sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Trabalho escravo

Por: Eliseu
Em pleno século XXI ainda vemos quase que constantemente notícias sobre trabalho escravo em diversas regiões do Brasil. Fiscais do Ministério do Trabalho resgataram 35 trabalhadores em condições degradantes em fiscalização realizadas em Goiás e Mato Grosso. Em Aparecida de Goiânia, 11 homens que atuavam na construção civil foram resgatados, enquanto 24 pessoas deixaram bares e casas noturnas onde trabalhavam em situação igual à de escravos em Várzea Grande (MT) após a ação dos fiscais.
Como sempre acontece, os trabalhadores da construção civil alegaram terem sido iludidos com promessas não cumpridas ao deixarem o Maranhão em busca de serviço em Goiás. A empresa que os contratou não acertou a documentação e cobrava deles as passagens de ônibus.
Os fiscais detectaram ainda irregularidades como cerceamento do direito de ir e vir, alojamentos precários e insegurança alimentar. Alguns funcionários denunciaram que não recebiam comida se estivessem doentes ou impossibilitados de trabalhar. Ainda havia terceirização irregular de trabalho e atraso nos pagamentos de salários.
Já em Várzea Grande, os fiscais observaram que os trabalhadores eram obrigados a jornadas de trabalho exaustivas e alojamentos precários e inseguros, sem medida de proteção para incêndio e sujos. Os empregados recebiam por show e comissão sobre venda de bebidas, e os valores eram trocados por mercadorias fornecidas pelo empregador a preços superfaturados.
Segundo o Ministério do Trabalho, entre janeiro e setembro deste ano foram realizadas 69 operações para erradicação de trabalho escravo pelo país, que resultaram no resgate de 1,4 mil trabalhadores e no pagamento de R$ 5,4 milhões de reais de verbas rescisórias.
Fonte: Folha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.