terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Serra/ES tem prefeito?

Por: Eliseu 

saude_audifax_serraNo post anterior falei um pouco sobre o “coxinha” prefeito de Guarapari. Mas a situação aqui na minha cidade não anda nada boa já há um bom tempo. Dois “rivais” de mentirinha vem se revezando à frente da Administração Municipal e com isso se perpetuando no poder. E o pior, com nosso aval. Não vou me estender muito porque se for para falar de todos os problemas e mazelas da nossa cidade o post vai ficar enorme.

Na área da saúde, em 2012 Sérgio Vidigal obteve o título de pior prefeito do país. Agora parece que Audifax (PSB) quer competir com ele e ficar com o amaldiçoado título. Algum cidadão que desafortunadamente precisar de um atendimento médico de urgência/emergência está perdido. Na melhor das hipóteses, para ser atendido - se for atendido com certeza será muito mal atendido - levará no mínimo 4 horas e correrá o risco de ter prescrito medicação errada, como já aconteceu com esse bloqueiro (ainda não entrei com uma ação na justiça porque sei que vai sobrar para o mais fraco, que evidentemente será a técnica de enfermagem).

ScanSe precisar de medicamento e não tiver dinheiro para comprar, ai sim, a coisa fica feia mesmo. Um “passarinho” me confidenciou que falta medicamentos básicos para hipertensão e diabetes já há vários meses em toda rede. E hoje eu mesmo tive um antibiótico prescrito que não havia na Unidade de Novo Horizonte. Consegui pegar em Praia de Carapebus que havia ainda alguns comprimidos. Por falar em Unidade de Saúde, a de Praia de Carapebus é uma verdadeira vergonha. Casa enorme alugada, mas não distribuída adequadamente para atender uma unidade de saúde. Para ter acesso à farmácia tem que subir (e depois descer, né?) uma estreita e perigosa escada, correndo sérios riscos de queda de graves consequências. A foto está acima.

Tem mais: para pegar o referido medicamento tive que argumentar com a funcionária que o SUS é universal e que tenho o sagrado direito de pegar em qualquer unidade de saúde do país desde que esteja de posse de uma receita emitida por médico credenciado ao SUS. Infelizmente grande parte da população desconhece esse direito. Até isso Audifax quer fazer. Se não mora no bairro, não tem medicamento. Oras prefeito…

E as aberrações não terminam ai.  O Azitromicina que me foi prescrito dois comprimidos me foi entregue três. Ao questionar a atendente da farmácia, a resposta: “não podemos cortar a cartela”. Conclusão: 50% do caro medicamento que não foi adquirido com dinheiro do Audifax e sim com o nosso vai para o lixo e outro munícipe ficará sem. Mas na receita foi colocado como entregue apenas dois!

Há… E se quis ser atendido direito tive que recorrer ao famoso jeitinho brasileiro e apelar para conhecimento no Hospital das Clínicas, porque se dependesse da UPA…