sábado, 26 de março de 2016

Policial civil que denunciou Aécio é encontrado morto

O policial Lucas era bastante conhecido pelas denúncias contra caciques tucanos em Minas Gerais, entre eles o senador Aécio Neves e Antonio Anastasia

Por: Eliseu 

images-cms-image-000488719Demorou um pouco, mas o que era esperado aconteceu, infelizmente. O policial civil Lucas Gomes Arcanjo, que ficou conhecido por denunciar caciques tucanos em Minas Gerais foi encontrado morto hoje (26), em sua casa em Belo Horizonte/MG. De acordo com informações do 247 Minas, o policial foi encontrado com uma gravata amarrada em seu pescoço.

A família do policial disse que não acredita em suicídio. “Lucas fazia uso de medicamentos para tratamento de depressão, e devido ao uso das drogas ele não teria forças suficientes para se enforcar, ainda mais com uma gravata”, disseram.

O policial Lucas era bastante conhecido pelas denúncias contra caciques tucanos em Minas Gerais, entre eles o senador Aécio Neves e Antonio Anastasia, a possibilidade de retaliação é grande. O investigador já tinha sido vítima de quatro atentados em respostas às denuncias que fazia, e uma delas o deixou com uma sequela na perna. Arcanjo andava com ajuda de uma bengala.

Em 12 de outubro de 2014, O Carcará republicou um post do Blog Terra Brasilis, que mostrava um vídeo no You Tube, no qual Lucas fazia graves denúncias contra o Senador tucano Aécio Neves, que até hoje não se conformou com a derrota à Presidência da República, e tenta a qualquer custo um golpe contra Dilma, que foi eleita legitimamente pelo voto popular.

Realmente o “histórico” do senador playboy Aécio Neves, o baluarte da elite, pseudo elite e pobres “metidos a besta” deslumbrados, não é nada animador. Tinha carteira de policial falsa, já foi flagrado varias vezes bêbado, principalmente no Rio de Janeiro, onde é normal vê-lo envolvido em confusões, inclusive dirigindo bêbado e já tendo sido parado em blitz da “lei seca”, que só vale para pobre.

Também é o campeão em citações dos delatores sobre corrupção, tendo a proteção do PIG e do juiz Sérgio Moro.

suicidioSem querer insinuar nada, lembrei-me que o jornalista Vladimir Herzog, o Vlado, foi assassinado no dia 25 de outubro de 1975, também num sábado, nas dependências do DOI/CODI em pleno Regime Militar - que alguns idiotas ladram pedindo a volta –, e durante décadas os militares afirmaram que foi suicídio. Mas nem se preocuparam em divulgar fotos onde ele, Vlado, aparece pendurado, com as pernas dobradas. 

Infelizmente, mas também como era de se esperar, o vídeo já foi censurado pelo You Tube. E, “estranhamente”, a Globo está quietinha sobre o assunto.

O vídeo em questão foi republicado e poderá ser visto clicando aqui. Por enquanto.