terça-feira, 29 de março de 2011

José Alencar: "Tenho medo da desonra, não da morte"

"Eu não tenho medo da morte. Da desonra, sempre tive”. Reiteradas vezes, em meio à longa e penosa batalha contra o câncer, José Alencar Gomes da Silva recuperou o vocabulário esquecido da política brasileira. Por todos os cantos, cidadãos que acompanharam a dignidade com que o ex-vice-presidente da República enfrentou as recidivas dos tumores, em princípio, no abdômen, ouviram a referência a Sócrates. O filósofo, que preferiu a cicuta à negação de suas ideias, consideradas subversivas à polis, respondeu quando lhe indagaram se não temia a morte: “Não posso opinar sobre o que não conheço. Minha preocupação é com a vida, que desejo viver bem, com dignidade e sem desonra.”

2 comentários:

  1. José Alencar nunca morrerá, pois sempre defendeu suas idéias com dignidade. E alguém assim, pode ir embora materialmente, mas não conseguirá morrer para nós.

    ResponderExcluir
  2. Olá José Nelson. Obrigado pelo comentário. E está corretíssimo. Quem sabe a história de vida desse homem sabe que a dignidade sempre esteve a frente de suas ações.

    ResponderExcluir

Este espaço é livre. Os comentários são de total responsabilidade dos seus remetentes, não representando necessariamente a minha opinião.
Todos os comentários serão publicados após moderados, mas os comentários anônimos nem sempre serão respondidos.
Porém, não serão tolerados spams, insultos, difamação ou ataques pessoais a quem quer que seja.
Textos ofensivos ou que contenham agressão, discriminação, palavras ou expressões grosseiras e sem estarem inseridas no contexto, ou que de alguma forma incitem a violência ou transgridam leis e normas vigentes no Brasil serão excluídos.