quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Aécio tenta "reAfundar" PSDB

Desde que se elegeu senador, o ex-governador Aécio Neves (PSDB-MG) defendeu nesta terça-feira a unidade do DEM.

Aécio disse que a unidade do partido é fundamental para que se construa no país um "projeto alternativo de poder" ao governo do PT, em meio aos rachas do partido.
O tucano se reuniu com o presidente do DEM, Rodrigo Maia (RJ), e líderes da sigla --sem a presença do ex-senador Jorge Bornhausen (SC), desafeto de Maia.
Aécio fez elogios públicos a Maia numa tentativa de demonstração de força do atual presidente do DEM. Segundo o ex-governador, unido, o DEM tem um "papel vital" no processo eleitoral do país. "Se soubermos fazer oposição qualificada, vamos nos transformar em uma alternativa viável de poder", afirmou o tucano ao grupo de democratas.
Em um rápido discurso, Aécio disse estar "disponível" para futuras missões políticas, deixando claro sua eventual candidatura à Presidência. "Vou ser sempre um companheiro que contribuirá no que vocês acharem necessário", disse.
O ex-governador defendeu que a oposição mostre sua trajetória ao invés de escondê-la - num recado velado ao candidato do PSDB à Presidência, José Serra (SP). O tucano foi acusado por parte do partido de não ter defendido feitos do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso durante a campanha.
Bornhausen e Maia travam uma disputa pelo comando do partido. O ex-senador defende a antecipação das eleições para a troca do presidente depois que Maia prorrogou seu mandato até o final de 2011 no cargo - com o apoio de parte da legenda. Em meio ao impasse, os dois grupos brigam por espaço.
Amanhã, a executiva nacional do DEM se reúne para decidir o futuro da legenda. Maia disse estar disposto a discutir alternativas capazes de garantir a unidade do DEM. "Tudo o que estiver ao meu alcance será feito. O caminho que gerar unidade de todos", afirmou

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.