quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

WikiLeaks: Twitter e Facebook excluem contas de hackers

O Facebook e o Twitter excluíram contas de ativistas online que atacaram os sites da operadora de cartões de crédito Visa e outros serviços de pagamento via Internet devido a suas tentativas de bloquear o site WikiLeaks, depois que este divulgou cabogramas diplomáticos norte-americanos.
O Facebook confirmou que havia excluído a página Operation Payback, operadora por ativistas, na quinta-feira, porque ela estava promovendo um ataque distribuído de negação de serviço --uma forma ilegal de congelar sites. O Twitter se recusou a comentar.
A ação contra a Operation Payback e os ativistas que se definem como defensores da liberdade na Internet se seguiu a ataques online promovidos por eles contra gigantes dos cartões de crédito, a exemplo da Visa e Mastercard.
A campanha ressurgiu no Twitter no final da tarde, horário europeu, com o uso de outra conta. Os especialistas afirmam que as exclusões não devem ter muito efeito sobre a campanha em favor do WikiLeaks, porque os ativistas estavam usando outros serviços de chat para se organizar.
Um representante de um dos grupos envolvidos na campanha online declarou na quinta-feira que mais ataques online eram prováveis, como represália pelas tentativas de bloquear o WikiLeaks.
Na quinta-feira, os defensores do WikiLeaks estavam planejando ataques contra o serviço de pagamentos online PayPal e outros supostos inimigos do site de denúncias, que enraiveceu as autoridades dos Estados Unidos ao divulgar detalhes de 250 mil cabogramas confidenciais.
A Amazon também foi mencionada como alvo.
"A campanha não acabou, pelo que vi, e continua forte. Mais gente está aderindo", disse um porta-voz que declarou se chamar "Coldblood" à BBC Radio 4. O porta-voz, que tinha sotaque inglês, disse ter 22 anos e trabalhar como engenheiro de software.
Os sites das gigantes dos cartões de crédito Mastercard e Visa foram derrubados temporariamente por meio de ataques distribuídos de negação de serviço, que paralisam servidores por algum tempo ao bombardeá-los com número excessivo de solicitações. 
Fonte: Estadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.