quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Pesquisadores alemães afirmam ter curado portador do HIV

Pesquisadores alemães relataram que podem ter curado um homem infectado pelo vírus HIV. Se confirmado, devido às peculiaridades do caso, isso representaria um avanço científico, mas não necessariamente um avanço no tratamento da doença, informou o site da CNN. Este seria o primeiro caso documentado de uma pessoa curada do vírus.
O homem, um americano habitante de Berlim chamado Timothy Ray Brown, desenvolveu leucemia mieloide e teve que passar por um transplante em 2007 depois de o câncer ter alcançado sua medula óssea. O transplante — que trata a leucemia ao "reiniciar" o sistema imunológico do corpo e criar novas células brancas — teria ao mesmo tempo curado o paciente do câncer e do vírus HIV.
Desde então, três anos e meio depois, o americano não toma mais medicamentos para conter o vírus. O homem tampouco mostra sinais de leucemia, e seu sistema imunológico voltou a ser o de uma pessoa saudável. De acordo com os pesquisadores alemães, "os resultados sugerem que a cura do HIV foi atingida nesse paciente".
A possível cura, porém, só veio depois de muitas complicações e tratamentos de saúde. O homem teve que passar por quimioterapia e receber células-tronco, mas o câncer voltou a aparecer, e mais um transplante de células-tronco foi necessário. Depois de recuperado do tratamento, Brown sofreu complicações neurológicas e teve amnésia e cegueira temporárias, segundo o jornal online The Daily Planet Dispatch. Ele teve de passar por terapias para reaprender a realizar atividades simples como falar e caminhar normalmente.
O estudo foi publicado na semana passada no periódico Blood por pesquisadores do hospital Charité, de Berlim.
Do: Diário Catarinense

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.