sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Governadores tucanos vão à posse de Dilma

Ao menos seis governadores eleitos pelo PSDB estarão na posse da presidenta eleita, Dilma Rousseff, do PT, no sábado, dia 1º de janeiro.
As lideranças tucanas Geraldo Alckmin (São Paulo), Beto Richa (Paraná), Marconi Perillo (Goiás), Tetônio Vilela (Alagoas), Anchieta Júnior (Roraima) e Siqueira Campos (Tocantins) confirmaram que participarão do evento. Simão Jatene (Pará) não confirmou presença e Antonio Anastasia (Minas Gerais) foi o único governador tucano eleito que avisou que estará ausente.
Siqueira Campos chegou a alterar o horário de sua própria posse para conseguir estar em Brasília a tempo da cerimônia no Palácio do Itamaraty. O PSDB solicitou a antecipação da posse do governador do Tocantins das 9h para as 8h. Tudo para que ele pudesse estar, às 11h, embarcando para o Distrito Federal.
O horário da festa de Dilma também não foi problema para os governadores eleitos por partidos da base aliada. A presidenta contará com a presença das principais lideranças do PT, PMDB e PSB. Confirmaram as presenças os governadores Sérgio Cabral (Rio de Janeiro), Jaques Wagner (Bahia), Eduardo Campos (Pernambuco), Cid Gomes (Ceará), Roseana Sarney (Maranhão), entre outros. No total, 15 governadores assistirão à festa.
O governador eleito pelo PT Tião Viana (Acre) terá de tomar posse às 0h30 do sábado para poder sair de Rio Branco, capital do Estado, a tempo de estar na capital federal para a posse de Dilma. Por acontecer de madrugada, a posse de Tião Viana fará parte da programação do réveillon na cidade.
Fonte: Último Segundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.