terça-feira, 9 de outubro de 2018

Vergonha de ser brasileiro!

Um país com tamanha beleza e riquezas naturais deveria ser fonte de orgulho para seus cidadãos, certo? Errado. Infelizmente!

Por: Eliseu 

O meu post intitulado O “coiso” e os supostos religiosos foi o ultimo que me justifiquei sobre não gostar de falar sobre religião e vida pessoal. Infelizmente dei-me conta que ambos estão atrelados à política, mais do que eu pensava. Portanto, daqui em diante, ambos os temas serão parte do O Carcará.

bolsonaro_arma_violênciaMesmo sabendo que meu país é povoado por maioria de ignorantes políticos, com alto índice de analfabetos funcionais, aquele indivíduo que sabe ler, até cursou faculdade, mas não sabe interpretar um simples texto, fiquei estarrecido com o primeiro turno das eleições gerais ocorrida anteontem (7).

Um ser indigno, denominado “O Coiso”, racista, homofóbico, misógino e pró-ditadura entre outros, Bolsonaro seduziu setores importantes da sociedade brasileira. A ruralista já era esperada, assim como o empresariado e a classe dominante em geral. Mas a grande surpresa ficou por conta dos evangélicos, em sua maioria.

O importante jornal francês Libération mencionou “O Coiso” em uma reportagem de 5/10, sobre o que o candidato de extrema-direita disse ao programa “Roda Viva”, TV Cultura de 30/7: Libération reproduz uma das polêmicas declarações de Bolsonaro, durante o programa:

"O português nem pisava na África. Foram os próprios negros que entregavam os escravos". "O homem que disse isso será talvez o próximo presidente de um país de mais de 200 milhões de habitantes", escreve a repórter. "Essa enormidade negacionista e racista é apenas uma das numerosas provocações de um personagem que vimos aparecer no cenário político brasileiro sem levar muito a sério, antes de assistirmos assustados à sua ascensão", reitera a matéria.

O jornal explica que no desenrolar de suas "aparições públicas desastrosas, esse nostálgico da ditadura militar - que Bolsonaro rebatizou de Revolução de 1964 -, seduziu uma grande parte do eleitorado”. Libération lembra que a campanha teve diversos episódios – “como a prisão e a impossibilidade de Lula de participar das eleições, o ataque (a suposta facada) contra o candidato do PSL - que, diz o jornal, parecem fruto de um roteirista diabolicamente criativo.” Mas a conclusão de tudo isso não é ficção, ressalta: “algumas análises não excluem a possibilidade de Bolsonaro se eleger já no primeiro turno.”  O jornal tinha razão. Por pouco, este ser diabólico não ganha a presidência logo no primeiro turno.

bolsonaro_morte_mestrecapoeira_eleiçõesO que me deixa mais estarrecido, são os evangélicos, que pregam a paz, harmonia, deveriam dar bons testemunhos se debandarem como um bando de fanáticos alucinados pelo que prega o candidato. Violência, racismo, discriminação de minorias, etc. Ululam como animais raivosos com sede de sangue. E já começou a violência. Na noite das eleições, um Mestre de capoeira é morto com 12 facadas após dizer que votou no PT, em Salvador.

Será que Jesus pregava isso? Confesso minha ignorância quase total aos mandamentos bíblicos, mas tenho certeza que não. O quinto mandamento diz: “Não matarás”. Em Ex. 20,13,Jesus disse no Sermão da Montanha: “Ouvistes o que foi dito aos antigos: “Não matarás. Aquele que matar terá de responder ao tribunal”. Eu, porém, vos digo: todo aquele que se encolerizar contra seu irmão terá de responder no tribunal (Mt. 5,21-22).

Os evangélicos, como disse anteriormente em sua maioria, encamparam a sede de vingança que Bolsonaro quer. Ainda de acordo com o jornal, seu violento discurso dá carta branca à polícia e ao Exército para dispararem contra supostos delinquentes.

E isso a apenas 30 anos após sair de uma tenebrosa ditadura militar, que durou 25 anos e ceifou a vida de milhares de pessoas e “destruiu” psicologicamente outros milhares que lutaram para que os seus pudessem viver num país livre e digno. É revoltante ver que muitos deles, com a bíblia debaixo do braço e aparentando ser uma pessoa digna, se recuse a olhar a verdade, seguindo obcecadamente estes supostos pastores, a grande parte um bando de ladrões, levaram novamente o país ao caos.

Estou cansado, sim, muito cansado desta situação, mas continuarei a luta. Tenho esposa, filhos, netos, sobrinhos (alguns querem o caos), mas de qualquer forma não desejo que passem os que da minha geração passaram. Os da minha geração que tiveram coragem, diga-se!