seguiu o mesmo caminho. Atuávamos publicamente no MDB, que se tornou a frente política contra a ditadura.

Com a Anistia, voltaram os exilados. Prestes, Brizola, João Amazonas, Arraes, Serra e tantos outros. Em 1982, Montoro conquistou o governo de São Paulo. Em seguida, começou a articulação pelas Diretas-Já.

Eu vivia às turras com os órgãos de informação e a polícia do regime militar. Fui preso várias vezes no período, inclusive pelo Dops sob o comando de Romeu Tuma, por seis vezes.

Caí de cabeça na mobilização pelas Diretas-Já. Tancredo Neves ganhou no Colégio Eleitoral, com o apoio de todos nós. A ditadura entregou o poder a Sarney, que esteve com eles durante todo o tempo. O país avançou rumo à Constituinte.

Minha luta continua até hoje. A nossa democracia, depois de tantas batalhas, ainda não produziu justiça social e respeito ao dinheiro público, princípios pétreos de ética e da moralidade.

Em meu quarto mandato como vereador de São Paulo, presido a Comissão Municipal da Verdade Vladimir Herzog, voltada para o resgate da nossa memória.

Passamos a limpo a história da ditadura. Precisamos nos lembrar para não repetir. Construir o presente e semear um futuro melhor.

Os meus sonhos nos idos de 1964 continuam comigo até hoje. Não temos espírito de vingança. Não vamos fazer com eles o que fizeram com a gente.

*Gilberto Natalini, médico, vereador pelo PV de São Paulo e presidente da Comissão Municipal da Verdade Vladimir Herzog. Seu depoimento é parte de uma série de artigos para o especial Ecos da Ditadura, sobre os 50 anos do golpe militar

quarta-feira, 26 de março de 2014

O Brasil que a ditadura nos roubou

Por: Cynara Menezes | Socialista Morena/CartaCapital 

Abrindo a semana de REmemoração dos 50 anos do golpe militar, republico este post sobre um filme muito importante. Todos que querem saber a verdadeira história do que aconteceu em 1964 no Brasil devem assisti-lo.

***

odiaRevolta. Tristeza. Náusea. É o mínimo que se pode dizer da sensação que causa no espectador o documentário O Dia Que Durou 21 Anos, de Camilo Tavares. Revolta e tristeza por constatar que, com o golpe, nos roubaram um projeto de país, um futuro. Náusea por conhecer mais a fundo o papel que os Estados Unidos tiveram na derrubada de João Goulart, muito além da teoria da conspiração e da paranoia.

Camilo é filho do jornalista Flávio Tavares, um dos presos trocados pelo embaixador norte-americano Charles Elbrick, sequestrado pelos guerrilheiros da ALN (Ação Libertadora Nacional) e MR-8 em 1969. Sua principal façanha como diretor foi a obtenção de documentos e áudios inéditos que comprovam a participação ativa dos EUA no golpe militar durante o governo John Kennedy e, depois de seu assassinato, com Lyndon Johnson no poder. Particularmente nauseante é a intervenção do embaixador americano no Brasil, Lincoln Gordon, e seu cinismo ao reconhecer oficialmente o governo militar no dia seguinte ao golpe.

Além de tramar, espionar e conspirar para derrubar o presidente de outro país, algo inadmissível para um “diplomata”, Gordon é o responsável pela crença, disseminada até hoje pelas carpideiras da ditadura, de que Jango pretendia transformar o Brasil em Cuba, em um país comunista. Uma mentira histórica tão absurda quanto chamar os guerrilheiros de “terroristas”, como insiste a direita fascista brasileira, incapaz de discernir terrorismo de Estado de reação cívica à ditadura. Propositalmente, para enganar jovens com pouca leitura e desinteressados em conhecer a verdade.

A certa altura do documentário, o líder do PTB então, deputado Bocayuva Cunha, esclarece com todas as letras: “Revolução comunista só existe na cabeça e na estupidez de certa elite brasileira”. O que Jango queria era transformar o País, e tinha apoio popular para isso. Suas reformas de base incluíam a reforma bancária, fiscal, administrativa, educacional e agrária. Jango defendia ainda medidas nacionalistas, que desataram a ira dos EUA, histéricos por proteger os lucrativos negócios de suas empresas no Brasil. A intenção de realizar uma profunda reforma agrária, por sua vez, descontentou os grandes donos de terras. Os mesmos ruralistas que hoje em dia volta e meia se associam aos líderes evangélicos no Congresso em defesa de bandeiras arcaicas e anti-democráticas. Gentalha da pior espécie.

O que seria do Brasil se Jango pudesse ter feito suas reformas de base? Se, já naquela época, a questão da terra tivesse sido resolvida, com o fim dos latifúndios? Se a educação tivesse dado um salto qualitativo? Seríamos a republiqueta de bananas em que o golpe nos transformou durante 21 anos, a mais longa ditadura militar da América Latina? Teríamos os problemas educacionais e de terra que ainda temos hoje? Nosso povo continuaria a ser manipulado por políticos, religiosos pilantras e pela mídia apenas por não ter estudado como deveria? Nosso ensino público teria sido sucateado para que gerações inteiras fossem impedidas de pensar?

Na sessão de cinema em que estive (deveriam colocá-lo em cartaz de novo agora), o filme de Camilo Tavares foi aplaudido ao final. Merece mesmo aplausos. E lágrimas. E raiva. E saudade do que não fomos.

O documentário está na íntegra no youtube

terça-feira, 25 de março de 2014

Aprovado Marco Civil da Internet

Texto manteve “neutralidade” e desobrigou guarda de dados no Brasil. Prioritário para o Planalto, projeto seguirá agora para análise do Senado.

Nathalia Passarinho e Felipe NériDo, no G1

apoiadoresmarcocivilinterneApós meses de intensas negociações, a Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (25), por votação simbólica, a criação do Marco Civil da Internet, projeto considerado uma espécie de constituição da rede mundial de computadores. Após concessões do governo em pontos antes considerados "cruciais" pelo Planalto, partidos aliados e da oposição retiraram todas as 12 propostas de alteração ao texto que haviam sido apresentadas em plenário.

Até o PMDB, maior crítico ao relatório do deputado Alessandro Molon (PT-RJ), cedeu e se absteve de defender quaisquer modificações na redação. A proposta, que estabelece direitos e deveres de usuários e provedores de rede, seguirá agora para análise no Senado antes de ir à sanção presidencial.

Considerado “prioridade” pelo governo, o Marco Civil da Internet impedia a deliberação de outros projetos de lei no plenário desde outubro do ano passado, já que tramitava em regime de urgência.

Um dos pilares do projeto, a neutralidade de rede, sofreu algumas alterações no texto, mas foi mantido. Por esse princípio, os provedores não podem ofertar conexões diferenciadas, por exemplo, para acesso somente a e-mails, vídeos ou redes sociais. O principal entrave estava na regulamentação do princípio pelo Poder Executivo, principalmente em relação às exceções à norma.

O texto original previa que a neutralidade fosse regulamentada por meio de decreto presidencial. Partidos da oposição e da base aliada, sobretudo o PMDB, temiam que assim o presidente da República fizesse alterações significativas sem ouvir o Congresso. Para obter acordo, Molon especificou que o tema seria regulamentado "para fiel execução desta lei", sem autonomia para grande modificação por parte do presidente.

O objetivo é destacar que a regulamentação serve exclusivamente para viabilizar a aplicação da Lei do Marco Civil da Internet. Além disso, o relator incluiu ainda a obrigatoriedade de o presidente ouvir a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e o Comitê Gestor da Internet (CGI) antes de formular o decreto.

De acordo com o relator do texto, as exceções servirão para garantir prioridade a "serviços de emergência" e a qualidade de algumas transmissões, como vídeos ao vivo. Assim, a transmissão de e-mails, por exemplo, pode ter menor prioridade no tráfego de dados em prol de outros serviços.

Críticos da neutralidade dizem que o princípio restringe a liberdade dos provedores para oferecer conexões diferenciadas conforme demandas específicas de clientes e que sua aplicação obrigatória pode encarecer o serviço para todos indistintamente. A proposta não impede a oferta de pacotes com velocidade diferenciada.

Armazenamento de dados e privacidade
Para viabilizar a aprovação da proposta, o governo também abriu mão do armazenamento no Brasil de dados de usuários brasileiros, com a instalação de data centers no país de empresas de internet, como o Google e o Facebook.

A medida tinha o objetivo de garantir a privacidade dos internautas e de dados do próprio governo brasileiro diante das denúncias de que os Estados Unidos teriam espionado comunicações da presidente Dilma Rousseff com ministros e assessores.

No entanto, parlamentares da base aliada se opunham à proposta argumentando que a exigência iria encarecer o acesso na internet. Para obter acordo, o relator da proposta, Alessandro Molon (PT-RJ), retirou esse trecho do projeto, com o aval do Planalto, mas reforçou que empresas internacionais precisam respeitar a legislação brasileira no tocante a transmissões de rede ocorridas no país.

"Em qualquer operação de coleta, armazenamento, guarda e tratamento de registros, dados pessoais ou de comunicações por provedores de conexão e de aplicações de internet em que pelo menos um desses atos ocorram em território nacional, deverá ser obrigatoriamente respeitada a legislação brasileira, os direitos à privacidade, à proteção dos dados pessoais e ao sigilo das comunicações privadas e dos registros", diz artigo do projeto do Marco Civil.
Liberdade de expressão e retirada de conteúdo
O texto também adota a liberdade de expressão como um de seus pilares. Assim, provedores de conexão à web e aplicações na internet não serão responsabilizados pelo uso que os internautas fizerem da rede e por publicações feitas por terceiros. Conteúdos publicados pelos usuários só serão retirados, obrigatoriamente, após ordem judicial.

As entidades que oferecem conteúdo e aplicações serão responsabilizadas por danos gerados por terceiros apenas se não acatarem a ordem judicial. O objetivo da norma, segundo Molon, é fortalecer a liberdade de expressão na web e acabar com o que chama de “censura privada”.

O trecho era alvo de polêmica, sobretudo entre parlamentares do PMDB. Para o partido, esse artigo ajuda os provedores, mas prejudicará pessoas que eventualmente se sintam constrangidas por algum conteúdo publicado que seja evidentemente ilegal. Apesar de se opor a essa regra, o PMDB decidiu apoiar o texto de Molon.

Fim do marketing dirigido
Pelo texto aprovado, as empresas de acesso não poderão "espiar" o conteúdo das informações trocadas pelos usuários na rede. Há interesse em fazer isso com fins comerciais, como para publicidade, nos moldes do que Facebook e Google fazem para enviar anúncios aos seus usuários de acordo com as mensagens que trocam.

Essas normas não permitirão, por exemplo, a formação de bases de clientes para marketing dirigido, segundo Molon. Será proibido monitorar, filtrar, analisar ou fiscalizar o conteúdo dos pacotes, salvo em hipóteses previstas por lei.

O sigilo das comunicações dos usuários da internet não pode ser violado. Provedores de acesso à internet serão obrigados a guardar os registros das horas de acesso e do fim da conexão dos usuários pelo prazo de seis meses, mas isso deve ser feito em ambiente controlado. A responsabilidade por esse controle não deverá ser delegada a outras empresas.
Não fica autorizado o registro das páginas e do conteúdo acessado pelo internauta. A coleta, o uso e o armazenamento de dados pessoais pelas empresas só poderão ocorrer desde que especificados nos contratos e caso não sejam vedados pela legislação.

Barbosa celebra pai de Huck, que advoga no STF

Blog que denunciou sonegação da Globo aponta agora que presidente do STF manteve em sigilo absoluto inquérito 2424, derivado do chamado mensalão, que investiga empresa Tom Brasil por receber R$ 2,5 milhões de Marcos Valério. Os documentos envolveriam Felipe Barbosa que, antes de ir trabalhar na TV Globo com Luciano Huck, era assessor de imprensa da casa de shows Vivo Rio. “Quem autorizou este pagamento foi Cláudio de Castro Vasconcelos, gerente-executivo de Propaganda e Marketing do Banco do Brasil, desde o governo FHC. Estranhamente não foi denunciado na AP-470 junto com Henrique Pizzolato”, afirma o site

No: Brasil 247

images-a-73-a73a83d50e56b444d49de9b763c08d927b2b47b7O presidente do Supremo Tribunal Federal provou que não mede esforços para conduzir a carreira do filho Felipe Barbosa. No início de junho, ele voou com verbas da Corte para o Rio de Janeiro para assistir a uma partida de futebol no Maracanã como convidado do camarote do apresentador da Globo Luciano Huck e de sua esposa Angélica. Dias depois foi revelado que Huck seria o novo patrão de Felipe Barbosa no programa Caldeirão do Huck.

As gentilezas e troca de favores com a família Huck não pararam por ai. Barbosa participou da gravação de um vídeo em homenagem ao aniversário do pai do apresentador, o advogado Hermes Huck. O problema: Hermes advoga junto ao STF e já teve um caso relatado por Barbosa (Leia aqui).

Mas segundo o blog O Cafezinho, o presidente do STF pode ter ido muito além para proteger seu filho, inclusive esconder um laudo de um inquérito que corria na Justiça. Leia a informação do site:

Joaquim Barbosa escondeu laudo que envolvia seu filho

Enviado por Miguel do Rosário

Empresa investigada por receber R$ 2,5 milhões de Marcos Valério contratou filho de Joaquim Barbosa

por Helena Sthephanowitz, Na Rede Brasil Atual.

Se Barbosa é relator da ação que envolve Valério, não deveria ter mais atenção a este tema?

O grupo Tom Brasil contratou Felipe Barbosa, filho do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, para assessor de Imprensa na casa de shows Vivo Rio, em 2010. Até poucos dias atrás, antes de ele ir trabalhar na TV Globo com Luciano Huck, Felipe ainda era funcionário da Tom Brasil.

Nada demais, não fosse um forte inconveniente: a Tom Brasil é investigada no inquérito 2474/STF, derivado do chamado “mensalão”, e o relator é seu pai Joaquim Barbosa. Este inquérito, aberto para investigar fontes de financiamento do chamado “mensalão”, identificou pagamento da DNA propaganda, de Marcos Valério, para a Casa Tom Brasil, com recursos da Visanet, no valor de R$ 2,5 milhões. E quem autorizou este pagamento foi Cláudio de Castro Vasconcelos, gerente-executivo de Propaganda e Marketing do Banco do Brasil, desde o governo FHC. Estranhamente não foi denunciado na AP-470 (chamado “mensalão”) junto com Henrique Pizzolato.

Outra curiosidade é que um dos sócios do grupo Tom Brasil, Gladston Tedesco, foi indiciado na Operação Satiagraha, sob a acusação de evasão de divisas como cotista do Opportunity Fund no exterior, situação vedada a residentes no Brasil. Ele negou ao jornal Folha de S. Paulo que tenha feito aplicações no referido fundo.

Tedesco foi diretor da Eletropaulo quando era estatal em governos tucanos, e respondeu (ou responde) a processo por improbidade administrativa movida pelo Ministério Público.

Pode ser só que o mundo seja pequeno, e tudo não passe de coincidência, ou seja lobismo de empresários que cortejam o poder, embora o ministro Joaquim Barbosa deveria ter se atentado para essa coincidência inconveniente, dada a sua dedicação ao inquérito.

Entretanto, não custa lembrar que se o ministro, em vez de juiz, fosse um quadro de partido político, o quanto essa relação poderia lhe causar complicações para provar sua inocência, caso enfrentasse um juiz como ele, que tratou fatos dúbios como se fossem certezas absolutas na Ação Penal 470. Também é bom lembrar que o ministro Joaquim Barbosa já declarou que não tem pressa para julgar o mensalão tucano, no qual Marcos Valério é acusado de repassar grandes somas em dinheiro para a campanha eleitoral dos tucanos Eduardo Azeredo e Aécio Neves.

PS O Cafezinho: Barbosa manteve-se o inquérito 2424 em sigilo absoluto. Neste inquérito, constavam documentos que podiam inocentar vários réus da Ação Penal 470. Os documentos também envolviam, conforme denúncia da Rede Brasil Atual, o seu próprio filho, que trabalhou numa empresa investigada por receber R$ 2,5 milhões de Marcos Valério. Tudo muito estranho. Ainda iremos escrever um bocado sobre isto. Aguardem.

segunda-feira, 24 de março de 2014

Um apavorante susto

Militares histéricos nos caçavam. Lutamos capoeristicamente: mudávamos até a linguagem das peças. Até que nos pegaram

Por: *José Celso Martinez Corrêa, no CartaCpaital

ditaduraFoi um susto!

Do dia 31 de março ao dia 1º de abril, começamos a ser Caçados.

Caçadores Fardados alardeavam pelas Mídias – rádios, tevês, jornais:

– CAÇA AOS COMUNISTAS! CAÇA AOS SUBVERSIVOS!

Senti, 
sentimos, 
um apavorante susto!

Este mesmo susto senti eu quando vi,

em pleno Carnaval de 2014,

um soldado da PM de máscara e corpo inteiro,

não pro carnaval de Dionísios, mas pra COPA!

A PM fantasiada de ROBOCOP!!!!!!

O Poder do Estado pretendendo proibir o uso de máscaras nas manifestações,

ao mesmo tempo em que apresentam a ROBOCOPA a nós, desmascarados, desarmados ?!

É uma DECLARAÇÃO DE GUERRA?

Cassados os direitos humanos de manifestação,

estamos diante de ROBÔS que poderão até nos matar.

Como nós, corpos sujeitos da vida e da história, seres livres vivos, vamos contracenar com esta estranha entidade – pessoa tanque de guerra de ficção científica?

Nos anos 50, início dos 60, o Teat(r)o Oficina e eu tivemos a felicidade de viver e crescer nos afirmando como animais indomáveis de Teat(r)o, contracenando com uma multidão botando fé nas reformas de base, plugadas nos artistas criadores da Bossa Nova, do Cinema Novo, da Radio Nacional, os Concretistas – Nova Figuração, Sambistas, Estudantes Estudiosos.

SUICIDIO LIBERTADOR

Eu estava no Colégio Estadual de Araraquara, em uma aula nem me lembro de quê, quando de repente as pessoas corriam entre salas de aula clamando os Evoés de Trágédia, que depois vim a saber que eram como as do Teatro Grego:

GETÚLIO SE SUICIDOU!

Professores, alunos, bedéis, todos atingidos, saímos pra rua sem nos olharmos, misturando-nos ao que ouvíamos nas rádios transmitindo multidões aos berros, ocupando a Avenida Rio Branco da Capital do Brasil, o Rio de Janeiro, no mesmo frêmito de energia feroz que nos "pegou". Vivíamos em plena Era do Rádio, evoezávamos com o Brasil inteiro:

– O PAI DOS POBRES SE MATOU E TE DEIXOU UMA CARTA TESTAMENTO”

Me lembro que ouvi dentro do meu “em mim”:

– TE VIRA MEU FILHO QUE TEU PAI SE SUICIDOU.

A Engrenagem de Sartre que montamos já demonstrava: Presidente da República, Pai, Deus, não podem nada diante da máquina do Imperialismo.

– TE VIRA dentro da Vida Impressa em Dollar!

Sai d’Ela: TEU PAI SE MATOU!

Eu entendi e acho que muita gente de minha geração sacou, não adiantava esperar nada do poder de cima, era necessária uma revolução.

E passei a contar comigo como uma espécie humana vinda dos deuses minerais, vegetais e animais; com a minha geração e com aquele povo tragicômico orgyástico do enterro de Getúlio. Choravam a morte do Paternalismo, que no Brasil nunca deu em nada.

O suicídio de Getúlio e sua Carta travaram o Golpe Patriarcal Financeirista engatilhado pelo Pentágono e pelos Militares Golpistas territorializando o Brasil como Potência de um lado da Guerra Fria.

O Poder nascido nesta época para os povos dos países hoje chamados emergentes, e naquele tempo 3º Mundo, vinha da não tomada de posição diante de um dos dois Blocos, mas sim do jogo ao lado da Paz no Mundo.

Eu tinha 17 anos e pude gozar até o dia do meu aniversário de 27, 30 de março de 1964, a liberdade criadora que permitiu a existência do Teat(r)o Oficina no sucesso absoluto de Os Pequenos Burgueses de Maximo Gorki.

Essa peça virou do avesso os jovens pequenos burgueses e até os burgueses ditos progressistas. Todos suicidas de classe média com tesão do renascimento do corpo revolucionário, diferentemente de hoje em que todos querem ser – a pequena Burguesia escrava da Alta, que esta grande atriz Valeska Popozuda encena no seu clipe do Beijinho no Ombro:

– DESEJO A TODAS INIMIGA VIDA LONGA PRA QUE ELAS VEJA CADA DIA MAIS NOSSA VITÓRIA.

Fomos comemorar os meus 27 anos num show de Nara Leão e seu joelho, suportando tesudo a curva de seu violão, numa boite da Praça Roosevelt com muitos artistas, sentei numa mesa com o Augusto Boal.

Foram 10 anos em que a cultura brasileira, os movimentos de massa pelas Reformas de Base, Movimento Estudantil através da UNE, Reforma Agrária, o Maravilhoso Movimento contra o “Acordo MEC USAID” – que venceu a partir de 64 e transformou a Universidade num Forno pra produzir $oldados pro Mercado Militarizado.

Darcy Ribeiro, o Político Antropólogo Antropófago que tomou ayuasca com os índios, estava criando uma Universidade Antropófaga, em que até eu iria dar Cursos de Teat(r)o.

Nesse decênio, a não ser com a besta do Jânio, as Portas de Brazília eram abertas sem cercas burocráticas ou/e seguranças. É incrível imaginar isso hoje: Brasília não era ainda BrazILHA.

Jango Goulart, Juscelino, Celso Furtado, Francisco Juliano, a beleza da 1ª Dama Maria Tereza Goulart, de Marta Rocha.

O GOLPE DA GUERRA FRIA NO BRASIL

Mas na manhã seguinte, dia 31, Dona Maria, uma cozinheira épica do apê onde morava no Bixiga, entrou com um exemplar da ÚLTIMA HORA xingando:

SEU ZÉ! O POVO TA FODIDO! OS MILITAR QUEREM ACABAR COM O SALÁRIO MÍNIMO!!!

Assim mesmo fui ao ensaio marcado de Pena que ela seja uma Puta, de John Ford, não o dos filmes de cowboy, mas um dramaturgo recém-pós Shakespeare: escatológico, pornô, maravilhosamente colorido, onde dirigiria Célia Helena, Raul Cortez, Jô Soares, Claudio Marzo, Miriam Mehler, Renato Borghi, Tereza Austragésilo, Eugenio Kusnet, Moema Brun, Lineu Dias, Ronaldo Daniel – depois Ron Daniels, Geraldo Del Rey, numa montagem que talvez antecipasse O Rei da Vela, trabalhada no prazer do Teatro a mais radical Teatralidade – com muita cor. Tínhamos dinheiro da ótima bilheteria de Os Pequenos Burgueses, todos enchafurdados no prazer da criação desabusada em fase de 1ªs leituras em torno de uma mesa enorme.

Escancara as portas do Oficina Lilian Lemmertz, mensageira da tragédia:

CONGESTIONAMENTO DE TANQUES DE GUERRA NAS RUAS.

INVADIRAM O TBC, QUEREM FECHAR TODOS OS TEATROS.

Saímos todos pra Consolação no Teatro de Arena perto da Faculdade de Filosofia da Maria Antônia. A Pitonisa estava certa: engarrafamento no trânsito, não de carros, mas dos Tanques e Canhões apontados pra todos os lados.

Encontramos muita gente da “classe teatral” e combinamos uma reunião depois dos espetáculos na Casa de Maria Alice Vergueiro.

Tínhamos uma sessão de Pequenos Burgueses.

O Oficina, que lotava todas as noites, estava totalmente vazio, umas 15 pessoas.

Os atores foram até o fim da peça incorporando o que se passava naquela noite – quem estava nesta sessão teve o privilégio de viver este momento com intensidade maior – com as mãos tremulas, não sei como foi, mas o Hino da Internacional Comunista que fechava a peça foi substituído por uma música russa, talvez até ortodoxa, pois tínhamos ganho através do Kusnet muitos discos doConsulado da URSS.

Na reunião da Classe, com a tevê ligada, vi aparecer n’Ela meu professor de Direito Internacional Gama e Silva, um cadáver, ressuscitando como o democrata do Golpe que iria ocupar o Ministério da Justiça.

Os Mortos saíam dos Túmulos.

A Decisão de todos era escapar, não se deixar capturar pela ordem de caça aos subversivos e aos comunistas.

Senti literalmente o chão fugir aos meus pés.

O Ato Estratégico Trágico de Manifestação do Poder Humano, de TeAto Político, atuado pelo ator presidente Getúlio Vargas, com o texto de sua Carta Testamento e seu SuiCídio, levantou o TRANSE DOS COROS DAS MULTIDÕES DE TODO BRASIL que abortaram o Golpe Militar pró Guerra Fria, preparado para Agosto de 1954.

Em 64 já estávamos espertos – eu tinha 27 anos.

Foram os dias de “CAÇA AOS COMUNISTAS! AOS SUBVERSIVOS!”.

Militares histéricos nos caçavam tomando o lado do Pentágono na Guerra Fria.

Fomos driblando a Ditadura e a Censura, lutando capoeristicamente, mudando sempre nossas estratégias e linguagem para as peças, até que, depois de várias tentativas, nos pegaram em 1974 –10 anos de Golpe!

O Teat(r)o Oficina foi invadido, muitos fomos presos. Fui torturado juntamente com o ator fotógrafo Celso Lucas e exilado para Portugal, descolonizando-se com suas ex-colônias.

Na Anistia retornei ao Brasil e ao Teat(r)o Oficina. Um período subterrâneo vivido durante a “depressurization” = abertura gradual lenta e restrita, para  começar a emergir totalmente com a inauguração do Terreiro Eletrônico do Teat(r)o Oficina, Obra de Arte de Lina Bardi e Edson Elito com o “HAM-LET” –Impeachment de Collor no dia 3 de outubro de 1993.

Hoje, juntamente com a PM – Polícia Militar – a disfarçada de ditadura explícita, apoiada no Vodu Metafísica da Fatalidade da Especulação Financeira, instaurou-se no aparelho do Estado, plugado no Agro Negócio de Alimentação com sabor de inseticida, a tentativa de extermínio dos Índios, da Natureza, do Cultivo da Vida, quer dizer, da Cultura. É a Tentativa de Domínio de Uma Verdade ÚNICA, de preferência a que mais pode gerar preconceitos, cegar mais a visão, violentar a contracenação com o Outro, a que traz o desprezo pelo Teatro que é uma Arte do Poder Xamânico Humano ligado ao Cultivo da Vida, a que sintomatiza o que acontece no Ato de Teato Mundi e Muda.

A Cultura é desprezada porque Muda, e é muda de outra maneira de estar e ser no mundo.

As Máscaras da Homofobia, Racismo, Machismo, Consumismo, Dinheirismo não resistem diante do PHODER HUMANO do ser que encara a vida desassombradamente.

RETORNANDO AO GOLPE

Foi uma surpresa inesperada pra todos. Celia Helena tinha uma casa em Ubatuba onde sumiríamos. Entramos no apartamento de Geraldo Del Rey, Renato Borghi raspou a barba de Piotr que fazia em Pequenos Burgueses e fomos pra Praia enquanto Ítala Nandi pintava os cabelos de Louro e passava a gerir o Oficina com a montagem de Toda Donzela tem um Pai que é uma Fera, de Gláucio Gil. Convidou Benedito Corsi para dirigir Tarcísio Meira como galã, Miriam Meheler, Ítala e Eugênio Kusnet no Elenco. A peça foi dando a grana que precisávamos – menos os do Oficina e muito mais os do Arena – para ir ao Exterior para não sermos caçados.

O Golpe caçava primeiro os que estavam no Poder, os jovens do CPC que militavam nas favelas, na UNE - União Nacional dosEstudantes – Incendiada, os do Movimento de Cultura Popular, que explodiu em Pernambuco ao mesmo tempo das Ligas Camponesas, onde a repressão foi de arrastar pelas ruas o Corpo Nu Vivo de Gregório Bezerra, líder comunista puxado por uma corda.

Quando Cleyde Iaconis foi presa no TBC pairava uma interdição aos Teatros em que os sucessos eram os das peças ditassubversivas.

Na peça que vamos montar, Cacilda 64 – o Golpe, Maria della Costa e Cacilda Becker têm uma sacação estratégica de Grandes Atrizes da Política, que é a Arte do Teatro em si.

O DOPS intimou a classe Teatral paulista a Depor.

A Operação chamava-se Sindicância Para Apurar a Infiltração Comunista no Meio Teatral.

Ambas pedem que fossemos todos muito bem vestidos em fantasias de bons moços e moças, como num Cortejo. Cacilda veste um Dior, Maria os Modelos das Casas Vogue, de Denner ou de outros tops da época. Combinam tudo por telefone: alugam dois Rolls Royce, chamam toda a Mídia e descem com seus sapatinhos forrados de suas carruagens sob todas as luzes da Tupy, dos flashes de todos os jornais e revistas.

Penetráramos no PARDIEIRO DO DOPS onde nos esperava o Delegado Dr. BuonCristiniano e a televisão transmite tudo ao vivo.

Cacilda e Maria della Costa respondem ao interrogatório com uma clareza e cara de pau que deixou constrangido o Delegado diante das tevês.

Cacilda libertou não somente Cleyde Iáconis, que estava presa, como outros Atores e Atrizes e terminou por conseguir do Buon Cristiniano, que todos os teatros fossem abertos:

ESTAMOS AQUI ESPONTANEAMENTE DESAUTORIZANDO O CARÁTER COERCITIVO DA INTIMAÇÃO … NÃO CORTEM AS AZAS DO TEATRO BRASILEIRO QUE ESTÁ EM SEU PLENO ESPLENDOR.

Não deviam se meter, mas se meteram através de grupos paramilitares que queimaram a TV-Bandeirantes, o Teat(r)o Oficina,ameaçavam jogar bombas nas Assembleias dos Teatro em que se Lutava contra a Ditadura e sobretudo a Censura.

Em 68 estes milicianos paramilitares Atacaram a Roda Viva no Teatro Galpão na Operação Quadrado Morto, em que assistiram, por quase um mês inteiro, ou mais, a peça pra aplicar sua invasão baderneira terrorista na saída do público destruindo como vândalos os equipamentos do teatro e batendo nos atores e atrizes.

Depois foi o próprio 3º Exercito Nacional de Porto Alegre que atacou pela segunda vez o Roda Viva no Hotel onde estava o elenco, exatamente como aconteceu agora num Hotel da Rua Augusta com a PM e os manifestantes.

Neste massacre não permitiram os advogados de se aproximar dos atores feridos. Foram todos colocados dentro de um Ônibus de volta pra SamPã, sem tratamento para os feridos. Chegaram com as feridas ainda sangrando nas portas do Teatro de Ruth Escobar.

A Peça então foi proibida em todo Território Nacional pelo próprio Exército.

Até o AI-5, de uma certa maneira o Teat(r)o Oficina foi poupado. Encenamos Galileu Galilei, de Brecht, no dia 13 de dezembro, onde ouvíamos pelo rádio o Pronunciamento do Ato Institucional nº 5, pelo qual os militares engrossaram de Vez.

Tínhamos uma Censura para a qual enviávamos os textos e depois fazíamos ensaios gerais para os Censores. Mas sempre liberavam nossas peças porque não entendiam nada. Nós tínhamos desde O Rei da Vela & Roda Viva saído dos critérios da Censura que estava ainda na fase de proibir textos que criticassem diretamente o Governo ou os ligados ao Realismo Socialista.

No ensaio de Roda Viva nenhum censor olhou para o palco. Todos hipnotizados pelos olhos realmente lindos de Chico Buarque de Holanda, que tinha a presença tímida de um deus jovenzinho pra lá do atraente – um santo!

E agora?

O Carnaval de 2014 rolou sem Violência Explícita Militar?

Parece que sim.

Estamos a menos de 100 dias da COPA e próximos à eleição – Ano difícil. Começar tudo de Novo – o Teat(r)o Oficina e seuentorno pra variar a perigo mas não para encenar na Vigília dos dias 31 de março e 1º de Abril

Cacilda 64 – O Golpe.

Nem começamos a ensaiar

MERDA

*José Celso Martinez Corrêa é o diretor do Teatro Oficina. Este texto faz parte da série de artigos do especial Ecos da Ditadura, que lembra os 50 anos do golpe cívico-militar

sábado, 22 de março de 2014

Elite empresarial que queria derrubar Jango financiou marcha

Tidas como protagonistas da Marcha da Família com Deus pela Liberdade, organizações femininas de classe média eram instruídas por homens que derrubariam o presidente constitucional

Por: Felipe Amorim e Rodolfo Machado, no Rede Brasil Atual | Opera Mundi

image_preview (2)Há 50 anos, em 19 de março de 1964, era realizada na cidade de São Paulo a “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”. Estima-se que entre 500 mil e 800 mil pessoas partiram às 16h da Praça da República em direção à Praça da Sé, no centro, manifestando-se em resposta ao emblemático comício de João Goulart, seis dias antes, defendendo suas Reformas de Base na Central do Brasil. Passaram à história como as genuínas idealizadoras e promotoras da marcha organizações femininas e mulheres da classe média paulistana. No entanto, por trás deste aparente protagonismo feminino às vésperas do golpe que deu lugar a 21 anos de regime ditatorial, esconde-se um poderoso aparato financeiro e logístico conduzido por civis e militares que tramavam contra Jango. Um detalhe: quase todos eram homens.

Certamente, a atuação de alguns grupos femininos como “pontas-de-lança” da opinião pública contra o governo Goulart foi peça-chave na conspiração levada a cabo pelo complexo empresarial-militar do Ipês-Ibad (Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais – Instituto Brasileiro de Ação Democrática). Destas instituições femininas, as principais eram: a carioca Campanha da Mulher pela Democracia (Camde) e as paulistas União Cívica Feminina (UCF) e Movimento de Arregimentação Feminina (MAF).

Conforme disseca a historiadora Solange Simões em seu livro Deus, Pátria e Família: As mulheres no golpe de 1964, a inserção das mulheres na conspiração que resultou no golpe foi estratégica. Com o intuito de fomentar uma atmosfera de desestabilização política e convencer as Forças Armadas a intervir, as campanhas femininas buscavam dar “espontaneidade” e “legitimidade” ao golpismo, tendo sido as mulheres incumbidas — pelos homens — de influenciar a população.

“Aqueles homens, empresários, políticos ou padres apelavam às mulheres não enquanto cidadãs, mas enquanto figuras ideológicas santificadas como mães”, escreve a pesquisadora. A própria dona Eudóxia, uma das lideranças femininas, reconhece, em entrevista à historiadora, sua função tática:

Nós sabíamos que como nós estávamos incumbidas da opinião pública, os militares estavam à espera do amadurecimento da opinião pública. Porque sem isso eles não agiriam de maneira nenhuma. A não ser que a opinião pública pedisse. E foi isso que nós conseguimos.

Graças a uma bem-sucedida ação, eventos considerados aparentemente “desconexos” foram tomados como “reações espontâneas” de segmentos da população. Na verdade, essas manifestações apresentavam uma sólida coordenação por parte da elite.

Neste sábado (22), 50 anos depois, haverá uma reedição da emblemática marcha, organizada por manifestantes e ativistas que acreditam haver no Brasil uma revolução comunista em processo e veem na intervenção militar a única saída.

Como surgiu e quem liderava?

Quem eram, afinal, essas mulheres que despontavam na rua, em passeatas e comícios, como “donas-de-casa” e “mães-de-família brasileiras”, envolvidas na conspiração civil-militar? Já chamadas de “guerrilheiras perfumadas” ou confundidas com mulheres “das classes médias”, as direções dos movimentos eram constituídas, essencialmente, por mulheres com baixa formação intelectual da burguesia e das elites militares e tecnoempresariais.

Essa ala feminina do golpe foi criada meses antes das eleições gerais de outubro de 1962. Suas principais líderes eram parentes próximas dos grandes nomes do setor empresarial e militar envolvidos na conspiração. Contaram, obviamente, com todo o aparato financeiro e logístico de seus cônjuges, primos e irmãos para erguer suas instituições. “O meu marido me incentivava: ‘Eu ajudo no que precisar’, dizia ele”, relembra em entrevista concedida a Solange Simões, a vice-presidente da Camde, Eudóxia Ribeiro Dantas, mulher de José Bento Ribeiro Dantas, empresário ipesiano presidente da Cruzeiro do Sul, uma das maiores companhias aéreas do país.

Do lado carioca, por exemplo, a Camde foi criada por Amélia Molina Bastos, irmã do general Antônio de Mendonça Molina, do setor de informação e contrainformação do Ipês. A ideia partiu declaradamente do vigário de Ipanema, Leovigildo Balestieri, e dos líderes ipesianos engenheiro Glycon de Paiva e general Golbery do Couto e Silva. A Camde foi lançada no auditório do jornal O Globo, no Rio, oferecido por seu diretor-proprietário, Roberto Marinho. Na manhã do dia 12 de julho de 1962, o periódico carioca estampava na capa: “A Mulher Brasileira está nas Trincheiras”.

Já em São Paulo, nas reuniões de fundação da UCF, compareceram figuras como: Antonieta Pellegrini, irmã de Júlio de Mesquita Filho, diretor-proprietário do jornal O Estado de S.Paulo, e Regina Figueiredo da Silveira, primeira presidente da união paulista e irmã do banqueiro João Baptista Leopoldo Figueiredo, presidente do Ipês e primo do último presidente do ciclo militar.

Em termos práticos, o que fizeram?

Desde sua fundação, a Camde carioca e a UCF paulista se engajaram na ação política de combate e desestabilização do governo Goulart, orientadas ideologicamente e materialmente pelo complexo Ipês-Ibad.

Em 1962, as mulheres organizaram uma “Caravana a Brasília” com o objetivo de formar um efetivo “coro popular” para impedir a posse de San Tiago Dantas como primeiro-ministro. Esse movimento integrava parte da política de rejeição, pela elite, de uma composição com a ala moderada do trabalhismo. Para tanto, entregaram ao presidente da Câmara, Ranieri Mazzilli, 60 mil cartas pedindo a não aprovação do plebiscito antecipado, bem como o impedimento da delegação de poderes ao conselho de ministros, fundamental à continuidade das Reformas de Base do governo Goulart.

Um dos poucos jornais que se atreveram a criticar a tentativa de deturpar o processo eleitoral por parte dessas organizações femininas, o Última Hora, de Samuel Wainer, foi sistematicamente perseguido pela Camde e UCF. Caracterizando o periódico como “o diário da guerra revolucionária que se travava no Brasil”, as senhoras passaram a formar comissões de visitas a empresários, industriais e comerciantes que anunciavam no jornal, pedindo para que suas verbas publicitárias fossem suspensas. A coordenação dessa campanha de boicote foi feita em grande parte em sincronia com o Ibad, liderado pelo integralista Ivan Hasslocher, outra figura central na campanha anti-Jango. Hasslocher se exilou em Genebra depois de comprovados, pela Comissão Parlamentar de Inquérito de 1963, os atos de corrupção de seu instituto no processo eleitoral de outubro de 1962.

Logo após o discurso de Goulart na Central do Brasil, em 13 de março de 1964, a Camde se engajou em campanhas por telefone, incitando as mulheres a permanecerem em casa e acenderem velas em suas janelas como sinal de protesto e fé cristã. A massiva “Cruzada do Rosário em Família”, do padre norte-americano Patrick Peyton, pároco de Hollywood, foi o ensaio-geral para as marchas anticomunistas de abril e março de 1964, fundadas no lema “A família que reza unida permanece unida”.

Seis dias depois do comício de Jango, em 19 de março, data em que se comemora o dia de São José, padroeiro da família, realizou-se em São Paulo a “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”, coroando o auge dos esforços das associações femininas orientadas pelo Ipês.

A marcha reuniu entre 500 mil e 800 mil pessoas para protestar contra o comício de Goulart na Central do Brasil. A idealização da marcha partiu do deputado federal Antônio Sílvio Cunha Bueno (PSD), um grande proprietário de terras e diretor da norte-americana Willys-Overland Motors do Brasil, cuja matriz ficou famosa pela fabricação, em parceria com a Ford, do jipe usado pelos norte-americanos na Segunda Guerra Mundial. Ao contrário da propagandeada supervalorização do papel dessas mulheres na condução dos protestos, a organização da marcha não ficou a cargo nem da UCF nem do MAF, ambas entidades sediadas em São Paulo. Quem levou o evento adiante foi o próprio Cunha Bueno, além de outros políticos paulistas, como o vice-governador Laudo Natel, Roberto de Abreu Sodré (UDN) e Conceição da Costa Neves (PSD), deputada mais votada no estado nas eleições de 1962.

Acompanhados de suas esposas, políticos importantes se fizeram representar nas marchas: Adhemar de Barros e sua mulher, dona Leonor; além de Carlos Lacerda, governador do Rio, e dona Letícia. O deputado Herbert Levy, integrante da UDN e líder do Ipês, bradava: “o povo não quer ditaduras, o povo não quer comunismo, o povo quer paz e progresso”. Cunha Bueno discursava: “Todos vocês nessa praça representam a pátria em perigo de ser comunizada. Basta de Jango!”.

Em São Paulo, os banqueiros Hermann Morais Barros (Banco Itaú), Teodoro Quartim Barbosa (Comind) e Gastão Eduardo Vidigal (Banco Mercantil), líderes ipesianos do primeiro escalão, ficaram incumbidos de articular e obter adesão das entidades de classe de todo o país para as marchas.

“O Ipes de São Paulo também fez contribuições diretas e em dinheiro para o movimento feminino: consta do relatório de despesas de 1962 e do orçamento de 1963 uma contribuição mensal para a UCF”, conclui a historiadora Solange Simões.

A organização logística da marcha foi feita no prédio da Sociedade Rural Brasileira, supervisionada pelo Ipês e contando com a presença de membros de diversas entidades patronais e associações industriais. No bem aparelhado quartel-general do movimento feminino fizeram-se ainda pôsteres, cartazes e bandeiras com as seguintes palavras de ordem:

Abaixo o Imperialismo Vermelho
Renúncia ou Impeachment
Reformas sim, com Russos, não
Getúlio prendia os comunistas, Jango premia os traidores comunistas
Vermelho bom, só o batom
Verde, amarelo, sem foice nem martelo

Houve protagonismo feminino?

Uma vez vitorioso o golpe de Estado de 1º de abril de 1964, foi deflagrada a chamada “Marcha da Vitória”, reunindo 1 milhão de pessoas no Rio de Janeiro. Logo no dia 3 de abril, o líder do Ipês João Baptista Leopoldo Figueiredo, que estava em reunião na Guanabara na qual discutiam a escolha do “novo candidato” à presidência, telefonou para sua irmã Regina Figueiredo Silveira, presidente da UCF. Motivo: o banqueiro primo-irmão do último presidente militar solicitava à irmã-ativista que o lançamento da candidatura de Castello Branco fosse feito pela própria UCF.

Paulo Ayres Filho, outro líder ipesiano e empresário da indústria farmacêutica, ficou incumbido de elaborar, junto com uma equipe da UCF, o manifesto feminino de apoio ao marechal, levado às estações de TV e jornais pelas senhoras.

O general Olympio Mourão Filho, que marchou de Minas Gerais em 31 de março, antecipando-se ao plano dos conspiradores do eixo Rio-São Paulo, comentou, sobre as marchas das mulheres, que “como todos os homens que participaram da revolução, nada mais fez do que executar aquilo que as mulheres pregavam nas ruas para  acabar com o comunismo”. Cordeiro de Farias foi ainda mais longe, de acordo com Solange Simões, “ao afirmar que a revolução foi feita pelas mulheres”.

Historiadores que estudaram o período são mais céticos: não veem a movimentação das mulheres como sintoma do engajamento universal da população brasileira no combate a Jango. Na verdade, essas mulheres, teriam funcionado como massa de manobra dos conspiradores — todos homens — para criar uma sensação de “espontaneidade” e “clamor popular” apta a dar “legitimidade” ao novo governo. Como aponta a pesquisadora Solange Simões, a marcha foi “ostensivamente uma manifestação das classes média e alta”. E mais: foi muito restrita, pois em uma cidade de 6 milhões de habitantes, como São Paulo, apenas 500 mil pessoas participaram.

Até o embaixador norte-americano no Brasil, Lincoln Gordon, notório por seu apoio ao golpismo, percebeu a falta de apoio popular no movimento, conforme relata a Washington em um telegrama de 2 de abril de 1964: “A única nota destoante foi a evidente limitada participação das classes mais baixas na marcha”. Seu espião militar no Brasil, o coronel Vernon Walter também atesta que, até a realização das passeatas, havia um receio de que o movimento para derrubar João Goulart fracasse por falta de apoio popular.

Desferido o golpe em 1º de abril, as marchas do Rio e São Paulo foram seguidas de outras menores, organizadas pelas associações femininas em Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre e Santos.

“Se antes os maridos enalteciam o papel de mãe e esposa para manter a mulher no lar e discriminadas na esfera pública, passam agora a enaltecer aquele papel para comprometê-la na ‘política’”, arremata Solange Simões. Assim, revelando o ilusório protagonismo vislumbrado pelo espetáculo dessas marchas de massivas mobilizações, “a ‘mulher-dona-de-casa’ que respeitava, no lar, a autoridade do chefe da família, deveria, enquanto mulher-cidadã procurar a autoridade do Estado – autoridade que residia principalmente no seu braço armado”, conclui a historiadora.

Principais fontes: René Armand Dreifuss (1964: A conquista do Estado: Ação Política, Poder e Golpe de Classe) e Solange de Deus Simões (Deus, Pátria e Família: As mulheres no golpe de 1964)

quinta-feira, 20 de março de 2014

Não estamos em depressão!

“Quando alguém está depressivo, ele fica com a imagem ruim. Essa onda não é tão grande quanto parece, mas a comunicação nossa está muito falha”, afirma a executiva

Por: Rafael Nardini, no CartaCapital

inflaçao_luzia_trajanoLuiza Helena Trajano, presidente da rede varejista Magazine Luiza, comparou o momento brasileiro com os sintomas de uma depressão. Para ela, há uma certa onda de pessimismo na atmosfera política e empresarial que precisa ser revertida. Essa sensação seria capaz de prejudicar a visibilidade do País no exterior. “Quando alguém está depressivo, ele fica com a imagem até pior do que tem. Essa onda não é tão grande quanto parece, mas a comunicação nossa está muito falha ainda. O Brasil é nosso. Temos de assumir que é aqui vão morar nossos netos, nossos filhos”, afirmou a executiva após participar nesta quarta-feira 19 do evento “Fórum Brasil - Diálogos para o Futuro”, promovido por CartaCapital, em São Paulo.

A empresária cobrou ações governamentais para tentar conter a desinformação, a principal causadora dessa sensação depressiva. “Estou despertando a comunicação desde a minha casa, do meu prédio... Nós temos de ter uma estratégia de comunicação educativa. Porque não vemos a comunicação como educação. Precisamos entender que a comunicação passa pelo educativo.”

Um dos exemplos de melhorias que poderiam ser ressaltados para aplacar o pessimismo é o baixo índice de desemprego. “As pessoas falam: 'ah, mas não tem empregado'. Que bom que as pessoas não estão na fila dia e noite em busca de emprego, como vivemos décadas disso. Cada loja que o Magazine abria numa cidade eram duas mil pessoas ficando dia e noite na fila para 40, 50 vagas. Esse quadro mudou”, disse.

A empresária disse não estar preocupada com os índices de inadimplência – tema, aliás, de seu embate com o colunista Diego Mainardi, no programa Manhattan Connection, da GNT -, sejam eles no varejo ou em outros setores da economia. Essa sensação de segurança está calcada nos critérios da rede bancária brasileira para a liberação de crédito. “Não se preocupe. Os bancos só soltam crédito quando a inadimplência está baixa. Se não eles trancam tudo. Quando você vê abrir um pouquinho é porque a inadimplência está boa.”

Olimpíada

Integrante do comitê organizador da Olimpíada, a empresária afirmou que os investimentos orçados em7 bilhões de reais para o evento foram captados junto à iniciativa privada. “Encerramento, segurança, transporte, alojamento... vai ser tudo tirado desses patrocinadores. Falei com o Murilo (Ferreira, presidente da Vale) agora... Estou até ajudando a encontrar investidores.”

Trajano disse acreditar que a Olimpíada será capaz de aquecer o mercado de trabalho e render aos jovens oportunidades de emprego durante e depois da realização do evento. “Vamos ter 209 países nos visitando. Hoje recebemos 7 ou 8 milhões de turistas por ano. É provável que, quando passar a Olimpíada, tenhamos de três a quatro vezes mais turistas”.

domingo, 9 de março de 2014

O ovo da serpente

Confundir aliança partidária para governar com formação de quadrilha para corromper é obra dos procuradores

Por: Mauricio Dias, no CartaCapital | Agência Brasil

joaquim_barbosa_stf_quadrilha_ovo_serpenteMais rápido do que se pensava, caiu a toga e ficou nua a maioria conservadora do Supremo Tribunal Federal (STF), articulada em torno do julgamento da Ação Penal 470, o “mensalão”. Os ministros desse grupo formaram uma espécie de quadrilha, de finalidade política, com o objetivo de desmoralizar o Partido dos Trabalhadores e ajudar a tirar dele o poder conquistado pelo voto popular, em 2002 e 2006, com Lula eleito e reeleito e prosseguido, em 2010, por Dilma Rousseff, com chance de fechar, agora em 2014, um novo ciclo de oito anos de controle do governo.

A base de toda essa ação politizadora da Justiça é antiga, criada nas articulações formadas na Procuradoria-Geral da República (PGR). É uma visão peculiar, distorcida, que une, por exemplo, os procuradores-gerais Aristides Junqueira (1989-1995), Antonio Fernando de Souza (2005-2009), Roberto Gurgel (2009-2013) e Rodrigo Janot, empossado em setembro de 2013.

Coincidentemente, são ex-integrantes do Ministério Público os atuais ministros Celso de Mello (SP), Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa. Um trio que votou unido, sustentando os princípios nas peças de acusação da Procuradoria.

Eles creem que os governos eleitos, sustentados por alianças partidárias, formam quadrilhas para administrar o País. Simples assim. Esse procedimento, no entanto, contaminou com força a mais alta Corte de Justiça do País, como se viu agora.

Isso teve início com Junqueira, ao sustentar que o ex-presidente Fernando Collor tinha cometido crime de “corrupção ativa”. Apoiou-se em evidências e perdeu-se, segundo o STF, na “falta de provas contundentes”.

A tese, no entanto, deu frutos. Dela valeram-se agora a oposição e a mídia.

Naturalmente, em todos os governos há corrupção. Só que a punição deve resultar de julgamentos com provas e não com conjecturas, como fez inicialmente Antonio Fernando de Souza no começo da Ação Penal 470.

Ele deu asas à imaginação. Utilizou-se do conto Ali Babá e os 40 Ladrões, do livro As Mil e Uma Noites, talvez a leitura dele nas horas insones, para criar aquilo que o ministro Luís Roberto Barroso chamaria de “rótulo infamante”. Abriu a caixa de maldades e tratou o ex-ministro José Dirceu, do primeiro governo Lula, como “chefe de quadrilha”. E elencou na denúncia, não por coincidência, 40 nomes.

Essa linha foi adotada também por Roberto Gurgel. Declarou os governos de Lula, com Dilma no ministério, gerador de “tenebrosas transações”. Coerente com essa linha de atuação, que confunde governos democraticamente eleitos com quadrilhas, Rodrigo Janot deu curso à acusação e reafirmou a base da denúncia dos antecessores a partir do crime de “formação de quadrilha”.

Não se trata simplesmente de questão técnica, envolvendo os profissionais do Direito, pois nenhuma das condenações na AP 470 realizaria mais a criminalização da política do que a denúncia por formação de quadrilha.

Todas as demais condenações resultaram, bem ou mal, em penalidades por infrações individuais. Elas atingem os indivíduos. A quadrilha, sub-repticiamente, atingiria governos petistas democraticamente eleitos.

sexta-feira, 7 de março de 2014

Imagina na Copa? É a frase dos calhordas...

Por: Davis Sena Filho, no: Blog Palavra Livre

copaQualquer pessoa medianamente inteligente e razoavelmente informada sabe que a Copa do Mundo a ser realizada no Brasil vai favorecer a população brasileira, bem como compreende que os recursos provenientes do BNDES investidos para a realização do megaevento não foram doados à iniciativa privada ou aos estados e municípios, porque o banco de fomento, que empresta e financia mais do que o Banco Mundial (Bird), vai ser ressarcido com o tempo e, por seu turno, recuperar todo o dinheiro empenhado.

O resto é balela e fofoca maledicente de uma oposição tucana derrotada três vezes nas urnas, juntamente com seus aliados, DEM e PPS, além das empresas midiáticas e apátridas, pois alienígenas, porque não têm quaisquer compromissos com o Brasil e seu povo, mas que aposta nos lucros bilionários que vão ter, a exemplo das Organizações(?) Globo, que de um lado faz campanha intermitente contra a Copa, enquanto do outro firma inúmeros contratos, que, sem sombra de dúvida, vão-lhes render valores assombrosos.

A Globo e a imprensa em geral são como o escorpião da fábula, que aproveita a carona do sapo para atravessar o rio e, quando chega na margem, envenena seu benfeitor, para logo dizer-lhe que sente muito, mas que não pode ir contra sua natureza perversa e traidora. É exatamente dessa forma que procedem muitos empresários de uma imprensa de mercado que trata a vida pública como uma novela de péssimo enredo, porque a intenção é negar as conquistas sociais e econômicas da população deste País, que optou por eleger políticos de esquerda, pois não aguentava mais a iniquidade administrativa dos tucanos.

Eis que, a toda hora e todo o momento, os analistas, comentaristas, colunistas, âncoras, blogueiros, radialistas e “especialistas” de prateleiras, bem como os coxinhas de classe média que os ouvem, leem e veem proferem uma frase que se assemelha a uma senha, com o propósito de negativar e desqualificar a Copa de 2014. É como se eles tivessem combinado, e, a pleno pulmões, dão a sentença em forma de maldição: “Imagina se fosse na Copa?!” Existe frase mais calhorda e intelectualmente simplória do que esta, ao questionarem o evento que essa gente torce contra?

A frase “maldita” é um misto de interrogação, ao tempo que de exclamação, como se o Brasil, a sexta economia do mundo e que realizou, nos governos entreguistas e subservientes do PSDB, a maior privatização de empresas estatais que se tem notícia no mundo moderno, e, de repente, não tivesse competência estrutural, tecnológica e profissional para que a sociedade brasileira se torne uma anfitriã orgulhosa de realizar tão importante festa. A resumir: realizar a Copa das Copas, no País do futebol habitado por um povo que ama o “velho e violento esporte bretão” e que espera há 64 anos para ser o anfitrião de um evento de massas e midiático tão importante como o é a Copa do Mundo.

Então, vejamos: um Brasil, ainda rural, que realizou no longínquo ano de 1950 uma Copa do Mundo, para os patetas colonizados da mídia não teria condições de realizar uma Copa em pleno ano de 2014. Só que o gigante sul-americano há décadas é a sede onde acontecem eventos grandiosos e internacionais, como o Carnaval, os reveillons, os Rock in Rio, a Eco 92, a Rio+20, as visitas dos Papas, a Jornada Mundial da Juventude, as Olimpíadas Militares, a Paraolimpíadas, a Minicopa de 1972, os Jogos Pan-Americanos de 1963 e 2007, a Copa das Confederações e muitos outros eventos, que, certamente, dão ao Brasil um know how que poucos países adquiriram através dos tempos.

Considero uma pilhéria, um deboche e falta de senso crítico dos coxinhas reacionários e também das famílias donas de mídias diversas que, por intermédio de seus empregados, fazem uma campanha sórdida e desconstrutiva contra a Copa quando a verdade é que o legado vai ser grande e, consequentemente, vai ser mostrado no horário eleitoral gratuito, pois já se percebe que contar com grupos empresariais de caracteres golpistas e com grande parte da classe média conservadora é impossível e por isso, evidentemente, que os atuais políticos que administram o Brasil não somente têm de mostrar o que não é repercutido pela imprensa corporativa, bem como têm o dever e a obrigação de dar publicidade aos benefícios estruturais, econômicos e financeiros que eventos como a Copa do Mundo e as Olimpíadas vão trazer para o Brasil e o seu povo.

Sempre questionei a Secretaria de Comunicação (Secom) do Governo trabalhista. Seu sistema de comunicação social é fraco, tímido, quase pusilânime e com vocação para botar panos quentes no que é condizente às relações com a mídia tradicional de caráter hegemônico e imperialista. Por isto e por causa disto afirmo: depois da Copa vão acontecer as eleições, e não se pode tergiversar e muito menos se calar diante daqueles que se comportam como abutres a comer o fígado de Prometeu.

É necessário reagir e responder, sistematicamente, acusação por acusação, denúncia por denúncia, mentira por mentira e verbo por verbo. Do contrário, o PT, seus aliados e o Governo trabalhista vão ficar à mercê da direita brasileira, dona da casa grande e que governou este País durante séculos sem, no entanto, edificar as pedras para termos um Brasil solidário, democrático, independente, justo e emancipado. Perder a guerra da comunicação pode não ser a derrota final, mas é, sobretudo, uma espécie de linchamento que enfraquece o moral, a determinação e a dedicação das pessoas que acreditam no projeto de distribuição de renda e de riqueza efetivado no Brasil a partir dos governos de Lula e de Dilma Rousseff. Crescimento com desenvolvimento social e livre das visitas do FMI. Ponto!

Não vai adiantar a direita espernear. Vamos ter Copa, sim! E vai ser a melhor Copa de todas as copas, porque o Brasil tem todas as condições de fazer com que as coisas aconteçam da melhor maneira possível. Não somos um País incompetente e muito menos disposto a “pagar” vexames porque assim desejam os coxinhas amargos, derrotistas e que detestam o Brasil e amam Miami, bem como não vão ter esse prazer a "elite" brasileira de alma colonizada, subserviente e que torce contra o Brasil.

A burguesia que prefere eternamente viver na periferia e se beneficiar das migalhas dos países ricos, que a tutelam secularmente, porque essa gente com complexo de vira-lata ainda pensa como se vivesse nos tempos da Guerra Fria quando, para ela, era necessário ser defendida dos comunistas comedores de criancinhas, que acabariam com seu mundo cristão e dilapidariam seu patrimônio conquistado às custas da escravidão, do monopólio empresarial, da acumulação de terras, bem como dos salários baixos e das péssimas condições de trabalho para os trabalhadores.

Entretanto, a Copa vai ser realizada, mesmo contra a vontade dos calhordas e as mentiras da imprensa de negócios privados. Se não, vejamos: o Governo trabalhista não está a gastar com os estádios, porque o dinheiro do BNDES é emprestado e retornará aos cofres públicos, com o tempo, por intermédio de contratos firmados com o setor privado e os estados da Federação que participam da Copa. Além disso, é a mais pura e desvairada mentira que o Governo trabalhista desviou dinheiro público destinado à saúde e à educação para construir estádios.

Os investimentos da Copa são da ordem de R$ 25,6 bilhões, segundo o Ministério do Esporte. Todavia, o setor midiático privado, aliado dos tucanos, insiste na falácia e na bazófia ao afirmar que a educação e a saúde foram prejudicadas. Repito novamente: é mentira! A partir de 2007 quando o Brasil foi confirmado como o País da Copa de 2014, foram investidos, em educação, R$ 311,6 bilhões; enquanto a saúde recebeu R$ 447 bilhões, o que põe por terra as diatribes da oposição de direita, que todo dia inventa alguma crise ou escândalo, porque a finalidade é disputar as eleições presidenciais com chances de vencer, porque projeto de País e programa de governo os tucanos e seus apoiadores não têm para oferecer ao povo brasileiro. Ponto!

Além disso, o último balanço da Copa do Mundo mostra que os investimentos públicos e privados, como já foi informado neste artigo, alcançam a soma de R$ 25,6 bilhões — divididos nesta ordem:

1)R$ 8 bilhões em obras de mobilidade urbana;

2)R$ 8 bilhões em construção e reformas de estádios;
3)R$ 6,3 bilhões em aeroportos;
4)R$ 1,9 bilhão em segurança;
5) R$ 600 milhões em portos;
6) R$ 400 milhões em telecomunicações;
7) R$ 200 milhões em infraestrutura turística; e
8) R$ 200 milhões em instalações complementares.

Em qualquer país do mundo a Copa é tratada como um presente, uma conquista econômica, social e política. A grandeza do evento atrai pessoas do mundo inteiro, as empresas se mobilizam, bem como os governos. Somente no Brasil, uma casta social perversa, faz oposição a um evento econômico ao tempo que lúdico como o é a Copa do Mundo.

Os interesses políticos, de classe e a disputa eleitoral de 2014 fizeram com que certos segmentos empresariais e políticos atuassem como kamikazes e apostem contra o próprio País onde vivem e ganham muito dinheiro. A "elite" brasileira é surreal, ridícula e provinciana.

Deseja um País menor, com uma economia que atenda somente à casta dos privilegiados, e que o acesso a serviços, ao consumo, aos estudos, ao emprego e às oportunidades variadas sejam um direito a quem se considera, equivocadamente e arrogantemente, escolhidos por Deus ou simplesmente bafejados pela sorte.

A frase "Imagina na Copa?" se transformou no retrato do derrotismo, da negatividade, da total falta de senso crítico e de civismo de uma direita destrutiva que aposta na derrota e gostaria que a Copa do Mundo acontecesse longe do Brasil, talvez na Inglaterra, que há séculos, juntamente com os EUA, coloniza a cabeça dessa gente, que se sente menor do que os outros.

O problema, então, pertence a eles. Se o são pessoas incapazes, ou se consideram assim, que vão se tratar por intermédio de uma terapia. Vocação para ser vira-lata é o sinal, inquestionável, de quem não se respeita e não se dá o respeito. A frase que virou um adágio "Imagina na Copa?" é realmente coisa de calhorda. É isso aí.

terça-feira, 4 de março de 2014

Serra chora!

Para os desavisados não estou falando de José Serra e sim de Serra, minha cidade no Espírito Santo

Por: Eliseu 

prefeitura_serra_descasoSerra, a bela cidade do morro Mestre Álvaro e de lindas e extensas praias, chora! Chora porque apesar de dotada de tantas belezas naturais, nosso sistema eleitoral permite que sejam formados verdadeiros “cartéis” de políticos que nos enfiam goela abaixo suas candidaturas e sejamos obrigados a escolher o que achamos será o menos pior.

Nossa cidade vem desde sempre sendo administrada (?) por políticos que só pensam em si próprios e seus patrocinadores (os tão endeusados empresários na concepção do Audifax). Dão alguma “esmola” a seus lacaios e permanecem no poder indefinidamente. Temos o exemplo clássico do “Dr.” (só aceito tratá-lo por doutor quando ver seu diploma de doutorado e constatar que não é falso) Sérgio Vidigal e Audifax Barcelos. Os prefeitos anteriores não vale a pena comentar.

Sérgio Vidigal, após dois mandatos seguidos de muita enganação, fazendo maquiagem em postos de saúde e asfaltando ruas e vielas sem nenhuma infra estrutura, lançou o então desconhecido Audifax Barcelos para sucedê-lo. Ai começou o teatro: viraram adversários políticos aos olhos da população, mas estão se perpetuado no poder. E o pior: nada fazem pela sofrida cidade. Vidigal no seu ultimo mandato esteve envolvido em denúncias de corrupção. Audifax só faz lamentar que pegou a prefeitura quebrada. Enquanto isso 1 ano e 3 meses se passaram e nada foi feito. Nada mesmo!

Por enquanto vou mostrar algumas mazelas do tradicional bairro Jardim Limoeiro. Logo passo para o restante de cidade que é bem grande. Haja gigabytes para armazenar fotos e vídeos. Ainda bem que atualmente temos dispositivos que conseguem armazenar uma enorme quantidade de material que será usado para lembrar os eleitores.

A foto acima é da “Rua” XX, em Jardim Limoeiro. E aquele “belo” depósito criadouro do mosquito da dengue, ao ser perguntado à vice prefeita e ao secretário de obras se seria da prefeitura, foi dito com veemência que não. Pertence a uma empresa que presta serviços à prefeitura. Tá explicado porque a prefeitura da Serra nada tem a ver com a situação. Muito bom!

Postagem original no Blog Serra em Foco de minha propriedade. Foi criado para mostrar as mazelas (e se tiver, as benfeitorias) da administração municipal.