segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Mais uma tragédia das drogas

Por: Eliseu

Uma mãe que chegou ao extremo de acorrentar o filho para evitar o uso de crack, retirou as correntes do jovem nesta segunda-feira (29). Mas a família ainda vive o drama das agressões físicas dentro de casa, na periferia de Alegre, no Sul do Espírito Santo. A busca é por uma internação e tratamento do rapaz de 20 anos, que está consumindo a droga há mais de um ano e chegou a fumar 30 pedras de crack por dia.

"Eu tive que tirar as correntes porque ele falou que estava machucando muito, mas é difícil porque temos que ficar vigiando. Durante a noite, um dorme e o outro fica acordado, meu filho mais novo sofre para controlar o irmão", desabafa a mãe, Tereza Feliz.



Para tentar manter o filho calmo, a mãe foi mais uma vez a Secretaria de Saúde e buscou remédios tranquilizantes. "Os remédios são o único jeito para manter meu filho em casa. Ele fica o tempo todo dopado, mas hoje mesmo correu com uma faca para me matar", lamenta a mãe.


O promotor do Ministério Público de Alegre, Alexandre de Castro, vai entrar com uma ação na Justiça para garantir a vaga do jovem em uma clínica para reabilitação. Ele acredita que o resultado da ação deve sair em poucos dias. "Estamos confiantes que vamos conseguir a internação, principalmente porque o jovem quer se internar. Se não tiver vaga em Cachoeiro, vamos tentar em outras clínicas da região. Acreditando na solidariedade de todos", assegura o promotor.
Com informações do Gazeta Online.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.