domingo, 21 de novembro de 2010

Trabalho escravo no século XXI. SC é o 3° Estado

Por: Eliseu

Engana-se quem pensa que trabalho escravo no Brasil se concentra no norte do País, Goiás e MG. Santa Catarina é o terceiro Estado em número de trabalha­dores libertados de trabalho em condições análogas à de escravo em 2010. De acordo com dados do Ministério do Trabalho e Emprego, até 17 de setembro, fo­ram libertados 228 trabalhado­res em solo catarinense. Somen­te Goiás, com 343, e Pará, com 338, tiveram número superior.

Um dos casos que mais chamou a atenção foi o de 12 trabalhado­res que moravam num chiqueiro, em Ipumirim, no Meio-Oeste. Eram panelas, roupas e alimentos no mesmo espaço de baias cheias de dejetos e até um cavalo. A situação foi flagrada em maio deste ano.

Tomavam banho em um rio, construíram um banheiro improvi­sado e canalizaram água de um cór­rego onde descobriram, dias depois, que havia uma vaca morta a menos de 50 metros do local. Além disso, não tinham equipamentos de segu­rança nem assistência médica.

Numa ação conjunta do Ministério do Trabalho e Emprego, Ministério Público Federal e Polícia Federal os trabalhadores foram retirados do lo­cal, indenizados e retornaram para suas casas, em Ponte Serrada, no Oeste. O pro­prietário foi autuado e teve de pagar indenização para os trabalhadores, além de multa.

Entre os 15 trabalhadores, estavam o casal José Fleck, 51 anos, e Salete Ferreira, 52 anos. Eles dormiam em uma cama de solteiro, na mesma peça que os demais trabalhadores. Agora, estão de volta em casa, na periferia de Ponte Serrada.

 Nos pegaram como escravos, conta José, que tem 16 filhos.

Salete tem cinco, de outros casa­mentos. Mesmo assim, o casal mora sozinho. Salete sempre cortou erva-mate. Como não estudaram, sobram poucas alternativas de emprego.

Fonte: Diário Catarinense

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.